quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Arbitragem protesta contra a violência no futebol amador

Redação/Paraná OnLine


A Associação Profissional dos Árbitros de Futebol do Paraná (APAF-PR) organizou um manifesto para protestar contra a violência no futebol amador de Curitiba. A entidade irá aproveitar o julgamento do jogo entre Novo Mundo e Calisto, nesta quarta-feira. No confronto válido pela categoria júnior, a arbitragem foi agredida.

"Vamos comparecer no maior número possível de árbitros ao julgamento
vestidos com a camisa preta do uniforme e acompanhar em silêncio o
julgamento. A presença da maioria é importante, pois amanha pode ser um de
nós a vítima", convocou o 1º Secretário da APAF, Willian Bigaski Stolle. Os
Árbitros vão se reunir as 18h30 na sala da Associação que fica anexa ao
estádio Pinheirão.

Confusão

Na partida preliminar entre Novo Mundo e Calisto, jogadores da segunda equipe agrediram os árbitros Alcino de Marchi Amarilla e Robson Coutinho. Amarilla registrou um boletim de ocorrência afirmando que sofreu agressões nas costas e na mão direita. O caso pode acabar com uma ação civil contra o Calisto e contra a Federação Paranaense de Futebol (FPF), por não oferecer segurança na partida.


Nota do Apito do Bicudo

PS (1): “ neste episódio deprimente, abjeto, repugnante de agressão física aos árbitros da Federação Paranaense de Futebol, que está se tornando rotina e  vem acontecendo no futebol amador de Curitiba e campeonatos de ligas, há dois culpados. A entidade que representa os árbitros, no caso específico a Associação Profissional de Árbitros de Futebol do Paraná e os próprios árbitros da FPF. Ambos se calaram e fizeram ouvidos moucos para os acontecimentos nos últimos anos.  Há  muito tempo aqui neste espaço e nos demais sites e Blogs que escrevo sobre o tema arbitragem, e o internauta que me  acompanha é testemunha, venho afirmando reiteradamente a omissão, a conivência e a pusilanimidade da Associação dos Árbitros e, por extensão, dos maiores prejudicados, os árbitros, que têm sido vitimados por várias agressões físicas. Agora, diante da última agressão física perpetrada contra um membro do quadro de árbitros da entidade em (19/8/2011) - denúncia feita com absoluta exclusividade por este colunista, e a repercussão  negativa do fato em escala nacional, a nova diretoria que assumiu este ano, decidiu tomar posição e promete daqui pra frente enfrentar a situação de peito aberto”. Oxalá, tomara que  não seja fogo de palha.

PS (2): Sites onde  escrevi e denunciei  as agressões físicas sofridas pelos árbitros da Federação Paranaense de Futebol  e a omissão da Associação Profissional de Árbitros do Paraná nos últimos anos. www.justicadesportiva.uol.com.br/ - www.futebolamadorpr.com.br – apitodobicudo.blogspot.com– www.safergs.com.br – www.aereb.com.br -www.parana-online.com.br


Proteger os jogadores e a imagem do futebol

O responsável pela arbitragem da UEFA, Pierluigi Collina, destacou a mensagem transmitida pela entidade aos árbitros europeus de topo, agora que entram numa nova época de clubes e selecções.
por Mark Chaplin

Proteger os jogadores e a imagem do futebol
Pierluigi Collina (Italy) ©uefa.com 1998-2011. 

Proteger os jogadores – proteger a imagem do jogo. É esta a mensagem transmitida pela UEFA aos principais árbitros internacionais europeus, à medida que se preparam para mais uma época agitada, em jogos de clubes e selecções.

O responsável pela arbitragem da UEFA, Pierluigi Collina, divulgou a mensagem no início das actividades da temporada europeia da UEFA, esta quinta-feira, no Mónaco. Também sublinhou a satisfação global com a experiência de mais dois árbitros-assistentes adicionais e destacou o mês de Dezembro, altura em que os árbitros de elite da Europa ficarão a saber quais vão estar presentes na fase final do UEFA EURO 2012, que decorre no próximo Verão na Polónia e Turquia.
Proteger os jogadores, disse Collina, significa evitar e tomar medidas contra faltas graves e cortes impiedosos. "Não queremos ver pernas partidas", enfatizou o italiano. "Temos que evitar o potencial de um jogador ver a sua integridade física ser colocada em perigo por um adversário. Não queremos ver médicos em campo. É preciso convencer os jogadores a não colocarem em risco a saúde de um adversário. Respeitar os oponentes e proteger os jogadores é um dos nossos principais objectivos.
"O outro grande objectivo é proteger a imagem do futebol", acrescentou Collina. "Não queremos ver os árbitros serem rodeados pelos jogadores. Temos presenciado situações em que jogadores percorrem uma longa distância só para pressionar e rodear o árbitro. Recomendamos aos árbitros que não aceitem este tipo de comportamento". A mensagem foi reiterada aos árbitros na reunião de Verão que teve lugar esta semana, em Nyon.
Collina também falou sobre os castigos que enfrentam os jogadores que provoquem deliberadamente a amostragem de um cartão amarelo para cumprirem castigo disciplinar. "Os jogadores serão castigados com dois jogos de suspensão", destacou. "É ponto assente – os jogadores não podem decidir quando são suspensos".
A experiência com árbitros-adicionais assistentes prossegue esta época na UEFA Champions League e na UEFA Europa League, sendo igualmente alargada ao UEFA EURO 2012. "Recebemos reacções muito positivas da parte dos árbitros", revelou Collina. "Sentem que controlam melhor o que se passa dentro do relvado, e a presença dos árbitros-assistentes adicionais serve para dissuadir agarrões ou puxões na área em lances de bola parada".
Tal como qualquer outra experiência, as melhorias são desejáveis – o posicionamento dos árbitros-assistentes adicionais também mudou, e têm sido realizados esforços especiais para tornar o público mais consciente do papel desempenhado por estes elementos.
Para além disso, Collina explicou a organização do sector de arbitragem da UEFA. O Comité de Arbitragem da UEFA inclui 16 membros nomeados pelo Comité Executivo da UEFA. O seu presidente, Ángel María Villar Llona, e o vice-presidente, Şenes Erzik, são ambos membros do Comité Executivo da UEFA, enquanto todos os outros membros são ex-árbitros.
Em Fevereiro de 2010, o Comité Executivo da UEFA escolheu Collina como director do gabinete de arbitragem da UEFA, e Marc Bata (França) e Hugh Dallas (Escócia) como delegados de arbitragem, com a tarefa de coordenarem as actividades do Comité de Arbitragem da UEFA, definindo as estratégias técnicas da arbitragem da UEFA e a escolha e preparação dos árbitros para as competições da UEFA.
Entretanto, a preparação dos árbitros envolve três áreas principais – física, técnica e desenvolvimento e futuro. Os árbitros recebem programas de treino, instruções nutricionais e conselhos, e os seus níveis físicos são sujeitos a controlos à distância. Testes físicos ao longo da época e exames médicos completam o vasto catálogo de actividades – incluindo um teste de habilidade visual para garantir que os árbitros conseguem 'fixar um lance', ou seja, tirar uma 'fotografia instantânea' de um momento de jogo, focarem objectos perto ou em movimento, e reagirem ao que se passa em seu redor.
Os árbitros também são regularmente acompanhados por membros do Comité de Arbitragem da UEFA e observadores, por motivos de avaliação e treino. São realizados cursos para os diferentes níveis de arbitragem, enquanto as actividades de desenvolvimento e futuro incluem o programa de talentos e mentores, bem como treinos no Centro de Excelência de Árbitros da UEFA (CORE), localizado no Centro de Excelência Futebolística, em Nyon.
As equipas de arbitragem para o UEFA EURO 2012 vão ser escolhidas em Dezembro. "Os árbitros da categoria de elite da UEFA serão monitorizados até lá, e a lista dos 12 quintetos seleccionados será finalizada em Dezembro. Depois disso, os árbitros escolhidos serão monitorizados de Fevereiro a Maio de 2012", disse Collina. "Os quintetos seleccionados vão trabalhar juntos". Vai ainda realizar-se um workshop de preparação para o EURO, em Varsóvia, no próximo mês de Maio, e os árbitros-assistentes vão receber treino específico.

Fonte: Uefa.com

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Arbitrar é prever rapidamente

Arbitragem de um jogo de futebol não é nada além do que uma série constante de previsões de pequeno porte, de catarata. Isso é o que o cérebro é dedicado principalmente ao dançarino. E os árbitros fazem isso muito bem. Essas são as conclusões do último estudo realizado pelo neurocientista cognitivo (EUA) Jeffrey Zacks, professor de psicologia na Universidade de Washington em St. Louis (EUA).

O cérebro não prevê
Zacks conseguiu identificar a região do cérebro que influencia com essa reduzida clarividência, que os árbitros e a maioria das pessoas têm em suas vidas diárias. Mas o mesmo Zacks esclareceu que ao contrário do que tem aparecido em algumas publicações cientificas, o cérebro não prevê o futuro, como dizem os astrólogos e os leitores de tarô. "Quando falamos em prever o futuro, muitas vezes pensamos sobre o que vai acontecer com os eventos em Trípoli ou o próximo furacão que atingirá nossa região, nisso estamos muito ruim", disse Zacks.

Previsões de curto prazo
"Mas somos bons em prever o que vai acontecer em curto espaço de tempo, ao longo dos próximos dois ou três segundos" é nisso que os árbitros acertam. Na verdade, Zacks tem detectado que nesse curto prazo, os árbitros e o resto dos mortais, podem prever o que acontecerá com uma precisão de 90%. Isso será possível se os acontecimentos num jogo de futebol ou na vida cotidiana manterem uma linha coerente de causalidade. A pesquisa estudou um grupo de jovens voluntários em um laboratório. Eles foram colocados para assistir jogos de futebol e filmes. Em seguida, foi feita uma pausa para pedir-lhes para prever o que aconteceria cinco segundos depois.

Previsões complicadas 
Em mais da metade das vezes, a interrupção acontecia logo após os acontecimentos limite. Participantes do experimento acertavam em 90% com as situações que se seguiu um curso normal, mas caiu para 80% quando houve mudanças de situação. Zacks explica que é mais difícil prever quando acontece uma mudança súbita no curso dos acontecimentos. "Além disso, os indivíduos conheciam e perceberam que estavam tendo problemas."

Resultados notáveis
O resultado foi um aumento acentuado na atividade do sistema de dopamina do mesencéfalo, isso quando a previsão era feita, bem como quando eram reveladas, bem sucedidas ou não. Nesse sentido, a experiência mostrou que a ativação do MDS na definição da previsão é consistente com a tese de que esses erros geram um processo de reorientação da atenção e atualização (upgrade) de memória. Além disso, como disse Zacks, espera que as suas teorias, alem de detectar que arbitrar é prever rapidamente as suas conclusões, possam servir para o diagnóstico de diversas doenças neurológicas mais cedo.

Fonte: Jornalista José Borda/Revista Árbitros
PS: Edgar Felipe, o narrador do passou, passou e Toni Cesar, ambos da rádio CBN, estão passando da bola. Os indigitados profissionais utilizam durante as transmissões das partidas que narram, de  uma linguagem objetiva, cativante e o mais importante: a dupla Edgar e Toni, narram o maior tempo de bola em jogo em relação aos demais congêneres que transmitem futebol na capital paranaense na atualidade. Para quem é íntimo do rádio esportivo, basta fazer uma comparação.





segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Árbitros de topo europeus preparam-se para 2011/12

 Pierluigi Collina, fará palestras aos árbitros
Os principais árbitros da Europa participam esta semana, na Suíça, na edição de 2011 da reunião de Verão da Uefa para árbitros de topo. Este encontro anual, que visa preparar os compromissos da temporada que ora se inicia nas provas de clubes da Uefa e das seleções nacionais, tem lugar em Genebra e no quartel-general da Uefa, em Nyon.

De segunda a quarta-feira, esta ação fornecerá a um total de 99 árbitros de elite, aspirantes a elite e primeira categoria, instruções e orientações para os ajudar a tomar melhores decisões, bem como para testar a sua condição física.

Desde as palavras de abertura, que estarão a cargo do presidente do Comité de Arbitragem da Uefa, Angel María Villar Llona, à apresentação por parte do líder do colégio de árbitros da entidade, Pierluigi Collina, os árbitros irão receber conselhos dos membros do Comitê de Arbitragem e de peritos profissionais.
 Angel Villar (ao centro), presidente do Comitê de Árbitros da Uefa

A apertada agenda incluirá debates sobre o sistema de comunicação dos árbitros, mãos na bola, foras-de-jogo, trabalho de equipe entre os árbitros e comportamento anti-desportivo, a que se soma uma retrospectiva sobre a época que passou e ainda uma apresentação dos objetivos para 2011/12.

Os delegados, que consistem em 23 árbitros de elite, 11 aspirantes a elite e 65 de primeira categoria, vão ser ainda divididos em grupos de trabalho antes de receberem o "feedback" nas sessões plenárias.

Para além disto, dadas as exigências para os árbitros manterem uma excelente condição física de maneira a lidarem convenientemente com o ritmo atual dos jogos, os árbitros vão ser submetidos a um teste físico de 90 minutos para aferir a sua condição atlética.


Fonte: Uefa

Mano a mano

 Paulo César de Oliveira
Concluído o primeiro turno do Brasileirão/2011, cujo nível de arbitragem oscilou entre o bom é ótimo, embora algumas lacunas ficassem abertas em termos técnicos, na verdade os clubes, isso com raras exceções, estão com os pés no chão, isto é, não foram “abaladas”  as cabeças dos cartolas.

 Paulo César de Oliveira
Todas as competições  apresentam no seu evoluir imagens mais lúcidas e outras menos brilhantes. Quanto a segunda hipótese, para não martirizar os personagens do apito que estão perfeitamente incluídos pelas omissões apresentadas, vamos apenas dar destaque àqueles que merecem a medalha de ouro e em razão disso, e por incrível que pareça alcançaram o índice meritório: 10. 
Ei-los: Paulo César de Oliveira (foto-Fifa/SP) e Luiz Flavio de Oliveira (foto-Asp/Fifa/SP). Os indigitados árbitros apitaram em quantidade e em qualidade. Ambos chegam ao pódio de melhores árbitros nesta primeira fase do maior campeonato de futebol do mundo, o campeonato brasileiro de futebol, com inteira justiça. Porque cumpriram na íntegra os cinco pilares elementares que a Fifa exige de um árbitro que são: (tático, posicionamento no campo de jogo).  (físico, presença nas jogadas  e  resistência durante a partida, velocidade (capacidade de deslocamento nas jogadas de alta propulsão).  (técnico, interpretação e aplicação das Regras do Jogo de Futebol).  (psicológico, a assertiva nas tomadas de decisões no campo de jogo).  E o  social que envolve  a conduta, a formação moral, ética, profissional, ou seja, o dia a dia do árbitro que  é um ser humano que vive e convive em sociedade.



Luiz Flavio de Oliveira
PS: Em se tratando de árbitros assistentes, nesta primeira etapa do Brasileirão/2011, Altemir Hausmann (Fifa/RS) e Roberto Braatz (Fifa/PR), foram impecáveis nas sinalizações, no posicionamento e trabalho em equipe. 

sábado, 27 de agosto de 2011

Professor Heber Roberto Lopes

De acordo com o Dicionário Aurélio, professor é aquele  que ensina uma ciência, uma arte, uma técnica, uma disciplina e é considerado mestre. Heber Roberto Lopes, o árbitro do clássico,  Coritiba/PR 1 x 1 Atlético/PR, demonstrou todas as qualidades acima e sua atuação deve ser observada e transmitida, sobretudo ao quadro de árbitros da Federação Paranaense de Futebol.

Do primeiro ao último segundo,  o indigitado árbitro da FPF e da Fifa não permitiu nenhuma conduta antidesportiva; não aceitou que os atletas envolvidos no clássico desaprovassem com palavras ou gestos suas tomadas de decisões; não permitiu que os atletas infringissem persistentemente as Regras do Jogo de Futebol; não permitiu o retardamento da partida quando ele foi paralisada por algum motivo da regra, agilizando o seu reinício incontinenti; não permitiu que os jogadores se posicionassem a menos de 9,15 metros nas cobranças de tiro livre e tiro de canto; não permitiu que nenhum atleta retornasse ao campo de jogo quando saiu sem a sua permissão; não permitiu que nenhum atleta abandonasse deliberadamente o campo de jogo sem a sua aquisciência.

Quando algum atleta ousou infringir as leis do jogo, agiu com energia sem ser autoritário. Mostrou ser um árbitro moderno comunicando-se com os atletas, assistentes e os membros das área técnica, através do olhar, dos sinais, da fala, da expressão corporal e, quando necessário, advertiu os infratores com cartão amarelo em consonância com as determinações da Fifa. 

Numa linguagem simples: Heber Roberto Lopes esteve perfeito na apresentação, seu aspecto fisionômico explicitou serenidade total, utilizou o apito e o som de forma adequada, excelente postura, ou seja, portou-se como um artista faria seu trabalho num teatro e esbanjou condição física, já que não perdeu um único lance do nominado jogo.   Os assistentes Roberto Braatz e Bruno Boschilia, foram perfeitos em todos os posicionamentos, sinalizações e trabalho em equipe. Excelente arbitragem!

PS: ao excluir da área técnica, o  treinador do Atlético/PR,  Renato Portaluppi, aos 43’ da etapa inicial, o árbitro Heber Roberto Lopes agiu com correção. A  Fifa  diz que o técnico e demais ocupantes da área técnica  deverão comportar-se de maneira adequada, o que não vinha acontecendo com o treinador do rubro-negro da Arena da Baixada.

Audiência pública discutirá qualificação dos árbitros de futebol

Carlos Simon e Leonardo Gaciba estão entre os convidados a participar da audiência na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados que discutirá a qualificação profissional, a formação e a fiscalização da arbitragem no futebol brasileiro.

Carlos Simon 
A Comissão de Turismo e Desporto aprovou na quarta-feira, 24, requerimento para a realização de audiência pública que discutirá a qualificação profissional, a formação e a fiscalização da arbitragem no futebol brasileiro. A iniciativa do debate é dos deputados André Figueiredo (PDT-CE) e Afonso Hamm (PP-RS). Eles ressaltam que, atualmente, os torcedores têm presenciado uma onda crescente de conflitos envolvendo árbitros, técnicos e equipes, o que influencia os resultados das partidas e incita a violência nos estádios.


"Considerando que o País estará em destaque em todas as emissoras de televisão do mundo, por sediar a Copa das Confederações de 2013 e a Copa do Mundo de 2014, é de suma importância que tenhamos uma preocupação com o sistema de arbitragem", afirma Figueiredo.


Serão convidados para participar da audiência:


- o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol (Conaf), Sérgio Corrêa;
- o presidente da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf), Marcos Antônio Martins;
- o ex-presidente da comissão de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)
Edson Rezende;
- o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Rubens Approbato
- o observador e ex-árbitro da Federação Internacional de Futebol (Fifa) Antônio Pereira da


Silva;
- os ex-árbitros da Fifa e atuais comentaristas da Rede Globo Arnaldo Cézar Coelho e José
Roberto Wright;
- o ex-árbitro da Fifa e atual comentarista do canal SportTV Leonardo Gaciba; e
- o ex-árbitro da Fifa Carlos Eugênio Simon.
Ainda não foi definida a data do debate.
Fonte: Agência Câmara de Notícias/Safergs

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Encontro de Escolas de Arbitragem em Sergipe


capa_15082010
O ex-árbitro e hoje presidente da Escola de Arbitragem de Futebol do Rio de Janeiro Carlos Elias Pimentel foi a Aracaju avaliar, como estão os preparativos para o III Encontro das Escolas de Arbitragem de Futebol do Brasil, que se realiza em Aracaju, entre os dias 23 e 27 de novembro.


Acompanhado do presidente da Associação dos Árbitros Profissionais de Futebol do Estado de Sergipe, Ivaney Lima, Elias Pimentel visitou o secretário de Estado do Esporte e do Lazer (SEEL), Mauricio Pimentel. Cariocas que são, trocaram idéias sobre o Rio de Janeiro. Mas Elias Pimentel aproveitou para agradecer o apoio do governo do estado ao evento.

- Somos parceiros em muitos eventos. Quando fui convidado por Ivaney, para apoiar o Encontro de Escolas de Árbitros, nos colocamos à disposição da Associação de Árbitros, para atender naquilo que for possível e reforçar essa parceria", disse o secretário. Sobre os preparativos para o encontro, Elias Pimentel gostou do que viu e leva uma boa impressão do trabalho desenvolvido pelas entidades responsáveis pelo evento, a Federação Sergipana de Futebol (FSF) e a Associação dos Árbitros Profissionais de Futebol do Estado de Sergipe - AAPF/SE.

O dirigente se reuniu também com o presidente FSF Carivaldo Souza e com o presidente da
AAPF/SE, Ivaney Alves Lima e ouviu dos dois um relato minucioso sobre o que já foi elaborado
com vistas ao evento, como por exemplo, definição do local, hospedagem, transporte interno
e alimentação dos participantes.

Segundo Ivaney Alves Lima, os preparativos para o evento já começaram. "Em reuniões semanais, as diretorias das instituições estão definindo as estratégias que farão do evento um grande sucesso. Vislumbrando boas oportunidades de negócio e a divulgação de suas marcas, grandes parceiros já se somam à iniciativa", revela o presidente.

Para Carivaldo Souza, a presença de um dirigente da entidade em Aracaju é a demonstração
de que os promotores do evento estão acompanhando a estratégia de organização, para que
seja obtido sucesso absoluto.

- A FSF é uma parceira de vanguarda. Desde o primeiro momento, que fomos solicitados para
formar a parceria na promoção do Encontro de Escolas de Árbitros, disse ao presidente Ivaney
que a FSF iria contribuir com o necessário, para que o Encontro se revestisse de êxito absoluto,
revelou Carivaldo Souza.

Fonte: AAPF-SE (Texto de Glvaldo Batista, assessor de Comunicação)

Associação dos Árbitros não gostou do pedido de substituição de Heber

Associação dos Árbitros
Apito do Bicudo

A Associação Profissional dos Árbitros do Paraná repudiou o pedido do Atlético de substituir Heber Roberto Lopes do comando do Atletiba do próximo sábado.
Confira a nota da entidade na íntegra
A Associação Profissional dos Árbitros do Paraná - APAFPR., entidade representativa dos árbitros de futebol de campo no âmbito do Estado do Paraná, vem a público repudiar a atitude do presidente do Clube Atlético Paranaense, Marcos Augusto Malucelli por ter encaminhado ofício à CBF, solicitando a substituição do árbitro do quadro da Fifa e da Federação Paranaense de Futebol, Héber Roberto Lopes, escalado por sorteio para dirigir o jogo Coritiba x Atlético, no próximo sábado, às 18h no Couto Pereira.
Desprovido de argumentos sólidos e convincentes, o sr. Malucelli sustenta seu pedido afirmando que a indicação teria sido recebida com descontentamento não só pelo clube que preside, mas também por grande parte dos meios esportivos do Paraná, citando ainda uma suposta investigação por parte do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), em face de incidentes no jogo Figueirense x Flamengo e fazendo menção a um suposto "histórico infeliz do referido árbitro em partidas anteriores de nosso clube."
 
Importante ressaltar que não existe investigação a respeito, tratando-se de mais uma ilação, quanto ao jogo Figueirense 2 X 2Flamengo. Prova disso são as isentas palavras do ex-árbitro da Fifa, o cearense Dacildo Mourão, que declarou na semana seguinte ao jogo: "Flamengo tem peso 2. "Vejam o que é o peso do Flamengo. O Héber Roberto Lopes fez um brilhante trabalho no jogo Figueirense x Flamengo, domingo passado, está fora das quatro séries, pois o intocável Ronaldinho Gaúcho reclamou e falou bobagens relativas ao árbitro. Héber apenas cumpriu sua obrigação dentro das quatro linhas. Parabéns ao Heber e continue aplicando a regra com rigor contra jogadores indisciplinados e que pensam ser donos do mundo. Apenas Deus é o dono."
O presidente do Atlético, Marcos Malucelli, menciona um eventual histórico infeliz em jogos do clube, sem dados concretos, como se o árbitro fosse o responsável pelos fracassos alcançados nos jogos arbitrados. É público e notório que dentro de campo esse glorioso clube vem atravessando dificuldades na gestão do atual presidente, lutando incessantemente para não ser rebaixado à segunda divisão nacional, motivando a torcida a constantemente pedir sua renúncia. E nesses casos, todas as arbitragens foram de fora do Estado do Paraná.
O árbitro Héber Roberto Lopes é motivo de orgulho da arbitragem paranaense, atualmente ocupa o 1º lugar no Ranking internacional da CBF e está pré-selecionado para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. Tem competência e personalidade suficientes para não se deixar induzir por essa coação psicológica, cujo único objetivo é desestabilizar o árbitro na tentativa de um ganho involuntário ou justificativa prévia aos torcedores.
Cabe ainda alertar o presidente do Clube Atlético Paranaense, que a arbitragem paranaense não se curvará e jamais desviará um milímetro para beneficiar ou prejudicar intencionalmente quem quer que seja, pouco importando a tradição ou a condição econômica dos clubes interessados, pois apesar de sermos os mais fracos dessa corrente chamada futebol, talvez sejamos os mais justos e os mais injustiçados.
Bicudo faz coro a Associação dos Árbitros
Por Valdir Bicudo
Recebo, publico e aplaudo a manifestação da direção da (APAF/PR), Associação Profissional dos Árbitros de Futebol do Estado do Paraná, que sai em defesa do árbitro da Federação Paranaense de Futebol e associado da Apaf, Heber Roberto Lopes. O indigitado árbitro é o nosso melhor apito em âmbito internacional, nacional e está pré-selecionado para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada em território brasileiro. Além do exposto, Heber Roberto Lopes é possuidor de caráter moral inatacável e suas ações como árbitro dentro e fora das quatro linhas até o presente momento são dignas de credibilidade.
Parabéns Dr. Claudio Pacheco, mentor intelectual desta magnífica ação e a direção da APAF/PR . Destaco ainda que, nos últimos quatorze anos é a primeira vez que este plumitivo recebe uma manifestação da Associação dos Árbitros com conteúdo significativo. É desta forma que deve proceder uma entidade classista toda vez que seus associados forem vítimas de injustiças.


NOTA DE REPÚDIO

A Associação Profissional dos Árbitros do Paraná – APAFPR., entidade representativa dos árbitros de futebol de campo no âmbito do Estado do Paraná, vem a público repudiar a atitude do presidente do Clube Atlético Paranaense, Marcos Augusto Malucelli por ter encaminhado ofício à CA/CBF, solicitando a substituição do árbitro do quadro da Fifa e da Federação Paranaense de Futebol, Héber Roberto Lopes, escalado por sorteio para dirigir o jogo Coritiba x Atlético, no próximo sábado, às 18h no Couto Pereira.
Desprovido de argumentos sólidos e convincentes, o sr. Malucelli sustenta seu pedido afirmando que a indicação teria sido recebida com descontentamento não só pelo clube que preside, mas também por grande parte dos meios esportivos do Paraná, citando ainda uma suposta investigação por parte do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), em face de incidentes no jogo Figueirense x Flamengo e fazendo menção a um suposto “histórico infeliz do referido árbitro em partidas anteriores de nosso clube.”
Importante ressaltar que não existe investigação a respeito, tratando-se de mais uma ilação, quanto ao jogo Figueirense 2 X 2Flamengo. Prova disso são as isentas palavras do ex-árbitro da Fifa, o cearense Dacildo Mourão, que declarou na semana seguinte ao jogo: “FLAMENGO TEM PESO 2. ”Vejam o que é o peso do Flamengo. O Héber Roberto Lopes fez um brilhante trabalho no jogo Figueirense x Flamengo, domingo passado, ESTÁ FORA DAS QUATRO SÉRIES, pois o intocável Ronaldinho Gaúcho reclamou e falou bobagens relativas ao árbitro. Héber apenas cumpriu sua obrigação dentro das quatro linhas. Parabéns ao Heber e continue aplicando a regra com rigor contra jogadores indisciplinados e que pensam ser donos do mundo. Apenas Deus é o dono.”
O presidente do Clube Atlético Paranaense, Marcos Augusto Malucelli, menciona um eventual histórico infeliz em jogos do Clube Atlético Paranaense, sem dados concretos, como se o árbitro fosse o responsável pelos fracassos alcançados nos jogos arbitrados. É público e notório que dentro de campo esse glorioso clube vem atravessando dificuldades na gestão do atual presidente, lutando incessantemente para não ser rebaixado à segunda divisão nacional, motivando a torcida a constantemente pedir sua renúncia. E nesses casos, todas as arbitragens foram de fora do Estado do Paraná.
O árbitro Héber Roberto Lopes é motivo de orgulho da arbitragem paranaense, atualmente ocupa o 1º lugar no Ranking internacional da CBF e está pré-selecionado para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. Tem competência e personalidade suficientes para não se deixar induzir por essa coação psicológica, cujo único objetivo é desestabilizar o árbitro na tentativa de um ganho involuntário ou justificativa prévia aos torcedores.
Cabe ainda alertar o presidente do Clube Atlético Paranaense, que a arbitragem paranaense não se curvará e jamais desviará um milímetro para beneficiar ou prejudicar intencionalmente quem quer que seja, pouco importando a tradição ou a condição econômica dos clubes interessados, pois apesar de sermos os mais fracos dessa corrente chamada futebol, talvez sejamos os mais justos e os mais injustiçados.

ASSOCIAÇÃO PROFISSIONAL DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO PARANÁ – APAF.PR
PS: recebo, publico e aplaudo a manifestação da direção da (APAF/PR), Associação Profissional dos Árbitros de Futebol do Estado do Paraná, que sai em defesa do árbitro da Federação Paranaense de Futebol e associado da Apaf, Heber Roberto Lopes. O indigitado árbitro é o nosso melhor apito em âmbito internacional, nacional e está pré-selecionado para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada em território brasileiro. Além do exposto, Heber Roberto Lopes é possuidor de caráter moral inatacável e suas ações como árbitro dentro e fora das quatro linhas até o presente momento são dignas de credibilidade. Parabéns Dr. Claudio Pacheco, mentor intelectual desta magnífica ação e a direção da APAF/PR . Destaco ainda que, nos últimos quatorze anos é a primeira vez que este plumitivo recebe uma manifestação da Associação dos Árbitros com conteúdo significativo. É  desta forma que deve proceder uma entidade classista toda vez que seus associados forem vítimas de injustiças.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Apito: pode errar porque é humano

Um árbitro – é nada mais – um ser humano que, no exercício da sua atividade, pode realizar atos concretos, mas está sujeito a equívocos, como qualquer pessoa. O árbitro diz a Fifa, deve dirigir o jogo de forma objetiva e em consonância com as Regras do Jogo de Futebol. Isso significa de acordo com Massimo Busacca, o novo presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa, que o árbitro deve estar preparado para antecipar-se a todas as situações que vierem a ocorrer numa partida e controlá-las com extrema personalidade.


Feito este preâmbulo, confesso que fiquei entusiasmado quando observei o nome de Heber Roberto Lopes (foto), vencedor do sorteio para apitar o clássico Coritiba x Atlético/PR, às 18h do próximo sábado, no Couto Pereira. O indigitado árbitro é um ser humano, que pode praticar ações concretas, como pode se equivocar por uma razão muito simples: é humano e é suscetível a erros. Não entendi o alarido e o chororô antecipado vociferado por parte de alguns segmentos esportivos do nosso futebol, com a indicação do nosso melhor árbitro para o Atletiba. Esse tipo de comportamento em muitas ocasiões gera violência em função do passionalismo do torcedor, que acaba entrando de “gaito no navio”, e depois com a entrada da polícia em ação reclama da brutalidade policial, que para defender a ordem pública e defender a sociedade indefesa da sanha dos “maus torcedores”, tem que agir com energia.

Heber Roberto Lopes no clássico Atletiba significa: inteligência, equilíbrio, frieza, imparcialidade, educação, e energia quando necessário. Além do exposto, o árbitro em tela está pré-selecionado pela Fifa para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e será observado pelo delegado especial da Fifa e da CBF, Paulo Jorge Alves, que estará in loco na Tribuna de Honra do Couto Pereira. 
PS: me perguntam o porquê do árbitro Evandro Rogério Romam (Fifa-PR), não estar dirigindo jogos do campeonato brasileiro este ano. Respondo: porque no dia 18 de março do ano em curso, foi realizado o teste físico da Fifa para os árbitros da Federação Paranaense de Futebol, que pertencem ao quadro nacional da CBF, na pista da (UEL) - Universidade Estadual de Londrina, e  Evandro Rogério Roman não compareceu para o aludido teste.

Diante do acontecido, novo teste físico/Fifa foi marcado pela CA/CBF, e efetivado em 28/04/2011, no Rio de Janeiro, e lamentavelmente o indigitado árbitro reprovou. Como as competições da CBF são tratadas com seriedade, Romam, foi afastado das escalas do Brasileirão/2011.

Passados setenta e seis dias, (em 14 de julho/2011), outro teste físico foi realizado pela CA/CBF, para o árbitro do Paraná e àqueles  apitos que haviam sido reprovados em outros testes pelo país afora, na pista do Centro-Interescolar de Educação Física, em Brasília (DF).  E mais uma vez, lamentavelmente, Evandro Rogério Romam foi reprovado, sob os olhares imutáveis do competentíssimo doutor em Educação Física e instrutor da CBF, Dionísio Roberto Domingos. Se estiver apto e desejar realizar um novo teste físico, Romam, poderá fazê-lo  na avaliação extraordinária da CA/CBF,  que acontecerá em Curitiba, nos dias 2 e 3 de setembro próximo. 

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Rodada do Brasileirão teve menos de 50 cartões aplicados

No total foram 46 amarelos e dois vermelhos; Inter x Flamengo, no Beira-Rio, teve 11 cartões

Danilo Silveira/Justiça Desportiva


A rodada de número 18 do Brasileirão não teve um número excessivo de cartões aplicados. No total, foram 48 em 10 jogos, sendo 46 amarelos e apenas dois vermelhos. Internacional e Flamengo foram responsáveis pelo duelo com o maior 
número de cartões, enquanto Palmeiras x São Paulo teve o menor índice de punições 
aplicadas pelos árbitros.

A média de cartões amarelos aplicados foi de 4,6 por partida. Em nove jogos, 
o número ficou próximo a essa média, porém, o duelo entre Inter e Flamengo, 
no Beira-Rio, foi a exceção. No total, foram 11 cartões aplicados nesse jogo em Porto Alegre.

O Inter recebeu quatro amarelos, além de ter o volante Guiñazu expulso, enquanto o 
Flamengo teve seis amarelos. O outro cartão vermelho da rodada ficou por conta da
equipe rival do Inter, o Grêmio. O zagueiro Rafael Marques, do Tricolor Gaúcho, foi 
expulso no duelo com o Atlético/GO, fora de casa, na derrota da sua equipe.

O destaque positivo ficou por conta do clássico paulista entre São Paulo e Palmeiras, 
onde apenas um cartão amarelo foi aplicado, e para o Verdão. Foi o jogo com menos 
cartões da rodada e o São Paulo foi a única equipe a não ter nenhum jogador punido 
com cartão.

A rodada teve também a expulsão do técnico Joel Santana, na vitória do 
Cruzeiro sobre o
Ceará. Ao jogar sua prancheta no chão, o técnico da Raposa foi excluído da 
partida pelo árbitro.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Raio-X da arbitragem

A penúltima rodada da Série do Brasileirão/2011, teve início no sábado e o seu epílogo na fria noite do domingo que passou. No Morumbi, em novo horário, às 18 de sábado, duelaram Corinthians/SP 0 x 2 Figueirense/SC. Arbitragem perfeita de Fabrício Neves Correa (RS). No Engenhão, no mesmo horário, Wilton Pereira Sampaio(Asp/Fifa/DF), no prélio Botafogo/RJ 3 x 1 Atlético/MG,  o nominado apito demonstrou porque é ao lado de Márcio Chagas da Silva, fortíssimo candidato ao escudo da Fifa no final desta temporada. Arbitragem límpida.

Cleber W. Abade

No domingo, no Morumbi, em que pese a chiadeira contumaz do técnico Luis Felipe Scolari, o árbitro, Cleber W. Abade, saiu-se a contento, no São Paulo/SP 1 x 1 Palmeiras/SP. No Beira Rio, Internacional/RS 2 x 2 Flamengo/RJ, Francisco Carlos Nascimento (Asp/Fifa/AL), em que pese o seu noviciado em partidas de tamanha grandeza teve uma bela performance. No Avai/SC 0 x 0 Coritiba/PR, Francisco Assis Almeida Filho (CBF-1/CE), não apresentou nenhuma nuance negativa. Heber Roberto Lopes (Fifa/PR), não foi visto no gramado do Serra Dourada, dirigindo Atlético/GO 1 x 0 Grêmio/RS, o que significa ótimo trabalho.
                                                    Francisco Assis Almeida Filho

No crepúsculo de tarde e limiar de noite, foram realizadas três partidas. Um pequeno equívoco de Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ), no Fluminense/RJ 1 x 1 Vasco da Gama/RJ, que deixou de assinalar um penal contra a equipe de São Januário. No Bahia/BA 1 x 2 Santos/SP, Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG), foi bem. E, Arena da Baixada, Wilson Luiz Seneme (Fifa/SP), apitou Atlético/PR 2 x 2 América/MG, com estilo similar quando atua em jogos da Conmebol. Gostei!
Wilton Pereira Sampaio


PS: os técnicos de futebol, Caio Júnior, Botafogo, Dorival Júnior, Internacional, Luiz Felipe Scolari,  Palmeiras, Alexis Stival (Cuca), Atlético/MG, Vanderlei Luxemburgo, Flamengo, estão procedendo sistematicamente em descompasso com o que preconiza a Fifa, quando estão na área técnica. Ao invés de orientarem seus comandados, transformaram aquele local em espetáculo de dramaturgia ofensiva e protestos contra o árbitro, os assistentes e quarto árbitro. Pergunto: o que está faltando para o quarteto de arbitragem que atua em partidas desses senhores se posicionar e agir de acordo com a regra? Falta coragem? Ou é temor de não participar do próximo sorteio? Ou será que os árbitros estão com problemas de audição e oftalmológico?

Respaldo jurídico ao associado


capa_20082011O SAFERGS e seu serviço jurídico vem atuando judicialmente na defesa dos seus associados, vítimas de agressões verbais e físicas no exercício da arbitragem.



O Tribunal de Justiça do Estado, especialmente através da sua 9ª Câmara Cível, tem entendimento de que acusar árbitros de "desonestos, bandidos e ladrões" pelos meios de comunicação (rádios, jornais, etc) faz parte do contexto do futebol, afastando, consequentemente, pedidos de indenizações por danos morais e à imagem.  Os casos já julgados aqui no RS, porém, estão sendo submetidos ao Superior Tribunal de Justiça, em Brasília (DF), para o julgamento definitivo. Além disso, há dezenas de processos judiciais envolvendo agressão física a árbitros, que tramitam em diversas comarcas do Estado, alguns já em fase de Recurso junto ao Tribunal de Justiça.

Oportuno registrar que alguns árbitros já receberam indenizações, em acordos judiciais, em ações da espécie. O árbitro Marcelo Telles, por exemplo, agredido em jogo do campeonato de Carlos Barbosa de 2010, recebeu indenização (R$ 5.000,00) em razão de acordo feito naquela Comarca com os acusados. Em recente acordo, o árbitro José Carlos Oliveira recebeu indenização (R$2.500,00), também por ter sido agredido no Campeonato de Carlos Barbosa em 2010, cujo valor foi pago pelo atleta e pelo Clube. O SAFERGS continua respaldando os seus associados na Justiça Desportiva e na Justiça Comum, bem como disponibilizando orientação jurídica a todos.
Fonte: Sindicato dos árbitros de Futebol do Rio Grande do Sul
PS: enquanto no futebol do Estado do Paraná, o árbitro de futebol  é agredido fisicamente em diferentes competições da Federação Paranaense de Futebol,  e pouco ou quase nada acontece aos agressores,  no Estado do Rio Grande do Sul, o Safergs (Sindicato dos Árbitros de Futebol), dá uma exemplo a Associação Profissional de Árbitros de Futebol do Estado do Paraná, e sai  em defesa dos seus filiados que são os árbitros, e através do seu departamento jurídico, aciona os agressores na Justiça, quando seus sócios são vitimados no exercício da arbitragem. Assim deve proceder uma entidade de classe  independente quando  está comprometida com a sua categoria.  

sábado, 20 de agosto de 2011

Critica-se quando é preciso criticar

Afonso Vitor de Oliveira e Nelson Lehmkuhl
  Foto: Sindicato dos Árbitros de Futebol de Santa Catarina

Sou cobrado o porquê de não elogiar os árbitros do futebol paranaense e apenas criticá-los. A resposta está abaixo.



  1. Porque no período de 1997 à 2003, foram "desviados" dos cofres da Associação Profissional dos Árbitros de futebol do Paraná, (trezentos e sessenta e sete mil, setecentos e quatro reais e três centavos);
  2. Porque o vice-presidente da associação à época dos fatos,  Afonso Vitor de Oliveira, atual presidente da Comissão de Árbitros da Federação Paranaense de Futebol, que se não tinha conhecimento do ”desvio financeiro”, posteriormente ao assumir a presidência da associação, foi informado dos fatos via árbitros, ex-árbitros, imprensa  (TRIBUNA DO PARANÁ E GAZETA DO POVO) - e ao invés de apurar os fatos para reaver pelo menos parte do montante desviado, que pertencia aos árbitros, omitiu-se;
  3. Além disso, este colunista informou VIA FONE  Afonso Vitor de Oliveira, assim que o mesmo tomou posse na associação dos árbitros da ação que tramitava no Tribunal de Justiça do Paraná na 21ª Vara Cível e 18ª Câmara Cível, que versava sobre o fato. É bom lembrar que o Superior Tribunal de Justiça em Brasília, manteve a condenação do presidente à época quando Vitor de Oliveira foi vice-presidente da associação.
  4. Porque os árbitros da Federação Paranaense de Futebol, permitiram de forma antiética, que Afonso Vitor de Oliveira ocupasse simultaneamente a presidência da Associação dos Árbitros e da Comissão de Arbitragem. Ou seja: o sr. Vitor de Oliveira contrariou a máxima de que não se deve servir a dois senhores. Qualquer pessoa com um mínimo de ética sabe que essa situação é incompatível.
  5. Porque em 2009, a FPF solicitou e Afonso Vitor de Oliveira e os diretores da associação e os demais árbitros da entidade concordaram e repassaram (dois terços da taxa de inscrição de R$ 170.00 per capita, que desde fevereiro de 1988 pertenceu a associação). Esse fato é inédito!
  6. Porque em 2010/2011, a FPF pediu e a associação “chapa-branca”, em parte desse período comandada por Afonso Vitor de Oliveira, concordou em repassar na íntegra a taxa de inscrição acima nominada à Federação Paranaense de Futebol e o árbitro que não pagou, bailou;
  7. Porque desde a posse de Afonso Vitor de Oliveira e seus congêneres à frente da associação e da comissão de arbitragem nos últimos sete anos, não  revelou nenhum árbitro e nenhum assistente, com estofo para atuar em jogos de expressão da CBF, de forma continuada, que dirá indicá-los para um teste pré-seletivo da Fifa. E o que é pior: não se vislumbra um projeto de excelência para mudar o quadro de letargia que aí está;
  8. Porque até poucos dias atrás os árbitros da FPF não tinham sequer um preparador físico, o que em pleno século 21 é uma aberração. Tanto é verdade que é comum observar um grupo de árbitros trotando aqui, ali ou acolá nos parques de Curitiba, sem o acompanhamento de um profissional da área;
  9. Porque não conheço e tenho certeza que não existe nenhum projeto elaborado pela Federação Paranaense de Futebol/Associação dos Árbitros, no sentido de criar uma Escola de Formação de Árbitros com professores com notório conhecimento sobre as Regras do Jogo de Futebol, em caráter permanente;
  10. E, por derradeiro, pela omissão e conivência de todos os membros do quadro de árbitros da FPF pelos fatos aqui narrados. Existe um “acervo!” negativo que compele o crítico a, no próprio cotidiano, vislumbrar o assunto, ansiando dessa forma levar aos interessados o estímulo que lhes falta ou ainda, alertar a necessidade de modificações quando tudo falhar.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

No demais, é “sortudo”

Allan Costa Pinto

Os entendidos no assunto, afirmam que três fatores devem acompanhar um bom profissional. Aptidão, talento e sorte, condições sine qua non sem as quais nenhum ser humano alcançará êxito naquilo que for executar. Em se tratando do árbitro de futebol, é bom lembrar que os substantivos aqui mencionados, nem sempre são consuetudinários.
Além do exposto, é importante destacar que o árbitro deve ter pleno conhecimento das Regras do Jogo de Futebol e extremo discernimento, pois de suas interpretações e aplicações das leis do jogo corretamente, dependerá o sucesso da sua arbitragem.
Feito o preâmbulo acima, discorro sobre a conduta do árbitro Asp/Fifa, Luiz Flavio de Oliveira, da Federação Paulista de Futebol. Embora seja irmão de Paulo Cesar de Oliveira, o melhor apito do futebol brasileiro na atualidade, o indigitado árbitro desenvolve uma carreira independente tanto no futebol paulista como em âmbito nacional, e ostenta ao lado de um grupo seleto de árbitros do nosso futebol, de raríssima aptidão, talento e sorte.
Suas atuações no futebol paulista, e, posteriormente, ao ascender o quadro de Asp/Fifa da CBF, surpreendem por um motivo: seus jogos não tem problemas de nenhuma ordem. Há poucas semanas, dirigiu Santos x Palmeiras. Foi brilhante! Na quinta-feira que passou, no estádio João Havelange, apitou Flamengo/RJ 1 x 4 Atlético/GO, sem que tenha cometido um único equívoco nas suas tomadas de decisões no campo de jogo. E, neste jogo, acreditem, o rubro-negro da Gávea, o clube de maior torcida do mundo, perdeu a invencibilidade no Brasileirão/2011. Que a tríade, sorte, talento e aptidão características principais de Luiz Flavio de Oliveira, se impregnem em todos os árbitros da CBF e tenhamos ótimas arbitragens.
PS: Antonio de Carvalho Schneider (CBF-1/RJ), o árbitro de Santos/SP 2 x 3 Coritiba, na quarta-feira, na Vila Belmiro, cometeu alguns equívocos de interpretação, e por isso foi alvo de severas críticas. Inclusive, o Coritiba está elaborando um DVD com os equívocos e levará para apreciação da CA/CBF. Atitude corretíssima. Concordo que o árbitro em tela se equivocou em algumas interpretações e deve ser objeto de uma reorientação junto a CA/CBF. Agora, execrá-lo em função dos equívocos numa única partida entendo não ser correto. Quantos passes erraram os atletas de Santos x Coritiba? Quantos gols perderam os jogadores de ambas as equipes? Quantas faltas desnecessárias foram cometidas nessa partida de forma imprudente? Quantos cartões foram aplicados aos atletas por falta de conhecimento dos mesmos sobres as Regras do Jogo de Futebol? E o pênalti desperdiçado pelo Santos? Algum jogador será punido pelos equívocos ou erros que cometeu? Resposta: ninguém será punido. Pergunto: Então porque execrar o árbitro?

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Mestres da arbitragem encerram o Curso de árbitro da FPF


O segundo Curso de Formação de Árbitro da parceria entre a Federação Paranaense de Futebol e a Universidade Federal do Paraná, encerrou no último fim de semana sua grade curricular com a disciplina Mecânicas e Técnicas de Arbitragem, ministrada pelo professor Roberto Perassi, pertencente a Federação Paulista de Futebol e ao quadro de instrutores da CBF.

Reconhecido pela imprensa esportiva especializada como um dos mais competentes do Brasil no ensino das mais modernas técnicas de arbitragem, mestre Perassi, como assim é chamado, trouxe aos futuros árbitros da F.P.F. vídeos de instrução recentemente elaborados pela Fifa nos jogos da Copa do Mundo da África do Sul e realizou treinamento prático de posicionamento e movimentação no campo de jogo.

Fechando as atividades, foi feita uma avaliação individual de cada aluno com arbitragem em jogo amistoso no campo de futebol da UFPR localizado no Centro Politécnico.


(Perassi com os alunos na UFPR)

Perassi elogiou a nova turma e ressaltou que o potencial apresentado pelos alunos é grande, tal qual o da primeira turma quando aqui esteve e deve-se ao fato de que este é o primeiro curso no Brasil em que é exigido terceiro grau completo ou em curso para ingresso, o que eleva o nível dos alunos.

Além de Perassi, no final de julho o professor Aristeu Tavares, instrutor da CBF com curso na FIFA e árbitro assistente da semifinal da Copa da Alemanha em 2006, ministrou a disciplina O Árbitro Assistente, dando mostras que a coordenação do curso trouxe a Curitiba instrutores de elite na teoria e aplicação das regras do futebol, que somados aos professores da UFPR nas disciplinas complementares tais como Psicologia da Arbitragem, Nutrição Aplicada a Arbitragem e Ética na Arbitragem deixam aos futuros árbitros do Paraná todo o respaldo para iniciarem uma carreira com uma formação completa e promissora.


Inicia agora a segunda parte do curso, o Estágio Supervisionado, onde os alunos serão submetidos a atividade prática, ou seja, a participação em jogos de categorias menores para solidificar a aprendizagem dos conhecimentos teóricos e práticos do curso.
 
Fonte: Federação Paranaense de Futebol

Raio-X da arbitragem

Stanley Rous, o sexto presidente da Fifa de 1961 a 1974, afirmou numa de suas entrevistas, que a carreira do árbitro de futebol é similar a uma maratona (corrida de longa duração), onde é necessário muita paciência e perseverança para atingir-se os objetivos. Além disso, Rous afirmava que para um árbitro fazer uma boa arbitragem, não basta apenas correr. É preciso um bom posicionamento e uma ótima coordenação psicomotora.

Realizado o intróito acima, quero discorrer sobre a extraordinária performance do árbitro, Felipe Gomes da Silva (CBF-1/RJ), foto, 31 anos, que apitou na quarta-feira que passou, Atlético/PR 2 x 1 Cruzeiro/MG. Além de explicitar algumas qualidades citadas pelo ex-presidente da Fifa, a atuação do indigitado árbitro foi marcada do primeiro ao último segundo pelo equilíbrio, pela inteligência, por extrema frieza em todas as tomadas de decisões, pela imparcialidade, pela educação e quando foi necessário tomar decisões enérgicas, foi enérgico sem ser autoritário. Excelente atuação em jogo dificílimo. Méritos para Sérgio Corrêa da Silva, presidente da CA/CBF, o grande descobridor desse extraordinário talento.

Árbitros silenciam diante da brutalidade

Em 2009, Caxias x União Ahu, campeonato da suburbana de Curitiba, patrocinado pela Federação Paranaense de Futebol, por muito pouco o árbitro daquela partida não chegou a óbito, vítima da sanha de um bando de trogloditas. No último sábado (13/8/2011), em partida jogada sob a jurisdição da Federação Paranaense de Futebol, jogavam ABE Novo Mundo x ABE Calisto, quando uma horda de atletas da equipe do ABE Calisto, partiu para cima do árbitro Faustino de Marchi Amarila, da FPF, agredindo-o com socos, pontapés, capoeiras etc.... O que era para ser uma tarde de entretenimento e lazer, transformou-se em sangue que jorrou das mãos e das costas do nominado árbitro, conforme relatado no Boletim de Ocorrência Unificado, lavrado no CIAC/SUL do Portão. Esse é o retrato do futebol amador que se pratica na atualidade na capital paranaense, que vai sediar a Copa do Mundo de 2014.
PS: a vítima acima mencionada deve de imediato procurar a Justiça seja Criminal ou Cível, para responder aos seus agressores, sem esquecer na oportunidade de também denunciar os pertencentes ao clube agressor e a própria Federação Paranaense de Futebol, responsável no caso por inúmeras razões, entre outras pela falta de policiamento, muito embora seja dever imperativo do árbitro não iniciar nenhum jogo sem a presença ostensiva da polícia.

Árbitros podem ter chance de doenças causadas por problemas cardíacos

O árbitro de futebol é tão exigido em um campo de futebol quanto os laterais e jogadores de meio campo, os que mais correm durante os 90 minutos. A diferença é a vida “útil” de cada um. É exatamente isso que deveria deixar os homens do apito em alerta.
  “As doenças coronárias costumam atingir pessoas acima dos 35 anos. Não podemos esquecer que os árbitros se aposentam mais tarde que os atletas”, lembrou o cardiologista Marcelo Ferreira, do Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC, aprovado pelo trabalho “Risco de doença cardiovascular em árbitros de futebol de campo”.
Em 2009, 50 nomes da elite do futebol paulista foram testados pelo doutor. E o resultado foi satisfatório. “Nenhum deles apresentou problemas. Todos têm coração de atleta”, elogiou Ferreira. “Eles têm um preparo físico e condicionamento diferenciados”.
Se pegarmos as estatísticas, porém, o relato de jogadores que morrem por causas cardíacas é superior. “É uma questão de quantidade. Quantos times estão inscritos nos campeonatos e qual o número de árbitros?”, questionou.
Segundo o médico, um árbitro corre de nove a 13 kms por partida, sendo que 60% da distância depende do fôlego. Aí entra outro risco que é o mesmo de um jogador. Se estudos comprovam que o esporte dá mais tempo de vida para o ser humano, fazer uma atividade física é mais perigoso do que ser sedentário.
“Uma pessoa que pratica esporte tem 2,8 vezes mais chances de ter morte súbita (que acontece durante ou imediatamente depois da prática)”, alerta Ferreira.
E como evitar isso? “A melhor prevenção é a avaliação pré-participativa, onde o paciente deve responder um questionário e fazer os exames de rotina”, explica o doutor, que recentemente atendeu Sálvio Spínola Fagundes e a auxiliar Maria Eliza. O estudo de Ferreira virou referência na área e parou nas mãos da FIFA e da CBF, já que foi considerado inovador.
Mas vale lembrar: nenhum exame anula o risco de morte, sendo ou não feito por um praticante assíduo.
O trio de ferro do futebol do ABCD, São Bernardo, Santo André e São Caetano, obriga seus atletas a passarem por uma bateria de exames durante a pré-temporada e também após a contratação de jogadores. Trabalho semelhante é realizado com a Confederação Brasileira de Boxe e com o CAD (Clube Atlético Diadema).

Fonte: Bom Dia - Refnews

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Raio-X da arbitragem

No Morumbi 
Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG), criticado sistematicamente pela sua conduta nas diferentes competições que vem atuando, desde que foi guindado ao quadro internacional, apitou São Paulo/SP 2 x 2 Atlético/PR, no sábado que passou, com discrição, com muita segurança, e suas tomadas de decisões foram em consonância com as Regras do Jogo de Futebol. Brilhante performance. 

No Couto Pereira
 O futebol é um esporte global e as suas regras devem ser interpretadas e aplicadas com absoluta coerência em todos os lugares onde é jogado. Dito isso, pouquíssimos árbitros conseguem ter a discricionaridade de diferenciar quando acontece uma falta de uma simulação. Simulação, que é punível com cartão amarelo e tiro livre indireto contra a equipe do infrator. Ou até mesmo quedas casuais em função de um contato físico ou de um tropeço, quando nada deve ser assinalado. Leandro Pedro Vuaden (foto-Fifa/RS), o árbitro de Coritiba/PR 3 x 0 Atlético/MG, desenvolveu essa característica com muito equilíbrio e as partidas que dirige apresentam um tempo de bola em jogo superior as de seus congêneres. Atuação perfeita, num jogo com pouquíssimas interrupções.

No Orlando Scarpelli
 Atletas do rubro-negro do Rio de Janeiro, se queixam de que o árbitro Heber Roberto Lopes (foto-Fifa/PR), que comandou Figueirense/SC 2 x 2 Flamengo/RJ, teria proferido ameaças aos jogadores do clube da Gávea e intimidado-os. Não acredito que um árbitro que atingiu o Know-how que o árbitro paranaense alcançou, se preste a esse tipo de desserviço ao futebol brasileiro. Até porque, conheço a índole, a ética, a moral e a humildade do árbitro de Londrina (PR). No jogo com bola rolando, Heber Roberto Lopes não teve nenhuma participação, que afetasse sua conduta.

No Olímpico
 O melhor apito do futebol brasileiro na atualidade, Paulo Cesar de Oliveira (foto-Fifa/SP), mesmo debaixo de chuva torrencial, deu uma aula de cátedra nos quesitos técnicos, físico, tático e psicológico, no confronto Grêmio/RS 2 x 1 Fluminense/RJ.

Falta qualidade nas comissões e aos assessores

O analista Valdir Bicudo, do Paraná Online, sustenta que "já passou da hora de o futebol pentacampeão do planeta, cumprir a circular da Fifa, que versa que os membros e observadores de arbitragem, devem ser ex-árbitros com notório conhecimento sobre as regas". Para ele, é preciso que a formação do árbitro seja profissional.

"Entrevistado em novembro de 2007, na sede do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Rio Grande do Sul, Armando Marques, quando perguntado se havia condições de se instalar uma Universidade de Arbitragem na América do Sul, objetivando a formação de instrutores de árbitros de excelência e através dela unificar a metodologia da arbitragem no campo de jogo, Armando respondeu: Não temos professores de arbitragem à altura para desempenhar essa função, e os que exercem esse tipo de atividade atualmente, precisam ser requalificados em caráter emergencial. Observando o Brasileirão e suas quatro séries, é nítida a dicotomia desenvolvida pelos árbitros nos critérios de interpretação e aplicação das Regras do Jogo. Essa deficiência dos árbitros e assistentes está atrelada não só a escassez de professores de alto nível, mas, sobretudo, na formação das comissões de arbitragem das federações estaduais, que na sua maioria, estão entregues à pessoas, que são "amigos" do presidente da federação, ou são "amigos" de um contingente expressivo de clubes."
 

"Há um número considerado desses "personagens", que nunca apitaram sequer pelada de menino de final de rua. Traduzindo: são leigos na matéria, mas como foram indicados por prepostos comandam os árbitros, e o que se vê é uma interminável geração de árbitros malformados e sem futuro."

"Além de uma revisão irrestrita, na escolha dos nomes dos membros das comissões de árbitros, é preponderante que a CBF interfira junto as federações estaduais, para que revejam o critério de indicação dos árbitros para o quadro nacional. Outra questão que deve ser revista urgentemente é a indiciação do ex-observadores de arbitragem, transformados recentemente em assessores, função precípua criada pela CBF, para avaliar o desempenho do árbitro e seus assistentes durante uma partida."

""Estranhamente" e lamentavelmente, essa função está a cargo em vários estados, de grupos de pessoas sem a menor identificação com o árbitro de futebol, não são formados como árbitro, nunca vestiram a indumentária de preto, não sabem e não tem a menor noção do colóquio verbal, que se passa no campo de jogo entre o árbitro, atletas, dirigentes, a imprensa, nunca foram testados na sua condição psíquica, emocional, dentro do retângulo verde, nunca foram "peitados" por um atleta, nunca foram xingados de fdp....para saber que tipo de reação tem o árbitro quando isto acontece, nunca levaram um "safanão" quando se forma um "bolo" de atletas ao redor do árbitro."
 
"Pergunto: como esses "personagens", podem emitir um juízo de valor ou avaliar as tomadas de decisões do árbitro e seus assistentes, se nunca vivenciaram uma situação como árbitro de futebol e as inúmeras variáveis que o árbitro enfrenta no transcurso de um jogo que sofre mutações de partida para partida?"

"Como levar a sério o relatório de um observador/assessor que é totalmente "estranho" ao meio da arbitragem? A avaliação de um árbitro, diz o manual da CBF, não é um ajuste de contas, mas sim um retrato fiel do trabalho executado pelo árbitro e seus assistentes."
 
"Se a CBF, as federações, os clubes e a própria imprensa, desejam uma melhora na arbitragem brasileira, devem iniciar uma campanha de conscientização junto a própria CBF e, posteriormente, nas federações estaduais, conscientizando a todos de que a qualidade do árbitro de futebol só terá crescimento, a partir do momento que pessoas com a devida qualificação e identidade com os árbitros, é quem devem ocupar as funções aqui nominadas."
 
"Sabem por quê? Porque são eles, comissão e observadores os responsáveis pela formação, análise e aprimoramento dos seus árbitros e assistentes e, também são eles que indicam à CA/CBF os melhores. Já passou da hora de o futebol pentacampeão do planeta, cumprir a circular da Fifa, que versa que os membros e observadores de arbitragem, devem ser ex-árbitros com notório conhecimento sobre as regas. Estabelecer uma linguagem única entre os mestres de arbitragem e aproximar os critérios de formação dos novos árbitros, é o grande desafio das comissões de arbitragem em conjunto com os assessores, que através das suas avaliações podem em muito contribuir para a diminuição dos equívocos do árbitro no campo de jogo."

Valdir Bicudo
, Paraná Online