sábado, 31 de julho de 2010

Raio-X da arbitragem


Foto:Geraldo Bubniak / futebolparanaense.net

Na Vila Capanema

O trio de árbitros da Federação de Futebol do Espírito Santo, formado pelo árbitro Wallace Nascimento Valente e os assistentes, Katiuscia Mayer Berger (Fifa) e Adailson Alves Pereira, no jogo Paraná 4 x 0 Náutico, não apresentou nenhuma deficiência técnica ou disciplinar, que interferisse no placar da partida. O árbitro teve bom posicionamento com a bola em jogo, aplicou corretamente as regras, suas decisões tiveram critérios igualitários, utilizou de forma adequada o apito, agilizou o jogo a cada interrupção, interpretou muito bem a vantagem e, quando este tipo de lance aconteceu, mostrou integração com os assistentes, não permitiu em nenhuma oportunidade que a sua autoridade fosse questionada, praticou a arbitragem preventiva, aplicou adequadamente os cartões amarelos, mostrou presença física nas jogadas, teve resistência durante todo o transcurso da partida e, quando ocorreram jogadas de velocidade, acompanhou-as de forma a ter dentro do seu campo visual o lance na sua plenitude. Os assistentes tiveram ótima conduta na indicação dos arremessos laterais, nas sinalizações do impedimento, nas sinalizações das infrações próximas, que fugiram do campo visual do árbitro. Ótima postura nas sinalizações (manuseio do instrumento de trabalho) - neste quesito, Katiuscia Mayer Berger, mostrou porque é assistente Fifa, com postura e manuseio da bandeira impecável. Ambos se movimentaram no campo (frontal e lateral) como especifica a regra. Deslocaram-se em velocidade quando necessário e demonstraram perfeita integração no trabalho em equipe.

No Maracanã

Carlos Eugenio Simom, no seu retorno aos gramados brasileiros, após a Copa do Mundo, na partida Fluminense 3 x 1 Atlético/PR, apitou de acordo com a verdade dos fatos e suas interpretações e aplicações das regras tiveram ligação com o texto das leis do jogo. Os assistentes Alessandro Rocha de Matos (BA) e José Javel Silveira (RS), agiram em perfeita sintonia no posicionamento e trabalho em equipe.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Tecnologia no gol é mais barata que árbitros extras

A adoção da tecnologia que indica se a bola entrou no gol seria mais barata e tão confiável quanto a solução adotada pela Fifa, de colocar dois árbitros assistentes junto à linha de fundo, segundo um dos fabricantes dessa tecnologia.
A Uefa, entidade que dirige o futebol europeu, ampliará nesta temporada o uso dos cinco árbitros para alguns jogos da Liga dos Campeões e das eliminatórias para a Eurocopa, depois de testes bem sucedidos na Liga Europa. Outros países, incluindo o Brasil, também vão adotar os assistentes extras.


[A bola com chip seria a solução para lances polêmicos como Inglaterra x Alemanha, quando a bola ultrapassou 33cm a linha de meta e a arbitragem não viu].


Mas a empresa alemã Cairos Technologies acha que a solução tecnológica seria preferível. "Você precisa pagar um árbitro a cada vez, para cada jogo, e mais dois árbitros, isso é mais caro do que ter a tecnologia da linha do gol", disse Mario Hanus, diretor de vendas da Cairos, em entrevista à Reuters durante o fórum de negócios esportivos Soccerex, nesta semana em Cingapura.
Representantes da Uefa não foram imediatamente localizados para comentar.
A discussão sobre o uso da tecnologia na arbitragem do futebol se intensificou depois de um incidente na Copa do Mundo da África do Sul, quando a arbitragem não validou um gol da Inglaterra contra a Alemanha, embora a bola tivesse passado mais de 30 centímetros da linha do gol.
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, pediu desculpas à Inglaterra e disse que o uso da tecnologia seria discutido na próxima reunião da International Board, órgão que define as regras do esporte.
Na semana passada, no entanto, a entidade divulgou a pauta da sua reunião de trabalho, sem contemplar a questão tecnológica. Hanus disse que ficou frustrado com isso.
"Foi um pouco surpreendente, já que tivemos tantas vozes pedindo a tecnologia, jogadores, árbitros, alguns dirigentes de clubes etc.. Acho que a Bundesliga (Liga Alemã) estaria preparada para introduzi-la. Os árbitros de todo o globo dizem: 'Por favor, nós é que levamos a culpa se tomamos a decisão errada'."
A próxima oportunidade para que a International Board discuta o assunto será na reunião de trabalho de outubro, mas qualquer mudança nas regras só poderia ocorrer na reunião geral anual de março.
O executivo disse que há alguns anos a entidade pediu adaptações na tecnologia, "e ela funcionou, e aí a decisão foi contra, embora tivéssemos feito aquelas mudanças."
"Não estávamos esperando que ela fosse introduzida mundialmente em todos os estádios, mas pelo menos numa primeira divisão ou algo assim. Na verdade não achamos que haja muito que precise ser feito, mas se houver estamos aqui, estamos prontos para conversar."
Fonte: Patrick Johnston-Reuters

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Árbitro da Copa apita o jogo do Atlético/PR


Após participar da sua terceira Copa do Mundo de Futebol consecutiva e gozar de merecidas férias, o árbitro Carlos Eugenio Simon - foto - (Fifa-RS), retorna a lide do apito no sábado, às 18h30, no Maracanã, em grande estilo. O gaúcho vai apitar a partida do rubro-negro da Arena da Baixada/PR contra o Fluminense/RJ.

ESTÁDIO: MARACANÃ/RIO DE JANEIRO
FLUMINENSE/RJ x ATLÉTICO/PR
Árbitro: CARLOS EUGENIO SIMON/RS(FIFA-RS)
Ass: (1) - ALESSANDRO ALVARO ROCHA DE MATOS/BA(FIFA)
Ass: (2) - JOSE JAVEL SILVEIRA /RS

Centro de Excelência para árbitros



Ilustração de parte do complexo que será erguido na Zona Oeste (Imagem: Divulgação)


Rodrigo Ciantar RIO DE JANEIRO (RJ)
FONTE: LANCENET

Para custear a manutenção do Centro de Excelência e Treinamento de Árbitros (Ceta) , o presidente da Comissão de Arbitragem de Futebol do Rio (Coaf-RJ), Jorge Rabello, espera contar com auxílio dos quatro principais clubes cariocas. A ideia é negociar para que cada um possa ceder 0,25% de seus contratos de cota de TV para o projeto, somando assim cerca de R$ 350 mil por ano ano.
- Com esse dinheiro, pagaríamos os funcionários e os gastos gerais. Fizemos um levantamento e, com esse dinheiro, que seria uma perda praticamente mínima para os clubes, já daria para trabalhar tranquilamente. Além disso, os presidentes dos clubes têm uma cabeça boa e eles também seriam beneficiados. Afinal, o nível da arbitragem melhoraria - explicou Jorge Rabello.
O presidente da Coaf-RJ vai levar o projeto aos presidentes dos clubes cariocas nos próximos dias.

Rio inicia projeto de construção de CT para a arbitragem


A planta do Ceta, que terá cerca de 39 mil metros quadrados (Imagem: Divulgação) - FONTE: LA

Ferj negocia cessão de terreno na Zona Oeste para abrigar moderno complexo e ajudar arbitragem carioca

Rodrigo Ciantar RIO DE JANEIRO (RJ)


Em um momento em que a arbitragem brasileira - e até mesmo a da última Copa do Mundo - tem sido alvo de constantes críticas, o Rio de Janeiro dá um importante passo para aperfeiçoar e dar melhores condições aos homens do apito. A partir do próximo ano, o estado contará com um centro de treinamento exclusivo para árbitros e assistentes. O projeto já está em andamento.
Nas últimas semanas, Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio (Ferj), se reuniu com o prefeito Eduardo Paes para acertar os detalhes para a cessão do terreno, de cerca de 39 mil metros quadrados, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, para a construção do Centro de Excelência e Treinamento de Árbitros (Ceta). Segundo Jorge Rabello, presidente da Comissão de Arbitragem de Futebol do Rio (Coaf-RJ), o projeto é pioneiro.
- No Brasil, certamente é o primeiro. No mundo, não posso dizer com certeza. Mas pelo que acompanho de Uefa e Fifa, nunca ouvi falar de um CT exclusivo para os árbitros. Isso é o futuro. Acredito que o trabalho com a arbitragem será dividido em antes e depois desse projeto - disse Rabello.
Para a construção do Ceta, o Sindicado dos Árbitros do Estado do Rio, também presidido por Rabello, se transformou em Sindicato de Utilidade Pública, podendo assim obter verbas federais. O projeto será enviado ao Ministério do Esporte, que, aprovando, custeará as obras do complexo, orçado em cerca de R$ 13 milhões.
MAIS:Clubes do Rio podem ajudar na manutenção do CT
Até o fim do ano será lançada a pedra fundamental no terreno. Para o ano que vem, pista de atletismo, campo e vestiários para atividades e testes físicos estarão prontos. Já a construção do restante do complexo, que dependerá de verba federal, só estará pronto em 2012 e contará com alojamentos para mais de 120 árbitros, refeitório, auditório, departamento médico...
A intenção de Rabello, um dos responsáveis pelo projeto, é que o Ceta possa ser também a casa dos árbitros na Copa de 2014. A localidade poderia ser utilizada ainda por algum clube que queira realizar sua pré-temporada no Rio.

ESTRUTURA O CT contará com alojamentos para mais de 120 árbitros, instrutores, observadores e treinadores de arbitragem; refeitório; auditório; salas de estar, TV e jogos; sala para acesso a internet; piscina; departamento médico; fisioterapia e fisiologia; musculação; odontologia, nutrição; lavanderia; um campo oficial de futebol; pista de atletismo; caixa de areia; sauna e vestiários.
CUSTOS O projeto vai custar cerca de R$ 13 milhões. Os responsáveis contam com a aprovação do Ministério do Esporte para custear as obras. Para a manutenção, o gasto anual será de cerca de R$ 350 mil.
PRAZOS Neste ano, será lançada a pedra fundamental. No ano que vem, serão construídos campo, pista de atletismo e vestiário. O hotel estará pronto em 2012.

BATE-BOLA
Jorge Rabello - Presidente da Coaf-RJ
1) Como surgiu a ideia da construção desse CT?
Quando assumi o Sindicato, em 2004, uma das minhas plataformas foi estabelecer o que imagino que é a arbitragem do futuro. E a estrutura de um CT é algo fundamental. Tenho de agradecer à Ferj e ao vereador Fernando Moraes, que fez a ponte com o prefeito Eduardo Paes.
2) E todos os árbitros, inclusive das categorias amadoras, poderão utilizar o espaço?
Num primeiro momento, somente os que apitam as Séries A, B e C profissionais. Depois, a intenção é a de que todos possam utilizar o espaço.

COM A PALAVRA
José Roberto Wright - Colunista do LANCE!
"Acho que a construção de um centro de treinamento como esse ajuda, é válido. Mas não pode ficar só no oba-oba. É importante que as orientações básicas não sejam esquecidas. A arbitragem brasileira precisa de mudanças. Isso é fato. Na minha opinião, as arbitragens paulista e gaúcha ainda estão alguns metros à frente das outras. Inclusive, do Rio de Janeiro. Mas ter melhorias para os árbitros, como esse espaço físico, é sempre algo positivo."

Árbitros mal formados

O artigo que publicamos a seguir é de autoria do comentarista Valdir Bicudo e foi publicado no portal Paraná Online. Mais uma vez, enfatizamos que os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da diretoria do SAFERGS. Sua publicação tem como objetivo promover o debate entre a categoria em torno de questões pertinentes ao universo da arbitragem de futebol.

Observando a relação dos novos árbitros Aspirantes-Fifa, divulgada pela Comissão Nacional de Árbitros da CBF, e a escassez dos nomes indicados que conseguiram preencher os requisitos exigidos pela entidade, lembrei-me do grande mestre da arbitragem paranaense Rubens Maranho, que nos deixou 12 anos atrás, quando pregava nas suas preleções que o bom instrutor de árbitros deve possuir completo domínio do assunto para poder transmitir com segurança os ensinamentos aos alunos. Maranho adotava como métodos de ensino, além da preleção que era a sua marca registrada, a conferência, a lição prática e a discussão. Além disso, o mestre preconizava que o instrutor tem que ter discernimento se o aspirante a árbitro de futebol tem a principal característica, que é a vocação, e após a formação dos novos árbitros, é imperativo realizar um trabalho de acompanhamento com o objetivo de orientar os principiantes sobre as inúmeras dificuldades que terão que enfrentar até atingirem a maturidade.


Tenho observado que a geração de árbitros despreparados que a cada ano surgem em diferentes partes do Brasil, são vítimas da abolição das práticas ensinadas por Maranho, o que vem enfraquecendo a qualidade da arbitragem nacional ano após ano, propiciando com isso o acentuamento dos equívocos, dos erros primários e acrescendo ainda mais a falta de uniformidade nas tomadas de decisões no campo de jogo pelo trio de arbitragem. O que se vê na atualidade é o aumento descomunal da quantidade em detrimento da qualidade. A maioria das federações estaduais não tem calendário para absorver a quantidade excessiva de árbitros e, além disso, a qualidade dos apitos em todo o País vem decrescendo a cada turma formada.

Tomei conhecimento que, insatisfeita com a baixíssima qualidade dos árbitros que são indicados de forma inadequada pelas federações, a CBF estuda medidas rigorosas nas futuras indicações ao quadro nacional e até na redução do quadro de arbitragem da entidade, objetivando atingir níveis de excelência.

PS: Via e-mail perguntam-me por que não temos excelentes árbitros como antigamente e que mecanismos deveriam ser aplicados para voltarmos a tê-los. É necessário um projeto de renovação, a começar pelas federações com pessoas que possuam olho clínico, para descobrir novos talentos. Há muitos alienígenas nas Comissões de Arbitragem e, em vários lugares do Brasil, existe um número expressivo destes alienígenas, acreditem, desempenhando a função de Observadores de Árbitros, sem nunca ter apitado sequer pelada de menino de final de rua. Não tenho nenhuma dúvida que isto tem contribuindo para o enfraquecimento da qualidade e descobrimento de novos árbitros com vocação. "Zeus, senhor dos deuses e do mundo exclamou: O melhor esconderijo para o talento do homem é no interior dele mesmo. O homem jamais há de procurar o talento que há dentro de si". Na arbitragem faltam pessoas com capacitação para descobrir as potencialidades, dons, virtudes, valores ocultos dentro daqueles que desejam optar pela carreira de árbitro de futebol.

Fonte: Valdir Bicudo, Paraná Online

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Árbitros são os próprios culpados

O processo de profissionalização dos árbitros não é bem visto e tem vários entraves


+


O Projeto de Lei 6405/02, que versa sobre a profissionalização do árbitro de futebol no Brasil, continua dormindo numa das gavetas do Congresso Nacional em Brasília. Um dos obstáculos que impedem a regulamentação da atividade dos homens do apito, lamentavelmente, são os próprios árbitros, que são desunidos e não demonstram o menor interesse na regulamentação da carreira, e sofrem um lobby contrário da CBF, clubes, Federações e da TV. É importante frisar, que a cada ano, todos os citados, celebram contratos milionários e ganham verdadeiras fortunas, menos os árbitros.
O quarteto – CBF, Federações, clubes e TV – exigem melhores arbitragens, mas ninguém quer investir na requalificação do árbitro e, muito menos, assumir o ônus de arcar com a responsabilidade de pagar os honorários e os encargos sociais do árbitro. E o que é pior: Iludidos com a ascensão ao quadro nacional da CBF e com a escalação em meia-dúzia de clássicos nos campeonatos estaduais, uma minoria de árbitros impõe a falsa impressão de que a manutenção do status é bom para todos e, por extensão, realizam o jogo do quarteto acima nominado, trazendo enormes prejuízos à categoria do apito.
Profissionalizar a arbitragem vai propiciar a categoria maior independência nas suas decisões e vai livrar o árbitro da pressão do submundo do futebol. Significa maior tempo para treinar, se dedicar, estudar, interpretar e aplicar de maneira mais próxima da uniformidade as leis que regem o futebol. Profissionalizar a arbitragem vai propiciar ao árbitro se preparar no mesmo patamar que os atletas de futebol para acompanhar a alta velocidade do jogo. Profissionalizar a arbitragem vai dar aos árbitros o poder de negociar diretamente com os patrocinadores as verbas publicitárias permitidas pela Fifa nos uniformes, sem a interferência de pessoas estranhas ao meio, já que, atualmente, ninguém sabe com quem são celebrados os contratos, qual é a quantia recebida, quem fica com o dinheiro e outros. A profissionalização da arbitragem vai permitir também a compra de equipamentos como o ponto eletrônico, que é um enorme aliado na comunicação da arbitragem, e pode ajudar a minimizar os equívocos do trio de árbitros nas partidas.
Com a palavra a nova direção da Associação Nacional de Árbitros de futebol.
PS: Inter x São Paulo não chegaram a um acordo para que um trio brasileiro apitasse as semifinais da Libertadores. Ambos alegaram à Conmebol que os melhores apitos estão sediados nos seus estados e os demais deixam a desejar. Aqui está um dos reflexos da ausência da profissionalização do árbitro.
Fonte: Justiça Desportiva

terça-feira, 27 de julho de 2010

Leonardo Gaciba apita final da Copa do Brasil na Vila Belmiro



Santos e Vitória começam nesta quarta-feira, dia 28 de julho, a decidir o título da Copa do Brasil. E para comandar o primeiro duelo, na Vila Belmiro, a CBF definiu o arbítrio gaúcho Leonardo Gaciba, que terá o auxílio do também gaúcho Altemir Hausmann e do paranaense Roberto Braatz. Os dois assistentes, que assim como Gaciba também fazem parte do quadro da Fifa, participaram da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. O jogo de volta entre as duas equipes está marcado para o dia 4 de agosto, no Barradão.


Leonardo Gaciba é um árbitro que tem vivido, em passado bem recente, momentos de altos e baixos. Em 2008, ele recebeu o prêmio da CBF como melhor árbitro do Campeonato Brasileiro, prêmio conquistado por ele pela quarta vez, sendo a terceira consecutiva. Já em 2009, Gaciba chegou a ser desvinculado do quadro da Fifa por reprovação nos testes físicos da entidade.
No último dia 21, porém, Leonardo Gaciba recebeu elogios de forma oficial por parte do Atlético/PR. A equipe paranaense, após vencer o Santos, utilizou o site oficial para elogiar a arbitragem do gaúcho e seus auxiliares. "Assim como o Clube Atlético Paranaense mostrou a sua reprovação com os erros da arbitragem em jogos passados do CAP no Campeonato Brasileiro, reconheceu que na partida desta quarta-feira, diante do Santos, a arbitragem foi muito bem e não influenciou em hipótese alguma no resultado do jogo".
Fonte: Justiça Desportiva

Lula sanciona projeto de lei que altera o Estatuto do Torcedor


A partir de agora, ações de cambistas as brigas entre as torcidas serão considerados crimes

+



O presidente Luís Inácio Lula da Silva sancionou nesta terça-feira, dia 27 de julho, o projeto de lei que altera o Estatuto do Torcedor. A partir de agora, o vandalismo, a venda ilegal de ingressos e as brigas entre as torcidas serão considerados crimes. As punições variam de multa à prisão de um a dois anos.


Os membros e associados das torcidas organizadas deverão ser cadastrados. Além disso, os responsáveis passarão a responder pelos danos causados por qualquer um de seus associados nos estádios, num raio de 5 km dos locais onde os jogos estão ocorrendo ou no trajeto. As organizadas também poderão ser impedidas de comparecer aos jogos pelo prazo de até três anos ou ser obrigada a realizar algum tipo de trabalho social.
Uma outra mudança importante é nos estádios, que deverão manter uma central técnica de informações e ter uma arena com capacidade mínima para 10 mil torcedores. Os eventos esportivos deverão ter infraestrutura suficiente para dar viabilidade ao monitoramento por imagem do público presente e das catracas de acesso aos estádios.
Árbitros, assistentes e dirigentes, que manipularem resultados de jogos também serão punidos, de acordo com o novo Estatuto do Torcedor.
Fonte: Justiça Desportiva

Árbitros malformados

Observando a relação dos novos árbitros Asp/Fifa, divulgada pela Comissão Nacional de Árbitros da CBF, e a escassez dos nomes indicados, que conseguiram preencher os requisitos exigidos pela entidade, lembrei-me do grande mestre da arbitragem paranaense Rubens Maranho, que nos deixou há 12 anos atrás, quando pregava nas suas preleções que o bom instrutor de árbitros deve possuir completo domínio do assunto para poder transmitir com segurança os ensinamentos aos alunos.
Maranho adotava como métodos de ensino além da prelação que era a sua marca registrada, a conferência, a lição prática e a discussão. Além disso, o mestre preconizava que o instrutor tem que ter discernimento se o aspirante a árbitro de futebol tem a principal característica, que é a vocação, e após a formação dos novos árbitros, é imperativo realizar um trabalho de acompanhamento com o objetivo de orientar os principiantes sobre as inúmeras dificuldades que terão que enfrentar até atingirem a maturidade.
Tenho observado que a geração de árbitros despreparados que a cada ano surgem em diferentes partes do Brasil, são vítimas da abolição das práticas ensinadas por Maranho, o que vem enfraquecendo a qualidade da arbitragem nacional ano após ano, propiciando com isso o acentuamento dos equívocos, dos erros primários e acrescendo ainda mais a falta de uniformidade nas tomadas de decisões no campo de jogo pelo trio de arbitragem. O que se vê na atualidade é o aumento descomunal da quantidade em detrimento da qualidade. A maioria das Federações Estaduais, incluindo o Paraná, não têem calendário para absorver a quantidade excessiva de árbitros e, além disso, a qualidade dos apitos não só na FPF mas em todo o País vem decrescendo a cada turma formada.
Tomei conhecimento, que insatisfeita com a baixíssima qualidade dos árbitros que são indicados de forma inadequada pelas federações, a CBF estuda medidas rigorosas nas futuras indicações ao quadro nacional e até na redução do quadro de arbitragem da entidade, objetivando atingir níveis de excelência.
PS: Via e-mail perguntam-me por que não temos excelentes árbitros como antigamente e que mecanismos deveriam ser aplicados para voltarmos a tê-los. É necessário um projeto de renovação, a começar pelas federações com pessoas que possuam olho clínico, para descobrir novos talentos. Há muitos alienígenas nas Comissões de Arbitragem e em vários lugares do Brasil, um número expressivo destes alienígenas, acreditem, desempenhando a função de Observadores de Árbitros, sem nunca ter apitado sequer pelada de menino de final de rua. Não tenho nenhuma dúvida que isto tem contribuindo para o enfraquecimento da qualidade e descobrimento de novos árbitros com vocação. "Zeus, senhor dos deuses e do mundo exclamou: O melhor esconderijo para o talento do homem é no interior dele mesmo. O homem jamais há de procurar o talento que há dentro de si". Na arbitragem faltam pessoas com capacitação para descobrir as potencialidades, dons, virtudes, valores ocultos dentro daqueles que desejam optar pela carreira de árbitro de futebol.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Fandel é contrário a mais quatro olhos adicionais



(Foto: DFB)
O ex-árbitro da Federação Alemã de futebol (DFB), Herbert Fandel (foto), agora na função de Diretor de Árbitros da entidade, em entrevista ao site dutchreferee.wordpress.com, mostrou-se contrário ao experimento de mais dois assistentes adicionais atrás das metas como determinou a Fifa e o International Board no último dia 21. Fandel, que foi um dos maiores nomes do apito na Europa, além de criticar o experimento testado pela Uefa pela primeira vez no Sub-19 da Eslovênia, no ano passado, e, posteriormente na Liga da Europa, sinalizou em sua declaração que é favorável ao chip na bola ao invés dos assistentes adicionais atrás das metas.

Perguntado sobre o desempenho da arbitragem na Copa do Mundo da África do Sul, o professor Fandel, respondeu que os árbitros deveriam ter aplicado as regras com maior eficácia nas partidas, principalmente, nas condutas violentas. Ele sinalizou que no Campeonato Alemão deste ano, a arbitragem já foi e será orientada a punir com cartão vermelho a conduta violenta, e que, o clima entre a confraria do apito alemão é ótimo, e todos estão ansiosos para a nova temporada.

Finalizando sua entrevista, Herbert Fandel disse que, não há um critério estabelecido de interpretação e aplicação das Regras do Jogo, mas afirmou, que deve-se respeitar o estilo de cada árbitro na condução de um jogo, porém, todos devem ser autênticos no cumprimento das regras. Árbitros são líderes, falou Fandel. E quem é líder não precisa a todo o momento mostrar cartões aleatóriamente. Para mostrar autoridade um árbitro deve eleger como fundamento principal a personalidade, finalizou Fandel.

domingo, 25 de julho de 2010

Gente nova a caminho da Fifa


A Comissão Nacional de Arbitragem da CBF (Conaf), divulgou na quinta-feira que passou, a lista dos árbitros promovidos a categoria Aspirante Fifa/2010.

De acordo com a CBF, as promoções estão em consonância com o Plano de Modernização do Futebol Brasileiro, idealizado pelo presidente da CBF Ricardo Teixeira, após análise da classificação nacional dos árbitros e respectivas atuações; dos resultados das avaliações ordinárias e extraordinárias (físicas e teóricas); da conferência da documentação exigida pelo ofício circular 43/CA/01.07.10; e das normas previstas pela RDP 02/2008, da Conaf/CBF, que decidiu promover à categoria de Aspirante-Fifa, os árbitros abaixo nominados:

CNA


ÁRBITROS ASPIRANTE FIFA


UF


DT_NASC

1


SANDRO MEIRA RICCI


DF


19/11/74

2


ARILSON BISPO DA ANUNCIAÇÃO


BA


08/02/73

3


CÉLIO AMORIM


SC


08/02/79

4


CLÁUDIO LUCIANO MERCANTE JÚNIOR


PE


19/02/76

5


GUTEMBERG DE PAULA FONSECA


RJ


10/07/73

6


WILTON PEREIRA SAMPAIO


DF


21/12/81

7


ANDRÉ LUIZ DE FREITAS CASTRO


GO


08/06/74

8


LUIZ FLÁVIO DE OLIVEIRA


SP


13/06/77

9


NIELSON NOGUEIRA DIAS


PE


14/09/74

10


FRANCISCO CARLOS DO NASCIMENTO


AL


09/10/77




Foram sacados do quadro de Asp/Fifa, os árbitros Elmo Alves Rezende Cunha, Francisco de Assis Almeida Filho e José Henrique de Carvalho. Foram promovidos os árbitros, André Luiz de Freitas (GO), Francisco Carlos do Nascimento (AL), Gutemberg de Paula Fonseca (RJ), Nielson Nogueira Dias (PE) e Wiltom Pereira Sampaio (DF). Já faziam parte do quadro e permaneceram os árbitros, Arilson Bispo da Anunciação (BA), Célio Amorim (SC), Cláudio Luciano Mercante Junior (PE) e Sandro Ricci (DF).

Pois bem: Fui saber junto a fonte fidedigna, quais os motivos e os critérios utilizados pela Conaf, que é presidida de forma impar e extremamente profissional pelo professor Sérgio Corrêa da Silva, o que determinou a saída dos três árbitros nominados do quadro de Asp/Fifa, e o porquê dos novos nomes nos seus respectivos lugares. Resposta: a Comissão Nacional de Árbitros da CBF, após realizar um minucioso trabalho de observação, de acompanhamento, de orientação e compartilhamento nos últimos dois anos, e com base no desempenho dos indigitados árbitros nas competições da CBF (Copa do Brasil, Séries A, B, C e D), optou pelas mudanças anunciadas. Nenhuma palavra a mais ou a menos me foi dita.

PS: Diante do exposto, está dado o recado de forma cristalina aos árbitros que aspiram ser promovidos no Quadro Nacional de Árbitros da CBF, de que não basta mais afirmar, que sou árbitro da CBF. É imperativo adotar um comportamento profissional dentro e fora do campo, ler e reler as Regras do Jogo diariamente como faz Ravshan Irmatov (Fifa-Uzbequistão), foto à esquerda, o mais jovem árbitro da última Copa do Mundo.

Planejar e contextualizar a arbitragem de cada partida independente da sua importância, sempre com a participação dos assistentes e o quarto árbitro. Resumindo: A Conaf quer que o árbitro e o árbitro assistente treine, estude, se prepare para poder corresponder no momento em que precisa tomar decisões sábias e de acordo com a verdade dos fatos no campo de jogo.

A Conaf com esta posição, envia também por tabela um recado às Comissões de Arbitragens das Federações Estaduais, as responsáveis por várias indicações indevidas à Renaf: Preparem seus árbitros com a realização de painéis, seminários, congressos, porque do contrário, eles não serão promovidos e outros ocuparão os seus espaços.

Fonte: Apito Nacional

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

sábado, 24 de julho de 2010

A evolução dos uniformes dos árbitros







Nos fins do século XIX o Árbitro (imagem 1) permanecia estático no centro do terreno e permitia que os jogadores resolvessem os diferendos entre eles. Quase sempre barbudos na sua casaca negra, chapéu de copa alta, sapatos lustrosos e polainas, e equipados com um bastão para indicar a direção da marcação das faltas.
Podia fumar um bom charuto enquanto digeria a bem agradável refeição paga pelo clube da casa e geralmente rematada (estamos a falar de futebol...) com um esplêndido brande...
Passados uns tempos, por volta da Taça de Inglaterra (1891) foi proporcionado a que dois oficiais pudessem passear-se no campo com pequenas bandeiras e exerciam as funções dos atuais Assistentes. Pode-se ver (imagem 2) que um dos oficiais atua com óculos e bem ataviado como era comum nessa época.Nas décadas de 1920/1930 já se antevia que o Árbitro equipasse elegantemente com chapéu, camisa branca de manga curta, calças de montar de cor creme, meias cinza e bota até à canela (imagem 3).
Registre-se que o inglês William Pickford (1848-1923), considerado o pai dos Árbitros, no seu livro "How to referee" (imagem 4), editado em 1906, dizia: Antes de tudo, um Árbitro deve ser um cavalheiro. Deve ser firme e cortês, e tratar todos como irmãos até que demonstrem não ser dignos de confiança. Deve atuar com tato, ser honesto e sincero com todos, sem perder o sangue-frio, nem reagir com malícia ou má vontade, sendo, não obstante, intrépido, determinado e capaz.
Deverá usar um vestuário ligeiro e folgado, simples e sem cores muito vivas nem detalhes extravagantes. Ainda na capa daquela sua obra se vê um Árbitro de fins do século XIX em plena atuação com gorro, camisa, gravata, jaqueta e calças de golfe metidas nas meias negras, rematadas a branco.
No jogo Itália-Espanha, realizado em 29 de Maio de 1927, em Bolonha (imagem 5), o Árbitro inglês Stanley Rous (1895-1986), que chegou a presidente da FIFA, verifica-se que os uniformes da equipa de arbitragem não são iguais, logo não é agradável à vista.
Quanto ao excêntrico vestuário (imagem 6) do internacional belga, John Langenus (1891-1952), celebrizado na final do mundial de 1930-Uruguai, ainda usava, de vez em quando, uma capa de lã, mesmo com calor intenso!
Já Jim M. Wiltshire (imagem 7), quando dirigiu o Bélgica-Holanda, em Antuérpia, no dia 4 de Maio de 1947, preferiu usar um cômodo suéter de cor preta. Depois da II Guerra Mundial o credenciado internacional inglês Ken Aston (1915-2001) considerou necessário criar um desenho standard para o vestuário dos Árbitros e convenceu os fabricantes para adaptarem os tecidos pretos que haviam sobrado dos tempos de guerra.
A boa qualidade do algodão foi ideal para todas as estações do ano e foi acertado um modelo básico para o efeito.
Uns anos depois o algodão cedeu o lugar ao nylon, apesar de não ter a sua suavidade e conforto, mas a sua aparência lustrosa dava-lhe um toque moderno e original, o que viria a ser adaptado noutros países.
No jogo final do Mundial de 1966-Inglaterra o russo Tofik Bakharamov (1925-1993) utilizou o antigo modelo (imagem 8) que estava implantado na sua Federação (lã preta e cinto branco), enquanto os colegas o moderno. O preto sempre manteve o seu estatuto oficial, pese embora nalguns jogos em que os jogadores levavam cores escuras e pudessem causar confusão, o Árbitro envergava roupa de cor diferente, mas nos anos 60 a cor estava muito estafada, dando uma imagem muito apagada do trio de arbitragem num jogo moderno que florescia como espetáculo emocionante e colorido.
Registre-se que um trio holandês quando visitou Londres para dirigir um encontro europeu causou imensa sensação, mesmo muito antes de entrarem em campo, com a sua roupa normal e pela sua conduta.
Vestiam elegantes casacos pretos, camisas brancas, gravatas coloridas da sua Federação, calças cinza e sapatos pretos reluzentes! Um aspecto fantástico a quem via e uma equipa orgulhosa da sua Federação e do seu país. O seu equipamento em campo deixou toda a gente boquiaberta: calção preto, meias da mesma cor com canhão branco, botas de futebol muito macias, camisa de manga larga, carmesim, com colarinho e punhos brancos.
O contraste com os jogadores era enorme e conferia um toque de elegância ao espetáculo desportivo.
No campo jogava-se sem chama, sem vida, mas o trio de arbitragem, bem apresentado, desempenhou magistralmente as suas funções e controlou a partida com muita confiança e responsabilidade.
Em 1967 a AFLR&L (Associação de Árbitros e Juízes de Linha de Futebol), organizou a sua primeira conferência anual em Londres e dos vários assuntos abordados que giraram em torno da direção dos jogos e a proteção contra a violência, a questão dos unifor


* Howard Webb (Fifa-Inglaterra) árbitro da Final da Copa do Mundo da África do Sul entre Espanha x Holanda.

COAF-RJ realiza atividade educacional para seus Árbitros Assistentes

Primeiro foram os árbitros. Agora, os árbitros assistentes. Visando um maior aprimoramento e elevação da arbitragem carioca, a COAF-RJ, realizou na noite desta sexta-feira (23/07), na sua sala de treinamento, uma atividade educacional, denominada Estudo de casos. Nela, os Árbitros Assistentes formaram grupos e apresentaram vários temas abordando e interagindo as regras pertinentes aos mesmos. Após a apresentação de vídeos e/ou slides, que duravam até 10 minutos, foram realizadas perguntas e debatidos os temas:

“Na semana passada fizemos essa atividade com os árbitros. Hoje, realizamos com os assistentes. Esperamos obter o mesmo resultado da semana passada.” – disse Sérgio Cristiano, membro da COAF-RJ.



Fonte: Agência FERJ
PS: De acordo com informações do Site Apito Nacional, as Associações, Confederações e Federações, que tinham interesse em realizar o experimento em seus campeonatos com a inclusão de mais dois árbitros assistentes adicionais atrás das metas, experiência autorizada pelo Board e pela Fifa no último dia 21 de julho, deveriam enviar solicitação à CBF até o dia 30 de junho passado, conforme Circular nº 1226 da Fifa de 02/06/2010. A não ser que a Fifa e principalmente o Board, quebrem as normas vigentes para novas solicitações e, por extensão, para novas entidades realizarem o experimento em todo o planeta. As informações que tenho, apontam, que a Federação Paranaense de Futebol, não encaminhou pedido à CBF para a realização do experimento, como determina a Circular da Fifa acima nominada. Será que a FPF vai continuar na vanguarda do atraso?
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Conaf divulga relação de árbitros promovidos à categoria Aspirante-Fifa


Com Sérgio Corrêa no comando, Luiz Flávio superou as expectativas e chegou a aspirante Fifa.
Elmo Rezende Cunha, Francisco de Assis Almeida Filho e José Henrique de Carvalho deixaram o quadro de aspirante
A Comissão de Árbitros da CBF divulgou nesta quinta-feira a lista de árbitros promovidos a categoria aspirante Fifa 2010. Deveriam adotar este procedimento para todos os assuntos, inclusive o que trata do patrocínio com a loja Centauro na camisa dos árbitros neste brasileiro e não somente aqueles que é de interesse da entidade. É importante que seja publico a posição dos árbitros no ranking brasileiro e parabenizamos a entidade por isso, porém o mais importante continua sendo sonegado, o apitonacional entrou em contato com diversos órgãos da entidade que se calaram quando perguntado sobre as bases do contrato com a Centauro. Insistiremos no assunto por se tratar de interesse dos árbitros e de toda coletividade da arbitragem.

Segundo a CBF, em cumprimento ao Plano de Modernização do Futebol Brasileiro idealizado pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, após análise da classificação nacional dos árbitros e respectivas atuações; dos resultados das avaliações ordinárias e extraordinárias (físicas e teóricas); da conferência da documentação exigida pelo ofício circular 43/CA/01.07.10; e das normas
Com Sérgio Corrêa no comando, Luiz Flávio superou as expectativas e chegou a aspirante Fifa.
previstas pela RDP 02/2008, a CA-CBF resolve promover à categoria de Aspirante-Fifa, a contar da presente data, os seguintes árbitros:

CNA
ÁRBITROS ASPIRANTE FIFA


UF


DT_NASC

1
SANDRO MEIRA RICCI


DF


19/11/74

2
ARILSON BISPO DA ANUNCIAÇÃO


BA


08/02/73

3
CÉLIO AMORIM


SC


08/02/79

4
CLÁUDIO LUCIANO MERCANTE JÚNIOR


PE


19/02/76

5
GUTEMBERG DE PAULA FONSECA


RJ


10/07/73

6
WILTON PEREIRA SAMPAIO


DF


21/12/81

7
ANDRÉ LUIZ DE FREITAS CASTRO


GO


08/06/74

8
LUIZ FLÁVIO DE OLIVEIRA


SP


13/06/77

9
NIELSON NOGUEIRA DIAS


PE


14/09/74

10
FRANCISCO CARLOS DO NASCIMENTO


AL


09/10/77

Dos nomes apresentados e não levando em consideração a parte técnica, somente Célio Amorim, Cláudio Mercante, Wilton Sampaio, Luiz Flavio e Francisco Carlos estão dentro do plano de modernização. Os demais, com a idade avançada não enquadram no tão falado plano de modernização do futebol brasileiro, será?
Os aspirante fifa até o presente, eram um total de 7, destes, permaneceram: Arilson Bispo da Anunciação, Célio Amorim, Cláudio Luciano Mercante Junior e Sandro Ricci.
Saíram: Elmo Alves Rezende Cunha, Francisco de Assis Almeida Filho e José Henrique de Carvalho.
Entraram: Gutemberg de Paula Fonseca, Wilton Pereira Sampaio, André Luiz de Freitas Castro, Luiz Flavio de Oliveira, Francisco Carlos do Nascimento e Nielson Nogueira Dias.
PS: A Federação Paranaense de Futebol não conseguiu indicar nenhum árbitro sequer para o teste seletivo à Aspirante/Fifa, que aconteceu no último dia 29 de junho na cidade Goiânia (GOIÁS), o que derruba por completo todo e qualquer argumento da Comissão de Árbitros da entidade e, por conseguinte, expôe a fragilidade e a forma obsoleta como é conduzida a política de formação dos novos árbitros no futebol paranaense. É bom lembrar, que a comissão de arbitragem da (FPF) é a mesma há seis anos consecutivos e formada pelas mesmas pessoas.
Fonte: CBF-Apito Nacional
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Conmebol escala árbitro argentino para Internacional x São Paulo


A partida entre Internacional e São Paulo, na próxima quarta-feira dia 28, no Estádio do Beira Rio em Porto Alegre, é a primeira do confronto que decide a vaga na final da Taça Libertadores.

E por tudo que está envolvido - rivalidade entre os clubes, jogador trocando de clube por medida judicial, regras da competição sendo quebradas para inscrição de jogadores e possível troca de treinador no São Paulo, são apenas uns dos vários ingredientes desta partida que esta sendo muito aguardada no futebol brasileiro - o jogo promete ser tenso.

Para um confronto como esse, nada melhor que dois árbitros com fama internacional, e é nisto que aposta a Conmebol. Nesta quinta-feira (22/07) a entidade Sul-Americana escalou o argentino Héctor Baldassi para a primeira partida do duelo entre o

tricolor paulista e o colorado gaúcho.

Na outra partida entre as equipes do Chivas do México e o Univeridad do Chile, apita Juan Soto da Venezuela.

As partidas da volta serão comandadas por Sérgio Pezzota no confronto Universidad e Chivas e Carlos Amarrila no duelo final entre São Paulo e Internacional no Morumbi.
Veja abaixo as escalas completa
Jogos de ida:
Chivas Guadalajara (MEX) x Universidad de Chile (CHI)
México DF, 27.07.2010, 20.15hs.
Árbitro: SOTO Juan (VEN)
Árbitro Assistente 1: SÁNCHEZ Luis (VEN)
Árbitro Assistente 2: URREGO Jorge (VEN)
4º Árbitro: ESCALANTE Marlon (VEN)
Internacional (BRA) x São Paulo FC (BRA)
Porto Alegre, 28.07.2010, 21.50hs.
Árbitro: BALDASSI Héctor (ARG)
Árbitro Assistente 1: CASAS Ricardo (ARG)
Árbitro Assistente 2: MAIDANA Héctor (ARG)
4º Árbitro: LUNATI Pablo (ARG)
Jogos de volta:
Universidad de Chile (CHI) x Chivas Guadalajara (MEX)
Santiago, 03.08.2010, 21.15hs.
Árbitro: PEZZOTTA Sérgio (ARG)
Árbitro Assistente 1: RETA Roberto (ARG)
Árbitro Assistente 2: ESQUIVEL Gustavo (ARG)
4º Árbitro: POMPEI Juan (ARG)
São Paulo FC (BRA) x Internacional (BRA)
San Pablo, 04.08.2010, 21.50hs.
Árbitro: AMARILLA Carlos (PAR)
Árbitro Assistente 1: YEGROS Nicolás (PAR)
Árbitro Assistente 2: SALDÍVAR Milcíades (PAR)
4º Árbitro: ARIAS Antonio (PAR)
Fonte: conmebol.com

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Rio de Janeiro terá árbitros assistentes atrás do gol.


A Fifa confirmou nesta quarta-feira, dia 21 de julho, uma importante mudança na arbitragem para a temporada 2010/2011: a implantação de árbitros assistentes atrás dos gols. O Campeonato Carioca será uma das competições, onde será testada a inovação, porém agora de forma oficial, uma vez que o torneio já utiliza juízes nas balizas desde 2008.






Um dos idealizadores da inovação, o presidente da Comissão de Arbitragem de Futebol do Rio de Janeiro (Coaf-RJ), Jorge Rabello, comemorou a oficialização da Fifa e adiantou que todos os jogos do próximo Campeonato Carioca terão assistentes atrás dos gols.
“Vejo esta notícia como uma vitória da arbitragem, principalmente a carioca. Fizemos esse pedido à Fifa através da CBF e agora veio a confirmação. Utilizamos isto desde abril de 2008 e sempre fui muito criticado. Agora com a oficialização da Fifa poderemos implantar em todas as partidas da competição”, disse o ex-árbitro.
Jorge Rabello revelou ao site Justicadesportiva.com.br que já está pesquisando produtos tecnológicos para serem usados por estes novos árbitros assistentes. O presidente da Coaf-RJ disse ainda que durante a pré-temporada dos árbitros será criado um novo quadro para estes assistentes na Comissão, que terão treinamentos específicos.
“Estes árbitros assistentes deverão usar ponto eletrônico para se comunicarem com os árbitros principais. A implantação dessa mudança será de extrema importância, pois estes árbitros poderão ser consultados por árbitros e assistentes, quando não tiverem enxergado claramente alguma jogada duvidosa”.
Para Rabello, se esta mudança fosse implantada há mais tempo, vários erros grosseiros da arbitragem poderiam ser evitados. “Com o árbitro atrás do gol, este certamente teria visto a mão do Thierry Henry naquele jogo da França e também poderia dizer que a bola entrou tanto no jogo da Inglaterra na Copa do Mundo, como agora no Mundial Sub-20 Feminino”.
Além do Campeonato Carioca, várias outras competições pelo mundo utilizarão árbitros assistentes. No Brasil, as federações Paulista, Baiana e Pernambucana também poderão usar, porém ainda não definiram em quais torneios.
Fonte: Justiça Desportiva
PS: Enquanto várias Federações Estaduais pediram autorização para realizarem o experimento autorizado pela Fifa, o futebol paranaense mais uma vez fica na vanguarda do atraso, permanece mudo, sob clima de total apatia, de total descaso para com o seu quadro de árbitros, que embora tenha 320 árbitros inscritos, sobrevive de apenas três nomes. Não há a mínima expectativa de mudança de novos rumos no campo da arbitragem. Pobre arbitragem paranaense!
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Board aprova teste com dois assistentes


Em encontro realizado nesta quarta-feira, 21 de julho de 2010, na cidade de Cardiff, no País de Gales, o Subcomitê Técnico da International Football Association Board aprovou diversas solicitações de federações nacionais e confederações continentais para a realização de testes com
dois árbitros assistentes adicionais nas temporadas de 2010/2011 e 2011/2012. A lista completa de solicitações aprovadas encontra-se abaixo.
Em um Encontro Especial da International Board em Zurique no dia 18 de maio de 2010, a entidade já havia analisado os testes feitos com dois árbitros assistentes adicionais na temporada
2009/2010 da UEFA Europa League. Na mesma ocasião, havia decidido manter o experimento até a sua 126º Assembleia Geral Anual, marcada para 2012, mas sem limitá-lo a uma única confederação. Portanto, as confederações continentais e federações nacionais que quisessem realizar o experimento em questão foram convidadas a informarem à Board o seu interesse para que uma decisão fosse tomada no encontro do Subcomitê Técnico, no País de Gales.
Quatro critérios básicos foram estabelecidos para a aprovação do teste:
1. Que ele seja realizado nas ligas e competições profissionais das federações nacionais ou em nível de confederação continental (apenas competições de clubes).
2. Que ele seja concluído a tempo de permitir que uma decisão seja tomada em 2012.
3. Que os custos adicionais de tal experimento sejam de responsabilidade da liga, federação nacional ou confederação continental em questão.
4. Que todas as partidas da competição em questão sejam apitadas com dois árbitros assistentes adicionais.
Com base nesses critérios, contanto que seja seguido o protocolo estabelecido pela International Board para o experimento, foram aprovadas as solicitações a seguir: Confederação Asiática de Futebol (AFC): AFC President's Cup 2010 (24 a 26 de setembro) Confederação Brasileira de Futebol (CBF): Campeonato Baiano de Futebol Feminino 2010 (setembro a dezembro de
2010) e Campeonato Carioca 2011 Federação Mexicana de Futebol (FMF): Torneio Clausura 2011, Torneio Apertura 2011 e Torneio Clausura 2012 Federação Francesa de Futebol (FFF): Copa da Liga 2010/2011 União das Federações Europeias de Futebol (UEFA): Liga dos Campeões 2010/2011 e 2011/2012, Liga Europa UEFA 2010/2011 e 2011/2012, e Supercopa da UEFA 2010 e 2011.
Também foi aprovada a realização do teste, dependendo ainda de confirmação das competições específicas, em torneios oficiais da Federação Baiana, da Federação Paulista e da Federação Pernambucana no Brasil.
A FIFA e o Subcomitê Técnico também confirmaram que as opções tecnológicas que podem ser usadas para verificar se uma bola cruzou a linha do gol estarão em pauta na próxima Assembleia Anual de Negócios da International Board em outubro de 2010.
Fonte: Fifa.com
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Wright afirma: 'Lances polêmicos não vão acabar'



Para o ex-árbitro e colunista do Lance!, na posição atrás dos gols, os novos assistentes não conseguirão marcar impedimentos (Crédito: EFE)

LANCEPRESS!
Após a aprovação da International Board do uso de mais dois auxiliares (um atrás de cada gol) em competições até 2012, o colunista do Lance! José Roberto Wright afirmou que toda mudança no intuito de melhorar a qualidade do espetáculo é sempre bem-vinda. Ainda assim, o ex-árbitro de futebol garantiu que os lances polêmicos não vão acabar.
- Toda tentativa para melhorara o futebol é legal, é válido. Porém há um problema. Como são limitados, não podem entrar em campo, esses auxiliares deveriam ajudar na parte da ordem e da disciplina. Houve lances polêmicos como o impedimento do Tevez, o chute de Lampard que entrou mas não foi validado, a "defesa" do uruguaio Suárez. Porém, as entradas desleais foram no mínimo 30, e um número assim é inadimissível para uma competição como a Copa do Mundo. Acredito que os lances polemicos não vão acabar! Na posição onde eles (novos assistentes) vão ficar (atrás das balizas) não dá noção de impedimento. Além disso, para ver se uma bola entrou ou não, o assistente deveria ficar em cima em cima da linha, o que não pode acontecer. E, em caso de a bola bater no auxiliar, que é neutro, e voltar para o campo, vai acabar gerando problemas - afirmou.
Utilizado no Campeonato Carioca, o recurso dos assistentes atrás dos gols foi criticado por Wright por não haver autorização.
- O que foi utilizado no Campeonato Carioca foi uma palhaçada! Não sabiam onde colocar os assistentes. Além disso, eles não tinham autorização para fazer nada. E se eles tivessem interferido em uma jogada poderiam causar um problema enorme - comentou.
No caso da utilização da tecnologia para resolver lances de gols duvidosos, ponto que será discutido na próxima reunião do órgão, em outubro, Wright não acredita que o recurso seja para o dia a dia.
- Acredito que o assunto possa evoluir, porém será um recurso para grandes eventos. As Federações não têm como arcar com essas despesas. No dia a dia será muito difícil a utilização deste recurso - finalizou.
Valdir Bicudo e Lancepress

International Board aprova uso de mais dois auxiliares


Novidade será testada em competições oficiais até 2012
O uso um auxiliar atrás do gol poderia impedir que erros como no gol da Argentina, marcado por Tevez em impedimento, aconteçam
O uso de um assistente atrás do gol poderia impedir que erros como no gol da Argentina, marcado por Tevez em impedimento, aconteçam (Crédito: EFE)

EFE
A Subcomissão Técnica da International Board (IFAB), órgão que rege as regras do futebol, aprovou nesta quarta-feira em Cardiff (País de Gales) o uso de mais dois assistentes em competições até 2012.
Entre outras solicitações, o IFAB aceitou o pedido da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para testar a novidade no Campeonato Carioca de 2011 e no Campeonato Baiano de futebol feminino deste ano (entre setembro e dezembro).
O órgão também aprovou o pedido geral das federações Baiana, Paulista e Pernambucana, que ainda não apontaram em quais de suas competições escalarão os outros dois auxiliares.
A inovação também será testada na Liga dos Campeões e na Liga Europa nas temporadas 2010-2011 e 2011-2012, assim como nas Supercopas europeias de 2010 e 2011.
Entre outras entidades de todo o mundo, a Federação Francesa de Futebol (FFF) vai usar mais dois assistentes na próxima Copa da França.
Na reunião extraordinária do IFAB em Zurique, no mês de maio, o comitê executivo analisou os resultados do uso de mais dois auxiliares (um atrás de cada gol) na temporada 2009-2010 e decidiu continuar com o teste até a realização da 126ª reunião geral anual em 2012, mas ampliando a medida para outras confederações.
O IFAB estabeleceu quatro critérios fundamentais para a aprovação da experiência. O primeiro é que o teste deve ser realizado nas ligas profissionais e competições das associações da Fifa ou no âmbito da confederação (competições de clubes).
Além disso, o teste deve terminar a tempo de uma tomada de decisão em 2012, e os custos adicionais da realização da experiência serão arcados pela liga, associação ou confederação em questão.
Por fim, será obrigatório que todos os jogos da competição selecionada tenham dois auxiliares adicionais.
A Fifa e a Subcomissão Técnica do IFAB também confirmaram que o uso da tecnologia para resolver casos de gols duvidosos estará na ordem do dia da próxima reunião de trabalho anual do órgão, em outubro.

Fifa aprova experiências com dois auxiliares extras em campo


Auxiliares ajudariam a observar linha de fundo, para evitar gols mal anulados
Foto: AFP
A Fifa aprovou nesta quarta-feira, em reunião da International Football Association Board (órgão que discute as regras do esporte), que competições ao redor do mundo testem o uso de dois auxiliares extras nas próximas duas temporadas. A experiência, que já ocorreu durante a última Liga Europa, foi prolongada pela entidade por dois anos, para todas as competições interessadas.
Entre os torneios que se inscreveram para os testes, estão a Liga dos Campeões da Europa, o Campeonato Carioca e o Campeonato Baiano feminino. As federações da Bahia, de Pernambuco e de São Paulo também demonstraram interesse, mas ainda não confirmaram participação.
De acordo com as regras divulgadas pela Fifa, é obrigatório para os torneios inscritos que todas as partidas tenham os dois auxiliares a mais, e que as experiências terminem até 2012, para que a decisão final sobre o assunto possa ser tomada.
A entidade também disse que a discussão sobre o uso de tecnologia na linha do gol será discutida em reunião marcada para outubro deste ano.

Fonte: Terra Esportes

Nada de tecnologia



Conservadorismo da Fifa afasta o auxílio eletrônico do futebol, pior para o árbitro

Após séculos de isolamento, os ingleses, rapidamente vão se globalizando. De início deram cor e ginga ao seu pálido futebol, importando jogadores negros de todos os cantos da África ao Caribe. Logo a seguir, se livraram daquele trambolho enferrujado que emperrava o avanço tático, o “chuveirinho”. E agora querem mesmo ir muito além. Estão reivindicando a Fifa o direito de usar a TV como um elemento auxiliar do árbitro nos casos de dúvida ou lances polêmicos, sobretudo, após o gol de Lampard, não observado pela arbitragem contra a Alemanha na Copa do Mundo na África do Sul, quando a bola ultrapassou 33 centímetros da linha de meta.
Acho difícil a entidade que controla o futebol no planeta concordar com a proposição dos ingleses, até porque, na semana que passou, o cartola-mor do futebol mundial, Joseph Blatter, ao mesmo tempo em que afirmou que a Fifa aceitava discutir a implementação da tecnologia no auxilio da arbitragem, também vociferou que a dúvida é o sal do futebol. Que dúvida doutor? Não há mais dúvida, não. Hoje em dia, aqui, no Alasca ou na Patagônia, a bola rola na relva e todo mundo viu, reviu e treviu o tal lance duvidoso, por todos os ângulos possíveis e imagináveis, em câmera lenta, quadro por quadro e, ainda por cima, tem lá um tira-teima para não deixar sequer um traço de incerteza.
Nas resenhas esportivas e nas mesas-redondas repete-se a cena à exaustão. Quem tem dúvida? Resposta: Só o pobre do árbitro, a quem a lei do jogo conferiu poderes divinos da onisciência e da onipresença para decidir numa fração de segundos o que todos estão vendo nos mínimos detalhes.
Não conceder ao árbitro, ao menos, a mesma chance de ver o que todo mundo está vendo é, além de cruel, estúpido. Para que o leitor tenha uma idéia do conservadorismo da Fifa e da International Board sobre a implementação da tecnologia na arbitragem relato um fato ocorrido em 2005. O digníssimo Philip Don – à época membro do Colegiado de Árbitros da Premier League de Futebol – sugeriu à Fifa que os árbitros ingleses utilizassem câmeras de vídeo no auxílio de jogadas polêmicas dentro da área penal. Porém, em que pese todo o avanço extraordinário e as astronômicas cifras financeiras que arrecada a cada temporada, a Premier League, até o momento, não obteve êxito na sua proposição e acredito que a Fifa e o Board não irão concordar com a eletrônica no auxilio à arbitragem.
A prova cabal do conservadorismo da Fifa e do Board à implementação da tecnologia no auxílio à arbitragem foi explicitada na reunião do último dia 3 de março, quando o inglês Ian Watmore, da Associação Inglesa e membro do Board, ao final de 124º reunião do órgão, quando perguntado se o futuro do futebol passa pela tecnologia, respondeu com um sonoro não.
PS: A reunião que a entidade que rege as regras do futebol discutirá esta semana, em Cardiff (País de Gales), será única e exclusivamente sobre a utilização de árbitros assistentes atrás das metas. A experiência foi utilizada na Liga Europa e, caso aprovada, poderá ser adotada em várias confederações nas próximas duas temporadas. Já a discussão sobre a utilização do chip eletrônico nas bolas, para evitar erros como o do gol não validado da Inglaterra contra a Alemanha, ficou para a reunião de outubro.

terça-feira, 20 de julho de 2010

A bola e o chip



Como a Fifa e o International Board se recusaram a analisar na reunião desta quarta-feira, a idéia da implantação da tecnologia com forma de auxiliar a arbitragem a dirimir lances polêmicos, como a bola com chip, via e-mail, sou provocado a responder como funciona esta tecnologia. A bola com chip ou bola inteligente como é chamada na Europa, funciona da seguinte forma: Ela tem um microchip de menos de 15 milímetros. Esse manda um sinal de rádio quando a bola ultrapassa totalmente a linha de meta, como se tocasse numa cerca elétrica. Esse sinal é transmitido por 12 antenas colocadas nas extremidades do campo de jogo para um computador, que envia a mensagem para um receptor no pulso do árbitro em menos de um segundo.
A bola com chip ou inteligente foi criada pelas empresas Adidas, Cairos AG e pelo instituto Fraunhofer, todos com sede na Alemanha. A bola em tela foi testada pela primeira vez em 2005, numa partida entre as seleções da Alemanha x Ucrânia na cidade de Nuremberg. Posteriormente, no Sub-17 no Peru e, por último, em gramados sintéticos e no Mundial de Clubes em dezembro de 2007 no Japão. Em todos os testes a que foi submetida, a indigitada bola, segundo a Fifa, apresentou algumas imperfeições. Diante do exposto, e do seu alto custo econômico, Joseph Blatter, mantém a afirmação de que o futebol deve manter o caráter humano e deve conviver e aceitar equívocos de arbitragem. Ainda de acordo com Blatter, se a Fifa permitir que as partidas de futebol atinjam caráter científico, ele perderá a sua fascinação. Pelo andar da carruagem, o futebol continuará a ser o mais conservador dos esportes e não há indícios de que ele vá rumar à modernidade.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Fifa discute mais dois árbitros assistentes em campo




O sub-comité técnico do International Board da Fifa reúne-se na próxima quarta-feira para avaliar a extensão da experiência de equipes de arbitragem com juízes na linha de fundo.


O uso de recursos tecnológicos não vai ser discutido, o que contraria afirmações do presidente da FIFA Joseph Blatter. Depois de avaliar a arbitragem no Mundial 2010, ele afirmou que a eventual inserção de meios tecnológicos auxiliares no futebol seria alvo de estudo. De acordo com a informação divulgada pela Fifa, apenas estará na ordem do dia a aprovação das petições «feitas por várias confederações e federações», para implementar dois árbitros assistentes para os campeona tos de 2010/11 e 2011/12. Recorde-se que a Uefa já experimentou este sistema na última edição da Liga Europa, com a colocação de dois árbitros de área na linha de fundo. Da mesma forma, em partidas importantes do Gauchão 2010, o mesmo recurso foi implementado pela Comissão de Arbitragem da Federação Gaúcha de Futebol.

Capixaba Marcos André da Penha é o personagem

Joseph Blatter, o presidente da Fifa, afirmou em recente entrevista à mídia esportiva, que cobriu a Copa do Mundo na África do Sul, que o árbitro de futebol é o guardião das Regras do Jogo. Se ele falhar dá chabu. Lembrei-me desta frase, na chuvosa e fria tarde de sábado na Vila Capanema, em Curitiba (PR), observando o desenvolvimento da arbitragem do excelente, vou repetir, do excelente árbitro Marcos André Gomes da Penha (ES) do quadro da (CBF- 1), na partida Paraná Clube x Guaratinguetá.O indigitado árbitro aplicou correta e coerentemente as Regras do Jogo do primeiro ao último minuto da partida. Na segunda fase, a partida foi jogada até os 51’. Aliás, vale um lembrete no quesito recuperação do tempo perdido (acréscimo): o que muito árbitro da Fifa não tem coragem de acrescentar de tempo perdido, Marcos da Penha acrescentou tanto na primeira como na segunda etapa com critérios equânimes.

Raríssimas vezes um árbitro consegue ligação entre as suas interpretações e o texto das leis do jogo, numa partida de futebol. Marcos André da Penha conseguiu esta proeza. Suas
decisões técnicas e disciplinares ao longo de todo o jogo apresentaram qualidade inquestionável. Suas decisões foram de acordo com a verdade dos fatos, imparciais, com extremo autocontrole e sempre aplicando o princípio básico da igualdade. Foi a melhor arbitragem deste Campeonato Brasileiro das (Séries A e B) que tive o prazer de presenciar até o presente momento. Nota. 10!

Abade merece 10!

Outra arbitragem que me chamou a atenção, foi a de Cleber Wellington Abade (foto), na partida do meio de semana, entre Palmeiras 2 x 1 Santos. Foi um jogo eletrizante, de alta velocidade, de lances magníficos, que exigiu do árbitro muita concentração, autocontrole nas tomadas de decisões, porque os atletas impingiram a cada jogada uma diversidade de velocidade e diversificadas formas de locomoção dentro do campo de jogo, o que dificultou sobremaneira as decisões tomadas pelo árbitro e seus assistentes. Arbitragem magnífica!

Péssima arbitragem

Se o árbitro Nielson Nogueira Dias (PE), depender da avaliação do jogo de sábado em São Januário, entre Vasco 3 x 1 Atlético/PR, para ser promovido à Aspirante Fifa, tenho certeza de que está literalmente fora da parada. Seu desempenho em São Januário foi um horror. A expulsão do volante Chico (Atlético-PR), foi um equívoco, e sequer houve falta, porque o atleta rubro-negro, primeiro atingiu a bola que era o seu objetivo principal e, posteriormente, na queda, o jogador do Vasco da Gama sem nenhuma intenção.

Para culminar sua performance negativa, o árbitro em tela, marcou pênalti numa jogada em que o jogador vascaíno simulou ter sofrido uma falta, caindo ao solo casualmente em função de um contato físico cristalino, onde não houve nenhuma intenção do zagueiro Eli Sabiá em fazer a falta máxima do jogo, que, posteriormente em razão da marcação equivocada do penal e o conseqüente cartão amarelo, foi expulso pelo árbitro, ao contestar uma decisão com gestos. Foi um horror!

PS: Fui questionado no sábado na Vila Capanema e no domingo na Boca Maldita, o centro nervoso de Curitiba, por alguns torcedores do trio de ferro da capital, sobre a representatividade do futebol paranaense em âmbito nacional. Respondi: Não temos representatividade nenhuma e somos tratados como futebol de segunda categoria e, o que é pior, dificilmente encontraremos alguém com postura ética que tenha as credenciais necessárias para que o futebol do Paraná volte a ter representatividade.

Fonte: Apito Nacional em parceria com bicudoapito.blogspot.com

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Gaciba apita na Arena






DATA: 22/07/2010 às 21:00
ESTÁDIO: MARACANÃ/RIO DE JANEIRO
FLUMINENSE/RJ x CRUZEIRO/MG
ESCALA
WILTON PEREIRA SAMPAIO/DF
ROBERTO BRAATZ/PR(FIFA)
ENIO FERREIRA DE CARVALHO/DF
4o ÁRBITRO
ANTONIO F DE CARVALHO SCHNEIDER/RJ

DATA: 22/07/2010 às 21:00
ESTÁDIO: BRINCO DE OURO/CAMPINAS
GUARANI/SP x CEARÁ/CE
ESCALA
MARCIO CHAGAS DA SILVA/RS
JOSE ANTONIO CHAVES FRANCO FILHO/RS
JOSE JAVEL SILVEIRA /RS
4o ÁRBITRO
MARCELO APARECIDO R DE SOUZA/SP

DATA: 22/07/2010 às 21:00
ESTÁDIO: PACAEMBU/SÃO PAULO
PALMEIRAS/SP x BOTAFOGO/RJ
ESCALA
ALICIO PENA JUNIOR/MG(ESPEC.)
MARCIO EUSTAQUIO SOUSA SANTIAGO/MG(FIFA)
HELBERTH COSTA ANDRADE/MG
4o ÁRBITRO
FLAVIO RODRIGUES GUERRA /SP

DATA: 21/07/2010 às 21:50
ESTÁDIO: ARENA DA BAIXADA/CURITIBA
ATLÉTICO/PR x SANTOS/SP
ESCALA
LEONARDO GACIBA DA SILVA/RS(ESPEC.)
JULIO CESAR RODRIGUES SANTOS/RS
ALEXANDRE A P KLEINICHE/RS
4o ÁRBITRO
ANTONIO DENIVAL DE MORAIS/PR

DATA: 21/07/2010 às 21:50
ESTÁDIO: OLÍMPICO/PORTO ALEGRE
GRÊMIO/RS x VASCO/RJ
ESCALA
HEBER ROBERTO LOPES/PR(FIFA)
GILSON BENTO COUTINHO/PR
JOSE AMILTON PONTAROLO /PR
4o ÁRBITRO
MARCIO CRISTIANO BRUM CORUJA/RS
OBSERVADOR:
LUIZ F GOMES MOREIRA /RS
DATA: 21/07/2010 às 21:50
ESTÁDIO: SERRA DOURADA/GOIÂNIA
ATLÉTICO/GO x CORINTHIANS/SP
ESCALA
GUTEMBERG DE PAULA FONSECA /RJ
DIBERT PEDROSA MOISES/RJ(FIFA)
MARCO AURELIO S PESSANHA/RJ
4o ÁRBITRO
ANDRE LUIZ DE FREITAS CASTRO/GO
OBSERVADOR:
VICENTE P DA SILVA MORAES/GO

DATA: 21/07/2010 às 21:00
ESTÁDIO: MARACANÃ/RIO DE JANEIRO
FLAMENGO/RJ x AVAÍ/SC
ESCALA
JAILSON MACEDO FREITAS/BA
ALESSANDRO ALVARO ROCHA DE MATOS/BA(FIFA)
KATIUSCIA MAYER BERGER MENDONÇA/ES(FIFA)
4o ÁRBITRO
WAGNER DO NASCIMENTO MAGALHAES/RJ

DATA: 21/07/2010 às 19:30
ESTÁDIO: ARENA DO JACARÉ/SETE LAGOAS
ATLÉTICO/MG x INTERNACIONAL/RS
ESCALA
LUIZ FLAVIO DE OLIVEIRA/SP
EDNILSON CORONA/SP(FIFA)
MARCELO CARVALHO VAN GASSE/SP
4o ÁRBITRO
ATILA CARNEIRO MAGALHAES/MG


DATA: 21/07/2010 às 19:30
ESTÁDIO: MANOEL BARRADAS/SALVADOR
VITÓRIA/BA x GOIÁS/GO
ESCALA
PERICLES BASSOLS PEGADO CORTEZ/RJ(FIFA)
RODRIGO PEREIRA JOIA/RJ
VINICIUS DA VITORIA NASCIMENTO/RJ
4o ÁRBITRO
LUCIO JOSE SILVA DE ARAUJO/BA

DATA: 21/07/2010 às 19:30
ESTÁDIO: MORUMBI/SÃO PAULO
SÃO PAULO/SP x PRUDENTE/SP
ESCALA
RODRIGO MARTINS CINTRA/SP
EMERSON AUGUSTO DE CARVALHO/SP(FIFA)
CARLOS AUGUSTO NOGUEIRA JUNIOR/SP
4o ÁRBITRO
ANTONIO ROGERIO BATISTA DO PRADO/SP

PS: Leonardo Gaciba da Silva (foto), do quadro especial da CBF, foi o árbitro designado pela Comissão Nacional de Arbitragem, para dirigir a partida na quarta-feira à noite, na Arena, entre Atlético/PR x Santos/SP, às 21h50. Gaciba, perdeu o escudo da Fifa em 2009, após reprovar no teste físico da Fifa. Mas isto não afetou a performance do nominado árbitro, que manteve a mesma forma de apitar e é um dos melhores apitos do futebol brasileiro. Aliás, é bom lembrar, que no domingo que passou, Leonardo Gaciba deu uma aula de arbitragem no jogo Avaí 4 x 2 Palmeiras, realizado no estádio da Ressacada em Florianópolis.

FPF implantou política em que tudo é cobrado



Felipe Lessa
Allan Costa Pinto
Fachada da FPF: entidade não perdoou nem o jogo com a pior renda do futebol paranaense.
Sábado, 10 de julho. Estádio do Xingu, São José dos Pinhais. Apenas três pessoas pagaram para ver o São José ser derrotado pela Portuguesa Londrinense por 2 x 0, pela Divisão de Acesso 2010 - a Segunda Divisão do Campeonato Paranense. Os míseros R$ 15 de renda, no jogo de menor público pagante da história do futebol paranaense, não representaram nem 1% do que a partida deu de prejuízo: R$ 2.559,88, como indicou o borderô da Federação Paranaense de Futebol (FPF).
O exemplo acima revela o quão difícil é fazer futebol no Paraná. Se na era Onaireves Moura os clubes já pagavam para jogar, agora, mais ainda. Enquanto segue sem oferecer competições rentáveis para seus filiados disputarem, a FPF implantou uma política em que tudo é cobrado das equipes. No emblemático São José 0 x 2 Portuguesa Londrinense, a federação não abriu mão nem de R$ 1,50 - equivalente aos 10% que tem direito sobre cada renda de jogo.

Transformada em um verdadeiro cartório de arrecadação na gestão Hélio Cury, a FPF não subsidia nada aos clubes profissionais. Tudo é cobrado, com valores que podem ir de R$ 0,50 por uma folha de xerox até R$ 200 mil para equipes que pretendam mudar de cidade. Arrecadando cada vez mais, mesmo com contas bloqueadas e uma série de dependências herdadas da gestão anterior, conseguiu fechar 2009 com um superávit de R$ 700 mil em seu balanço.

A Federação Paranaense de Futebol também não alivia dos clubes na taxa de arbitragem, que pelo artigo 30 do Estatuto do Torcedor deveria ser paga pela entidade que organiza o campeonato. Está escrito: “A remuneração do árbitro e de seus auxiliares será de responsabilidade da entidade de administração do desporto ou da liga organizadora do evento esportivo”. Mesmo assim, as taxas cobradas pela FPF variam de R$ 300 a R$ 2,5 mil (árbitros Fifa).
Quem não paga as taxas impostas pela federação corre o risco de ser denunciado ao Tribunal de Justiça Desportiva e ser suspenso da competição e banido de outras futuras. O Iguaçu de União da Vitória, que tentou disputar a Divisão de Acesso, sentiu isso na pele este ano. Há, porém, os que pagam e que veem a cada ano o prejuízo crescer. É o caso do Paranavaí, que por causa das disputas do Campeonato Paranaense de 2009 e 2010 contabiliza um furo de caixa estimado em R$ 300 mil.

Por isso, quem está fora também pensa duas vezes antes de entrar. Um dos casos é o do Bordeaux. Pensando nos altos gastos que teria de pagar só para se filiar na FPF -R$ 50 mil -, a fim de disputar a Terceirona estadual, o clube de Telêmaco Borba preferiu deixar para o ano que vem o retorno da cidade ao futebol paranaense. O mesmo serviu para o tradicional União Bandeirante, que, segundo o diretor de futebol, Nelson Santos, precisa de um “melhor planejamento para não voltar no vermelho”.

O fato de a FPF cobrar o que cobra não condiz com que ela oferece aos clubes. Sem mostrar nenhuma estratégia de marketing para o futebol paranaense, a federação promove competições que não geram alternativas financeiras para os times. Até a cota de televisão do Campeonato Paranaense (R$ 4 milhões), se comparada com os estaduais de outros estados menos importantes do futebol brasileiro, pode ser considerada uma “esmola” aos clubes. “Disputar os campeonatos da federação é pregar no deserto”, diz um dirigente de um clube da Primeira Divisão, que pediu que seu nome fosse omitido para não sofrer represálias. O mesmo dirigente definiu a atual realidade do futebol paranaense: “Federação forte, clubes fracos.”

Base de Cury, suburbana também está à mingua

Na condição de ex-presidente de time de futebol amador, Hélio Cury se transformou em esperança para o fortalecimento do esporte entre os não profissionais. No entanto, o antigo vice de Onaireves Moura e atual presidente da Federação Paranaense de Futebol (FPF) deixou de ser unanimidade em seu reduto.

Diversos clubes da 1.ª e 2.ª divisões da Suburbana de Curitiba estão se unindo para criar uma liga paralela à FPF. Além da possível organização de campeonatos, a intenção do grupo é estruturar os clubes. “Hoje tem três ou quatro equipes na cidade com boas condições. O restante do futebol amador está em estado de calamidade”, lamentou Cláudio Rodrigues, presidente do Bairro Alto.

Antigos aliados de Cury também reclamam da FPF

Felipe Lessa
Todas as divisões do Campeonato Paranaense passaram por ameaças de desistências de clubes em 2010. No início do ano, o Toledo ficou perto de fechar as portas. Recentemente, na fase final da Divisão de Acesso, foi a vez da Portuguesa Londrinense cogitar sair de cena. “É que não custa menos de R$ 400 mil participar de todo campeonato. Isso para um time razoável da elite ou então que dispute a Segundona. Está aí a dificuldade”, explica o presidente da Lusinha, Edson Moretti.

Os valores, segundo o dirigente, incluem gastos como registros na federação, pagamento de atletas, locomoção, hospedagem e materiais de treinamento. “Situação triste, né? Mandamos mais de 50 ofícios para empresas de Londrina e região. Estou até agora esperando respostas”, lamenta Edson Moretti.
Mesmo antigos aliados da atual gestão da Federação Paranaense de Futebol reclamam da entidade. Um deles é o presidente do Maringá Iguatemi, Aldir Mertz. “Sempre que éramos convocados para as reuniões (de campanha de Hélio Cury), a gente estava lá, fosse em Guarapuava, Campo Mourão ou Paranavaí. Participamos também da prorrogação do mandato, da assembleia, pois a proposta era de moralização”, disse o dirigente, que agora critica a falta de diálogo.

O clube maringaense estava cotado para a disputa da Terceirona estadual, que começa em agosto, mas o dirigente alega não ter conseguido renovar o alvará de funcionamento por pendências relacionadas a arbitragens. “Ele não retornou mais nenhuma ligação, quando eu pedia para parcelar umas dívidas. Colocar a corda no pescoço dos clubes não é moralizar”, protestou Mertz, que afirma ter mandado um representante à FPF com R$ 2 mil em dinheiro para regularizar a situação de seu time. No entanto, a falta de diálogo fez com que ele voltasse à Cidade Canção sem a documentação.

domingo, 18 de julho de 2010

Beckenbauer quer assistente adicional atrás da meta




O ex-craque alemão Franz Beckenbauer, se mostrou favorável à proposta do presidente da Uefa, Michel Platini, de testar árbitros extras atrás de cada gol para evitar erros de arbitragem.
A justificativa dada pelo ex-jogador foi que, com a nova ideia, lances polêmicos que aconteceram nesta Copa do Mundo da África do Sul seriam evitados.
Em entrevista ao jornal "Evening Standard", o ex-capitão da seleção alemã que ganhou a Copa do Mundo de 1974 disse ainda que é preciso experimentar o sistema nos próximos dois anos nas ligas europeias.
Para o alemão Franz Beckenbauer, mais árbitros evitariam polêmicas na Copa da áfrica do Sul.
"Se esse sistema já estivesse em funcionamento, poderia ter evitado o incidente de Thierry Henry com a Irlanda [o toque com a mão antes do gol que classificou a França para o Mundial-2010]. E também teria concedido o gol a Lampard [na partida entre Inglaterra x Alemanha pelas oitavas de final da Copa]", afirmou.
No entanto, apesar dos erros de arbitragem, Beckenbauer se declarou contra o uso de novas tecnologias no futebol.
"Quem decidirá? No final, serão sempre as pessoas. A tecnologia traria muitas interrupções ao jogo", argumentou.


PS: O experimento com dois assistentes adicionais (um atrás de cada meta), foi testado no Sub-19 europeu na Eslovênia em 2009, com autorização do Board e da Fifa e, posteriormente, na Liga da Europa, com a missão precípua de detectar incidentes dentro da área penal ou qualquer comportamento incorreto, que fuja do campo visual do árbitro e dos assistentes.

Emendas às Regras de Jogo 2010-2011

A 124ª Reunião Geral Anual do International Football Association Board ocorreu em 6 de março de 2010, em Zurique. Em continuação, comunicamos as emendas às Regras de Jogo aprovadas na reunião, bem como as diversas instruções e diretrizes promulgadas.



EMENDAS ÀS REGRAS DE JOGO E DECISÕES DO BOARD



1. Regra 1 – O Campo de Jogo

(apresentada pela FIFA)



Metas



Texto Atual

Novo Texto

Os postes de meta e o travessão serão de madeira, metal ou outro material apropriado.

Poderão ter forma quadrada, retangular, redonda ou elíptica e não deverão constituir nenhum perigo para os jogadores.

Os postes de meta e o travessão serão de madeira, metal ou outro material apropriado.

Deverão ter forma quadrada, retangular, redonda ou elíptica e não deverão constituir nenhum perigo para os jogadores.




Motivo

Esclareceu a definição atual, a fim de indicar que não são permitidos postes de qualquer outra forma.



2. Regra 5 – O Árbitro

(apresentada pela Associação de Futebol da Escócia)



Interpretação das Regras do Jogo e Diretrizes para Árbitros



Jogadores lesionados



Texto Atual

Novo Texto

As exceções a esse procedimento serão feitas somente quando:

· um goleiro estiver lesionado

· um goleiro e um jogador de linha se chocarem e necessitarem de atendimento imediato

· ocorrer uma lesão grave, por exemplo, engolir a língua, choque violento entre jogadores, que atinja a cabeça, fratura de perna etc.

As exceções a esse procedimento serão feitas somente quando:

· um goleiro estiver lesionado

· um goleiro e um jogador de linha se chocarem e necessitarem de atendimento imediato

· jogadores da mesma equipe se chocarem e necessitarem de atendimento imediato

· ocorrer uma lesão grave, por exemplo, engolir a língua, choque violento entre jogadores, que atinja a cabeça, fratura de perna etc.




Motivo

Considera-se injusto que jogadores da mesma equipe que se choquem entre si tenham de sair do campo de jogo para receber atendimento, deixando assim sua equipe com inferioridade numérica.



3. Regra 5 – O Árbitro

(apresentada pela Associação de Futebol da Escócia)



Interpretação das Regras do Jogo e Diretrizes para Árbitros



Jogadores lesionados



Texto Atual

Novo Texto

· os maqueiros entrarão no campo de jogo ao mesmo tempo dos médicos, a fim de acelerar o transporte do jogador.

· os maqueiros entrarão no campo de jogo com uma maca depois do sinal do árbitro.




Motivo

O ingresso obrigatório dos maqueiros no campo de jogo para qualquer tipo de lesão quando se solicitava um médico atrasava o reinício do jogo desnecessariamente.



Outras Decisões do IFAB



1. Regra 1 – O Campo de Jogo



Interpretação das Regras do Jogo e Diretrizes para Árbitros



Logotipos e Emblemas



O IFAB reiterou que está proibida a reprodução real ou virtual de logotipos ou emblemas representativos da FIFA, Confederações, Associações-Membro, Ligas, Clubes ou outros órgãos no campo de jogo e em seus arredores, nas redes e áreas por elas abrangidas, nas metas, nos postes de bandeirinha e nas bandeirinhas durante o tempo de jogo.



Salientou-se que tais logotipos não podem ser reproduzidos nos postes de bandeirinha de canto.



2. Tecnologia da linha de meta

(continuação do debate iniciado na 122ª Reunião Geral Anual)



O uso da tecnologia da linha de meta e da tecnologia em geral nas partidas foi rejeitada por decisão majoritária.



3. Idioma Oficial das Regras do Jogo



Foi ratificado que, no caso de divergências entre as traduções das Regras do Jogo, o texto em inglês prevalecerá.



4. Instruções Adicionais aos Árbitros e Assistentes



Constatou-se que algumas Confederações e Associações Nacionais emitem em seus respectivos territórios suas próprias instruções e recomendações aos árbitros em relação à aplicação das Regras do Jogo, fazendo com que aumentem as possibilidades de que haja diferentes interpretações ao redor do mundo. Por isso, reiteramos que o IFAB é o único órgão autorizado a emitir instruções adicionais concernentes às Regras do Jogo, de modo a assegurar sua aplicação uniforme no mundo inteiro.

Além disso, foi celebrada uma reunião extraordinária do IFAB em 18 de maio de 2010, em Zurique. Em continuação, comunicamos as emendas às Regras do Jogo aprovadas na reunião.



EMENDAS ÀS REGRAS DE JOGO E DECISÕES DO BOARD



1. Regra 14 – O Tiro Penal

(apresentada pela FIFA)



Interpretação das Regras do Jogo e Diretrizes para Árbitros



Procedimento



Texto Atual

Novo Texto

O ato de utilizar fintas na execução de um tiro penal para confundir os adversários faz parte do futebol e está permitido. Todavia, o árbitro deverá advertir o jogador se considerar que tal finta representa uma conduta antidesportiva.

O ato de utilizar fintas durante a corrida até o ponto penal para confundir os adversários faz parte do futebol e está permitido. Todavia, utilizar fintas ao chutar a bola uma vez que o jogador tenha concluído sua corrida até o ponto penal é considerado uma infração à Regra 14 e uma conduta antidesportiva, pelo que o árbitro deverá advertir o jogador.




Motivo

Considerando a crescente tendência dos jogadores de fintar na hora de executar o tiro penal para enganar o goleiro, é necessário esclarecer o que está permitido e que ação deve tomar o árbitro no caso de infração.



2. O Quarto Árbitro

(apresentada pela Associação de Futebol da Escócia)



O Quarto Árbitro e o Árbitro Assistente reserva (ponto 7)



Texto Atual

Novo Texto

Indicará ao árbitro se este adverte o jogador errado por uma confusão de identidade, se não expulsa o jogador que tenha recebido o segundo cartão amarelo, ou se ocorre uma conduta violenta fora do campo visual do árbitro e dos árbitros assistentes. Entretanto, o árbitro mantém sua autoridade para decidir sobre qualquer fato relacionado ao jogo.

Ajudará o árbitro a dirigir o jogo conforme as Regras do Jogo. Entretanto, o árbitro mantém sua autoridade para decidir sobre qualquer fato relacionado ao jogo.




Motivo

Considera-se que deva ser ampliada a competência do quarto árbitro de auxiliar o árbitro, a fim de permitir que o quarto árbitro lhe ofereça ajuda e informação não apenas em um número limitado de situações, atualmente estabelecidas nas Regras do Jogo.



Entrada em vigor das Regras do Jogo 2010/2011



O IFAB decide por unanimidade que as decisões da 124ª Reunião Geral Anual e da reunião extraordinária de 18 de maio de 2010 entraram em vigor a partir de 1º de junho de 2010 e, portanto, já foram aplicadas na Copa do Mundo da FIFA na África do Sul.

Fonte: Safesp/SP

Torcedor estava com saudade do Brasileiro



O mês de junho e início de julho do torcedor brasileiro foi dedicado à Copa do Mundo da África do Sul. Manhãs, tardes e noites foram ocupadas por debates em tornos das seleções que estavam na disputa. Porém, a saída precoce do Brasil, nas quartas de final, após derrota para a Holanda deixaram a torcida brasileira carente por alguns dias. Mas nesta última semana cada torcedor voltou as atenções para a vida normal do futebol brasileiro. Daqui para frente, o Campeonato Brasileiro pega fogo e não faltarão emoções.


Para comprovar a saudade que o torcedor brasileiro estava da principal competição nacional e da rivalidade entre os clubes, o site Justicadesportiva.com.br foi atrás dos números da oitava rodada, que marcou a volta do Campeonato Brasileiro. Para melhor analisar a estatística, levou-se em conta, como parâmetro, a primeira rodada, quando o torcedor também vivia um período sem assistir futebol.
E ao analisar os números, verifica-se que a Copa do Mundo, apesar do insucesso da Seleção Brasileira, deixou o torcedor brasileiro com vontade de ver o seu time bem e perto. Na primeira rodada, um total de 113.168 pagantes compareceu aos estádios, uma média de 11.317 pagantes por jogo. Nesta oitava rodada, o número subiu para um total de 147.659 pagantes, atingindo a média de 14.766 pagantes por partida.
Na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, a partida com maior público aconteceu no duelo entre o campeão carioca e o campeão paulista. Botafogo e Santos empataram por 3 a 3 no Engenhão, sob os olhos de 25.634 pagantes. Mas na última quarta-feira, dia 14 de julho, 44.500 pagantes estiveram no Castelão para ver o empate sem gols entre Ceará e Corinthians, os dois primeiros colocados da competição. Nesta oitava rodada, um outro empate, entre Fluminense e Prudente, contou com 28.410 pagantes, também superando o recorda da primeira rodada.
Confira aqui o público pagante de cada uma das partidas da primeira e oitava rodada:
Primeira rodada:
Botafogo 3 x 3 Santos = 25.634
Atlético/GO 0 x 0 Grêmio = 5.647
Palmeiras 1 x 0 Vitória = 6.025
Flamengo 1 x 1 São Paulo = 11.125
Atlético/MG 2 x 1 Vasco = 12.790
Internacional 1 x 2 Cruzeiro = 11.631
Corinthians 2 x 1 Atlético/MG = 9.232
Ceará 1 x 0 Fluminense = 18.340
Guarani 1 x 0 Goiás = 6.205
Avaí 6 x 1 Prudente = 6.539
TOTAL = 113.168 pagantes
MÉDIA = 11.317 pagantes por jogo
Oitava rodada:
Grêmio 1 x 1 Vitória = 7.455 pagante
Atlético/PR 0 x 2 Cruzeiro = 13.952 pagantes
São Paulo 1 x 2 Avaí = 7.717 pagantes
Flamengo 1 x 0 Botafogo = 19.313
Guarani 0 x 3 Internacional = 2.193
Goiás 0 x 0 Vasco = 11.000 pagantes
Ceará 0 x 0 Corinthians = 44.500 pagantes
Palmeiras 2 x 1 Santos = 9.400
Atlético/MG 3 x 2 Atlético/GO = 3.179
Fluminense 1 x 1 Grêmio Prudente = 28.410 pagantes
TOTAL = 147.659 pagantes
MÉDIA = 14.766 pagantes por jogo
Fonte: Justiça Desportiva