quinta-feira, 30 de setembro de 2010

SIMON. UM VIZINHO DOS BUENOS!



Aqui na cidade grande é tudo diferente! As pessoas, principalmente. Todos apressados, indiferentes, sem tempo para um dedo de prosa. É a chamada “vida agitada” aonde as relações humanas vão se degradando. Lá fora não! Lá fora se estende a mão para saudação de um buenos dias. Se grita um ôh de casa e se escuta: - Passe pra diante, companheiro! As crianças, beijando as mãos enrugadas pelo tempo, pedem benção para seus avós que lhes respondem: - Que Deus te abençoe!

No interior deste Rio Grande antigo as pessoas, mesmo morando distantes uns dos outros, sabem da doença de um vizinho e acodem, de carreta, de a cavalo, a qualquer hora e com qualquer tempo, para prestar seu socorro que pode ser apenas uma xícara de chá, uma benzedura. Mas a presença dos amigos ajuda na cura. Lá, nos fundos de campos desta Querência de São Pedro, quando se mata um porco, todos se apresentam, no trabalho e na festa. São parceiraços, na tristeza e na alegria.

Mas no povoeiro a coisa muda. É cada um por si e por sua família. Moro a seis anos num edifício do Bairro Petrópolis, na capital dos gaúchos e não me perguntem o nome de meus vizinhos de porta porque não sei. Não me questionem o que fazem porque não imagino.

Mas como toda a regra tem exceção, a indiferença que campeia no meu prédio também tem. Uma destas exceções chama-se Carlos Eugênio Simon. Árbitro da FIFA, andejo dos sete ventos deste mundo velho sem porteiras, pessoa respeitada do Galpão à Casa Grande. Nem quero entrar aqui na seara futebolística, apesar de achar o Simon um dos melhores juízes que já vi apitar. E sua profissão não é das mais fáceis. Tem segundos para decidir e um lote de câmaras para acusar seus erros. Falo, aqui, da pessoa, do colecionador de cuias, do leitor das poesias do Jayme, do gaúcho que dá entrevista com a bandeira do Rio Grande no colo, do riograndense que cantarola, em meio a uma reportagem, a Querência Amada, do saudoso Teixeirinha. Do vizinho que, quando não proseia contigo, no mínimo, te cumprimenta.

Moro no apartamento 303, o Simon, no 803. Cinco andares que poderiam ser cinco léguas, mas para quem tem no sangue a hospitalidade pampeana, a educação brotada nas rodas de mates, nada é distância. O Carlos Simon, meus patrícios, é aquela brasa tapada pelas cinzas que com um sopro já se avulta para dizer: - Sou um homem cruzador de caminhos, mas a minha alma ainda é lá de fora!
Fonte: www.blogdoleoribeiro.blogspot.com

Sete árbitros são afastados por 20 dias pela Comissão de Arbitragem



Cinco deles são assistentes que erraram em impedimentos na Séria A, e outros três são árbitros centrais
Redação Justiça Desportiva
As reclamações contra a arbitragem do Campeonato Brasileiro, em qualquer uma das quatro divisões, são infinitas. A cada rodada só muda o nome do clube, treinador ou jogador, que disparam contra árbitros e assistentes. E no início da noite desta quinta-feira, dia 30 de Setembro, a CBF anunciou punições a sete deles, por conta de fatos nas Séries A e B.
Segundo a CBF, em seu comunicado no site, a entidade “tem como procedimento habitual analisar o desempenho de árbitros e assistentes nas competições coordenadas pela entidade - Copa do Brasil, Copa do Brasil de Futebol Feminino e Campeonato Brasileiro das Séries A, B, C e D - tomando as medidas cabíveis que cada caso requer, de acordo com os relatos dos observadores, e também, nos casos de reclamações oficiais dos clubes através das Federações filiadas, do parecer da Comissão de Análise”.

E levando em conta tal procedimento em relação às três ultimas rodadas, “a Comissão de Arbitragem da CBF decidiu pelo afastamento de árbitros e assistentes durante 20 dias, período este em que serão submetidos a treinamentos específicos, o que já foi informado às suas respectivas Federações”.

Confira os árbitros afastados:

Árbitros afastados pelo descumprimento da Regra 12 (faltas e incorreções):

- Francisco Nascimento (asp-FIFA/AL) - Vitória x Fluminense - 26/9
- Andrey da Silva e Silva (PA) - Vila Nova x Paraná - 24/9
- Suelson Medeiros (RN) - Ponte Preta x Coritiba - 28/9

Árbitros afastados pela Regra 11 (impedimento):

- Erich Bandeira (FIFA/PE) - Corinthians x Botafogo - 29/9
- Marcos Pessanha (RJ) - Santos x Cruzeiro - 25/9
- Cleriston Rios (SE) - Cruzeiro x Ceará - 22/9
- Paulo Conceição (RS) - Cruzeiro x Ceará - 22/9
- Elan Souza - Ceará x Goiás - 19/9

No Justicadesportiva.com.br você acompanha as notícias do futebol brasileiro.

Raio-X da arbitragem


Quando o árbitro planeja a metodologia de arbitragem com os assistentes e o quarto árbitro, ou seja, elabora um plano de trabalho, define os procedimentos, a dinâmica e alguns sinais próprios que pretende adotar durante a partida, isto é observado logo no início do jogo e durante todo o seu transcorrer. Em assim agindo, o árbitro evita marcações e sinalizações confusas e divergentes entre os membros da arbitragem e o seu trabalho ao final é coroado de êxito.
Foi desta forma, que Marcelo de Lima Henrique (foto-Fifa/RJ), dirigiu Atlético/PR 1 x 0 Vitória/BA. Nos aspectos técnicos, teve excelente posicionamento com a bola em jogo. Aplicou corretamente e com coerência as regras. Suas decisões tiveram critérios equitativos. Suas sinalizações foram adequadas, de forma que todos puderam entender o que estava sinalizando. Utilizou pouquíssimas vezes o apito, mas quando usou o fez de maneira adequada. Agilizou o reinício de jogo a cada interrupção como determina a regra. Interpretou quatro lances de lei da vantagem com raro brilhantismo. Interpretou e marcou as indicações de impedimentos assinaladas pelos assistentes em todas as vezes em que ambos se manifestaram, o que significa estar integrado com os componentes da arbitragem.
Nos aspectos disciplinares, não permitiu em nenhum momento que sua autoridade fosse questionada. Praticou a arbitragem preventiva através ( de olhares, sinais, do diálogo e quando necessário aplicou o cartão amarelo). Todas as advertências (cartão amarelo) foram corretas. Demonstrou ótimo controle emocional. Ótima postura no momento de advertir verbalmente/aplicar cartões aos atletas. Teve presença física em todas as jogadas. Exibiu bom condicionamento físico durante todo o jogo, deslocando-se de acordo com a velocidade exigida nas jogadas. Excelente atuação em partida com grau acentuado de dificuldade. Os assistentes Altemir Hausamann e Lilian da Silva Fernandes foram perfeitos no posicionamento e trabalho em equipe.
Em tempo: O gravíssimo equívoco do árbitro assistente Eric Bandeira (Fifa/PE), no Corinthians 1 x 1 Botafogo, ontem à noite, no Pacaembu, quando anulou o lance legítimo do atacante Herrera do Botafogo, não pode ser atribuído ao árbitro central Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS). Porque quem estava na linha e de frente para a jogada como determina o manual da Fifa e tinha o lance na sua totalidade dentro do seu campo visual era o nominado assistente. Vuaden, estava na diagonal do assistente e naquele tipo de lance a regra determina ao árbitro que ele deve aceitar a sua informação, visto que, o assistente possui uma melhor posição e visualização da jogada.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Escola para os árbitros

Observando os constantes equívocos e algumas deficiências da arbitragem no Brasileirão/2010, procurei identificar as causas e constatei: falta aos árbitros brasileiros um curso teórico que enfatize o posicionamento nas áreas negras. São nessas regiões do campo de jogo onde estatisticamente têm ocorrido vários incidentes que o posicionamento usual não permite visualizar.
Falta enfatizar o trabalho em equipe e discutir a atuação do assistente, a comunicação corporal, a visualização entre outros. Falta aos assistentes treinamentos de como usar a bandeira e o posicionamento do árbitro no campo de jogo, abandonando a clássica diagonal e posicionando-se mais próximo dos incidentes.
Existem árbitros que não abandonam a diagonal uma única vez durante a partida. Isso é péssimo, pois faz o árbitro perder o contato visual não só com o assistente, em determinados lances, mas também impede-o de observar a jogada na sua totalidade em algumas situações.
Falta aos árbitros do Campeonato Brasileiro um psicólogo para acompanhá-los, com palestras em grupos e com exercícios práticos. Falta material voltado para a concentração e motivação do árbitro. Falta curso prático, que inclua o posicionamento em situação de jogada parada, de acordo com o que consta nos manuais da Fifa. Também faltam exercícios de interpretação de jogadas e treinamentos de faltas nas proximidades da área, com ajuda do árbitro assistente para indicar se a infração aconteceu dentro ou fora da área penal.
Falta para os assistentes um treinamento que inclua exercícios de fora de jogo, com uma câmera filmando todos os lances que, posteriormente, poderiam ser exibidos num vídeo com as deficiências que necessitam ser corrigidas. Falta gravar os equívocos de arbitragem em DVD, quando são constatadas dificuldades de interpretação, dando ênfase aos motivos pelos quais não estavam corretos.
Faltam instrutores com qualificação para ministrarem aulas, objetivando mostrar ao árbitro e ao assistente o posicionamento correto e de que a concentração é fundamental para uma margem expressiva de acertos no jogo. Faltam treinamentos físicos totalmente direcionados para o campo de jogo, com os mesmos movimentos que ocorrem numa partida - desde o aquecimento até os treinos específicos.
Falta orientação ao árbitro e aos assistentes para jogos com alto índice de dificuldade, sendo que, aos assistentes, devem ser enfatizadas as variáveis da Regra XI, o impedimento. Faltam pessoas com capacitação para analisar os lances e discuti-los. Faltam instrutores que realizem reuniões com definições sobre lances, que devem ser reproduzidos em vídeo - como, por exemplo, se é lance para cartão amarelo, cartão vermelho, se foi falta ou não ou se ocorreu simulação. Faltam observadores de arbitragem com notório conhecimento sobre as Regras do Jogo. Em resumo: sente-se falta de uma Escola Brasileira de Arbitragem de excelência em tempo integral.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Clubes brasileiros aumentam a receita e aprendem a lucrar

Estudo revela que sete clubes da Série A ultrapassaram a marca de R$ 100 milhões em 2009
Redação Justiça Desportiva



Os clubes brasileiros estão aprendendo a lucrar com o futebol, de acordo com o estudo da empresa de consultoria Crowe Horwath RCS e publicado nesta terça-feira, dia 28 de setembro, pelo jornal Estado de S. Paulo. O Corinthians aparece em primeiro do ranking de 2009, com R$ 181 milhões de superávit, à frente do Internacional.
A receita total dos departamentos de futebol dos principais clubes do país aumentou 140% em menos de uma década. Em 2003, quando o Campeonato Brasileiro começou a ser disputado por pontos corridos, a receita dos clubes era de R$ 805 milhões, agora os números aproximam dos R$ 2 bilhões. A explicação para a evolução é a diversidade da origem dos recursos.
Em menos de uma década, os clubes ficaram menos reféns de lucrar apenas através das transferências dos jogadores para clubes do exterior. A bilheteria, que representava 7% da receita em 2003, saltou para 13%; patrocínio e publicidade subiu de 9% para 14% em sete anos. A negociação de jogadores caiu de 26% para 19% e as cotas de televisão diminuíram também de 33% para 28%.
Apesar de não ter projeções para o término da atual temporada, a expectativa é de que o total de receita atinja R$ 2,1 bilhões. A barreira dos R$ 3 bilhões deve ser superada em 2014, ano da Copa do Mundo do Brasil. E, após os Jogos Olímpicos de 2016, os principais clubes do futebol brasileiro movimentarão, aproximadamente, R$ 3,3 bilhões.
Além de Corinthians e Internacional, outros cinco clubes movimentaram mais de R$ 100 milhões em 2009: São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo e Grêmio. No entanto, na outra parte do estudo, os cariocas são os primeiros. Os quatro grandes do Rio de Janeiro lideram o ranking dos endividados: Fluminense (R$ 329 milhões), Vasco (R$ 327 milhões), Botafogo (R$ 317 milhões) e Flamengo (R$ 308 milhões).

Video: O limite de idade para os árbitros



A actual idade de retirada para os árbitros de topo é de 45 anos. Será cedo demais? Qual a idade óptima para um árbitro? Este filme mostra as opiniões do sueco Peter Frodjfeldt e do Director de Arbitragem da UEFA, Yvan Cornu.
Publicada por RefereeTip Manager

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Quem substituirá o assistente paulista Ednilson Corona na Fifa?


No final deste ano o assistente paulista da Fifa, Ednilson Corona deixa o quadro da entidade ao completar 45 anos, idade limite para pertencer ao quadro da Fifa e após 13 anos ininterruptos de bons serviços prestados a entidade maior do futebol mundial. Todos aqueles assistentes que estão dentro dos pré-requisitos para ocuparem a vaga, estão se movimentando, tentando se tornarem aptos e merecedores da indicação para a tão cobiçada vaga.

Pelos critérios que são rigorosamente seguidos pela CONAF, os mesmos que usou em 2007, quando retirou da FIFA os paulistas Wilson Luiz Seneme e Ana Paula de Oliveira, o carioca Hilton Moutinho Rodrigues também sairá, com isso, outra vaga se abrirá para um outro assistente.

O assistente Ednilson Corona, é professor de educação física em Iguape/SP, nasceu no dia 04 de fevereiro de 1965, se formou árbitro em 1986 e entrou para o quadro da Fifa em 1997. Ao longo de sua carreira os acertos foram infinitamente superiores aos erros.

Participou da Copa do Mundo em 2006 na Alemanha (Itália 2x0 Gana, Espanha 3x1 Tunísia e Alemanha 2x0 Suécia) e foi o reserva em 2010 do trio brasileiro que participou da Copa da África do Sul.

Para substituí-lo, observando as escalas e o projeto de renovação prometido pela CONAF, destaco a seguir alguns assistentes que atuaram na Série A que, aparentemente, tem chances de ocupar a vaga de Ednilson Corona.
Ao lado dos nomes dos supostos candidatos, o número de jogos na série A até o presente momento nesta temporada de 2010:
Guilherme Dias Camilo – MG (12 jogos).
Marcelo Carvalho Van Gasse – SP (10 jogos).
Marrubson Melo de Freitas - DF (9 jogos).
Rodrigo Pereira Jóia - RJ (9 jogos).
Vicente Romano Neto - SP (9 jogos).
Fabrício Vilarinho da Silva – GO (8 jogos).
Cleriston Barretos Rios - SE (6 jogos).
Fabio Pereira – TO (6 jogos).
Bruno Boschillia – PR (6 jogos).
Obs. Bruno é sobrinho do ex-árbitro (e dos bons) Dulcidio Vanderlei Boschillia que nunca chegou a FIFA por conta de sua forte personalidade e destempero, e todos sabemos que a política é um pré-requisito importantíssimo para ter o escudo da FIFA.
Kleber Lúcio Gil - SC (5 jogos).
Tiago Gomes Brigido – CE (4 jogos).
Pedro Jorge Araújo – AL (4 jogos).
Dificilmente o nome do substituto de Ednilson Corona não esteja nesta lista, boa sorte a todos, as cartas estão na mesa, a vocês bastam apenas saber jogar com sabedoria não se esquecendo da famosa frase da FIFA: My Games Is Fair Play.
Em tempo: Nota do Apito do Bicudo: Se prevalecer o critério qualitativo, um dos dois assistentes da Federação Paulista de Futebol, Marcelo Carvalho Van Gasse e Vicente Romano Neto, devem ocupar a vaga de Ednilson Corona, até porque, a vaga pertence ao futebol paulista. Quanto ao assistente Bruno Boschilia da Federação Paranaense de Futebol, entendo que ainda lhe falta Know How para ocupar tão importante cargo e a entidade a qual pertence não tem representatividade nenhuma junto a CBF. Mas, como no futebol brasileiro, a cartolagem usa e abusa todo dia do famoso "jeitinho", não será surpresa se o nominado assistente for o indicado. Quem perde com a indicação de Bruno Boschilia é a arbitragem brasileira.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Gol do Liverpool causa polêmica na Inglaterra

Lance envolvendo o holandês Kuyt causou revolta nos adversários e críticas ao árbitro. No entanto, o Corpo de Árbitros Profissionais da Inglaterra divulgou nota defendendo a decisão tomada pelo juiz Stuart Attwell.


Uma atitude dos jogadores do Liverpool pôs em xeque o espírito do fair-play no Campeonato Inglês. O fato polêmico ocorreu na marcação do primeiro gol da equipe na partida contra o Sunderland realizada no domingo.. O jogo, disputado no Estádio de Anfield Road, em Liverpool, terminou empatado em 2 a 2. Aos cinco minutos do primeiro tempo, o Sunderland tinha uma falta a seu favor, dentro de sua área. O zagueiro Turner deu um toquinho de calcanhar, no intuito de ajeitar a bola para o goleiro Mignolet fazer a cobrança. Atento ao lance, o atacante do Liverpool Fernando Torres roubou a bola e rolou para o holandês Kuyt marcar o gol. O lance gerou muitos protestos dos jogadores do Sunderland, mas o árbitro Stuart Attwell validou a jogada, interpretando que o zagueiro Turner havia efetivamente cobrado a falta.

- Eu acho que todos que estavam em campo, incluindo os jogadores do Liverpool, entenderam que Turner ainda não havia cobrado a falta. Ele apenas pisou na bola para que o goleiro pudesse cobrá-la - reclamou o técnico do Sunderland, Steve Bruce. No entanto, o Corpo de Árbitros Profissionais da Inglaterra divulgou nota defendendo a decisão tomada por Stuart Attwell. O comunicado assinala que, segundo as regras do futebol, cabe ao árb tro indicar o reinício da partida após a paralisação por infração. Essa indicação não precisa ser necessariamente sinalizada com o apito. Um gesto, por mínimo que seja, pode ser considerado como autorização para o reinício do jogo. Só como detalhe, os gols do Sunderland foram marcados por Bent. Gerrard fez o segundo dos Reds.
Fonte: Lancenet

33 anos, novo número da Fifa

Como política de natureza biológica, a Fifa está olhando para o futuro em relação aos árbitros de futebol, pois não está distante o dia em que teremos amplas novidades que se referem a faixa etária. Agora mesmo, numa verificação científica, aquela entidade embora não confirme, está na posse de estudo profundo sobre a capacidade do homem isso em relação as funções de árbitro. E é um estudo que vai deixar muitos e muitos pretendentes à essa carreira decpecionados, embora tenha a mesma a sua razão de ser e decorra de palpável manifestação de que poder detém o homem de acordo com a sua idade. O estudo, assim qualificou e classificou a capacidade humana: O ser humano começa a envelhecer entre 25 e 28 anos de idade. Posteriormente, o envelhecimento vai se acentuando aos 30 anos, 35, 40, 45 e assim por diante. O estudo aponta entre as perdas do ser humano a partir dos 25 anos, como a perda de potência muscular, o envelhecimento dos tecidos, das fibras, dos ossos, dos neurônios, das articulações, a morte das células sanguíneas, musculares, tendinosas, e a perda gradativa da visão ano após ano a partir dos 40. Entende o time comandado por Blatter, que essa é uma realidade que já deve prevalecer para os eventos futuros de que venha participar o árbitro, podendo suceder no projeto de 2014 programado para o Brasil, o limite de 42 anos de idade.
Existe um sinal priorizado quanto a idade mínima: No máximo até 33 anos para se candidatar ao quadro da Fifa. Nos tempos atuais a jubilação do árbitro acontece aos 45 anos. Diante disso, é verdade que será necessário formar um exército de árbitros jovens, pois 33 anos, representa a própria juventude e na ilação da Fifa a velhice do homemm de preto.
Concordamos com essa filosofia, porque é exigido do árbitro um potencial físico idêntico ao dos atletas, o que por sinal poucos conseguem até os limtes de 32 anos, idade normal para que o craque abandone as canchas. Apesar de que alguns desses atletas sejam infindáveis, a média é muito pequena em relação ao número de bons de bola que existem em todo o planeta.
Desta consequência, nasce um tempo de advertência aos homens do apito: mais dias menos dias a notícia que ora é inserida neste articulado vai virar legislação esportiva obrigatória, ocorrendo em consequência o afastamento de um número incontável de árbitros pois é uma maioria quase absoluta aquela que supera os 33 anos e tem na sua consciência de que para apitar até 45 anos de idade, o "cara", deve ser considerado um homem de aço. Se é compensadora a carreira de árbitro de futebol no sentido econômico, como "um bico" atraente para receber a pecúnia fora da profissão normal, apressem-se os jovens em multiplicar conhecimentos na carreira e que os não jovens se preocupem em arranjar, um um outro "bico", para preencher o seu orçamento. Tudo isso decorre da falta de organização numa categoria profissional que como já dissemos, cada qual puxa a sardinha para seu braseiro e os demais que tenham boa sorte.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

A 25ª rodada do Brasileiro soma 63 amarelos e quatro vermelhos


Destaque "indisciplinar" ficou por conta do jogo entre Inter e Corinthians, com nove amarelos e dois expulsos
JOSÉ GERALDO AZEVEDO
Justiça Desportiva



A 25ª rodada do Campeonato Brasileiro conheceu um novo líder. Nem tão novo assim. Com a derrota do Corinthians para o Internacional, o Fluminense chegou de novo ao primeiro lugar depois de vencer o Vitória fora de casa. E nesta rodada recheada de emoções, não sobraram cartões amarelos, além de quatro expulsões nas dez rodadas realizadas. No total, somaram-se 63 cartões amarelos, média de 6,3 por jogo.


No destaque da rodada está o jogo no Beira-Rio, onde o Internacional venceu o Corinthians por 3 a 2, com um gol de Andrezinho aos 47 minutos do segundo tempo. Foram distribuídos 11 cartões amarelos pelo árbitro Sandro Meira Ricci, sendo que dois deles se transformaram na expulsão do corintiano Paulo André, que levou o segundo amarelo no lance que originou o terceiro gol do Colorado. O time gaúcho teve ainda a expulsão de Ney, que defendeu um ataque adversário debaixo do travessão, e levou o vermelho de forma direta.
Outro jogo que contou com expulsão aconteceu no sábado, quando o Santos goleou o Cruzeiro por 4 a 1. O atacante santista Zé Eduardo recebeu o segundo cartão amarelo na metade da etapa final e deixou o gramado mais cedo. No mesmo dia, no Serra Dourada, o Prudente foi goleado por 3 a 0 pelo Atlético/GO e ainda viu Rodrigo Mancha ser expulso aos 33 minutos de segundo tempo, de forma direta, após falta dura em Keninha.
Em breve, os quatro jogadores expulsos terão que responder a processo no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). A Procuradoria, com base no relato dos árbitros, avaliará o melhor artigo do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) em que se enquadram a conduta que levaram os jogadores a serem expulsos.
Por outro lado, se teve Rodrigo Mancha expulso, a partida entre Atlético/GO e Prudente foi a com menos cartões amarelos mostrado. O árbitro Edivaldo Elias da Silva advertiu apenas Roberto, pela equipe paulista, e Marcão, do lado goiano.
A 26ª rodada começa nesta terça-feira, com duas partidas, quando o Vasco recebe o Santos e o Goiás enfrenta o Flamengo. Os demais jogos acontecem na quarta-feira.

Tecnico agride árbitro e será julgado pelo STJD


A despedida do Marília na Série C do Campeonato Brasileiro foi melancólica, com direito a agressão do treinador Jorge Raulli ao árbitro Célio Amorim. A atitude do técnico chegou até o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), onde será julgado na próxima quarta-feira, dia 29 de setembro, a partir das 18h, correndo risco de pegar até 180 dias de suspensão.
Baseado no relato da súmula, a Procuradoria denunciou o técnico por agressão física – artigo 254-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) –, que prevê suspensão de quatro a 12 partidas. Porém a denúncia ainda pode ser aditada, pois pela agressão ter sido no árbitro, o CBJD fala numa posição maior.
É assim que prevê o parágrafo terceiro do artigo 254-A (se a ação for praticada contra árbitros, assistentes ou demais membros de equipe de arbitragem, a pena mínima será de suspensão por cento e oitenta dias).
De acordo com a súmula, Célio Amorim expulsou Raulli por reclamação e a exclusão fez com que o treinador invadisse o campo e agredisse o árbitro com um soco “chegando a cortar os lábios na parte interna e sair sangue devido ao soco e ficar inchado também”, conforme escreveu.
A confusão causou paralisação de 15 minutos na partida, quando outro tumulto foi iniciado, este envolvendo o preparador físico do Marília, Gerson Brejão Junior, e o massagista do Ituiutaba, Altamir Vicente Ferreira, que trocaram ofensas e empurrões.
Fonte: Justiça Desportiva

Curso de gestão de futebol cria benefícios


Participantes no Certificado de Gestão de Futebol da UEFA (UEFA CFM) ©UEFA

Curso de gestão de futebol cria benefícios
O novo Certificado de Gestão de Futebol da UEFA tem como meta ajudar as federações nacionais e funcionários da UEFA a aumentarem os seus conhecimentos de gestão desportiva e organização.

A UEFA deu as boas-vindas a 35 participantes na primeira edição do Certificado de Gestão de Futebol da UEFA (UEFA CFM) – um curso criado para ajudar as 53 federações associadas da UEFA, e todos os funcionários do organismo, a aumentarem o seu conhecimento em relação a gestão e organização desportiva, para benefício do futebol europeu no seu todo.
O UEFA CFM é gerido em cooperação com renomados peritos academicos e reconhecido pela Escola Suíça de Administração Pública (IDHEAP), em Lausanne. Os participantes irão seguir nove módulos de dois dias e os candidatos com aproveitamento positivo irão receber um Certificado em Gestão de Futebol, no final do curso.
O UEFA CFM é o curso fundador de uma série de programas de desenvolvimento profissional criados pela UEFA, sendo o nível mais elevado o Mestrado Executivo em Gestão Desportiva Europeia (consulte mesgo.org), que começou recentemente em Paris.
O UEFA CFM tem como objetivo aumentar o "know-how" já existente nos quatros intermédios das federações nacionais.
O curso cobre as principais áreas de gestão dentro das federações nacionais: a organização de futebol, gestão estratégica e de "performance", gestão operacional, gestão de eventos, marketing e patrocínio, e comunicação interna e externa.

sábado, 25 de setembro de 2010

Olegário Benquerença: "Só os fortes sobrevivem"


O árbitro de futebol Olegário Benquerença (foto). admitiu este sábado desconforto nas "últimas duas semanas", apontando a coragem, a autoestima e a consciência tranquila como receitas para superar fases como esta.
"Não deve ser fácil levar com duas semanas como eu tenho levado. De todo o lado, ligo a rádio, ligo a televisão e vejo um jornal, não há só coisas boas, nem há só coisas más", advertiu o juiz de Leiria, durante o 9.º Encontro Nacional do Árbitro Jovem, em Rio Maior.
Benquerença, muito criticado pela arbitragem do Vitória de Guimarães-Benfica, assumiu que poderá servir de exemplo os 60 árbitros jovens, que participam nesta iniciativa da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF).
"Não tenho dúvidas de que todos vocês gostariam de ser atacados como eu e os outros colegas somos. Se pudessem não ser, ótimo, mas porque significa que chegaram a um patamar, ao patamar mediático", acrescentou.
Protagonista da comunicação intitulada sobre "Um testemunho para o futuro", Benquerença deixou vários conselhos aos jovens, entre os 14 e os 18 anos, entre os quais a resistência mental ao stress.
"Só os fortes sobrevivem, porque se nós não fôssemos fortes, trucidavam-nos com toda a facilidade. Se não fossemos capazes de aguentar, fazíamos o que faz o comum dos mortais que era virarmo-nos e desatarmos à bofetada. Temos de ter a capacidade e a força de espírito para resistir", sublinhou.
Benquerença avisou ainda os "aprendizes" que este stress "começa com a nomeação e acaba após o jogo, desde que corra normalmente, porque se não correr nunca mais acaba, há jogos que se perpetuam".
"Esta capacidade só está ao alcance de meia dúzia de predestinados, porque 90 por cento de quem nos critica se algum dia lhe pusessem um apito na boca borravam-se todos, a começar por um senhor que eu não digo o nome, mas tem o cabelo encaracolado", explicou.
Na fase de perguntas da assistência, dois árbitros jovens questionaram o árbitro sobre a sua maneira de encarar as "últimas duas semanas".
"Tenho duas opções. Uma é ouvi-los, fazer-lhes a vontade e pensar que sou o pior árbitro do Mundo, a outra é não olhar para a árvore e olhar para a floresta", referiu o árbitro leiriense, assegurando que ter apitado no Mundial'2010 foi a concretização de um sonho.
Já o presidente da APAF assumiu "um certo desconforto no seio dos árbitros", devido à avaliação feita pelo presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, Vítor Pereira, por serem desconhecidos previamente os "timings" desta intervenção.
"Era preferível que tivesse sido definido no início da época, antes da competição, a forma de comunicação da CA com a opinião pública e os clubes em si. Se isso tivesse acontecido, hoje era pacífico. Não sendo assim, dá origem a comentário que não são bons e criam instabilidade no setor e alguma perturbação nos próprios árbitros", vincou.
Também em Rio Maior, Vítor Pereira, questionado pela Agência Lusa, escusou-se a abordar outro assunto que não o encontro de árbitros jovens.
Fonte: Record - Texto escrito em Portugal - publicado por RefereeTip
Em tempo: Concordo em gênero, número e grau com o árbitro Olegário Benquerença (Fifa-Portugal), que participou da última Copa do Mundo na África do Sul, de que o árbitro de futebol é um predestinado e a maioria das pessoas que criticam a arbitragem são desconhecedores das Regras do Jogo e se lhes for dado um apito para apitar uma simples pelada não sabem sequer utilizá-lo. Principalmente aqueles ligados a imprensa esportiva, com raríssimas exceções. Aliás, aqui no Brasil, os formadores de opinião nunca emitem um juízo adequado sobre o desempenho do árbitro e seus assistentes. A maioria usa a expressão (eu acho que estava impedido, eu acho que não foi pênalti, eu acho que foi pênalti....enfim, é uma sequencia interminável de achismos.......)
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Regulamento mais velho do que a mulher russa

A Federação Paranaense de Futebol, depois dos fracassos retumbantes técnicos e financeiros registrados nos dois últimos Campeonatos Paranaenses por dolorosa falha no regulamento, anuncia uma "nova fórmula" como se tivesse descoberto quem nasceu primeiro, o ovo ou galinha. Coisa mais velha do que a mulher russa que tem 130 anos de idade. A grande verdade do futebol paranaense dos tempos atuais é que vive-se no regime da regressão, visto que é visível a carência de quem tenha talento para monitorar as coisas da bola na Casa Gêneris Calvo. A jornada anunciada com tanta vibração, era das preferidas do saudoso e inesquecivel presidente José Milani e que, de outro lado, nenhum dos demais presidentes afora o atual a engajou por nada ter de alegre, muito pelo contrário só tem tristeza. Não seria difícil entender, como assim entendem Portugal, Inglaterra, Espanha, Brasil e outros, que o único campeonato que pode dar certo é o de pontos corridos, visto que este critério não admite equipe tecnicamente pobre e é uma advertência séria aos cartolas que o dirigem, mensagem essa que se faz hoje para os dois clubes de Goiás e especialmente para o Clube Atlético Mineiro, que juntamente com o Prudente parece que estão degolados.
O futebol paranaense é o modelo adequado para que se tenha na medida de sua disputa a dos pontos corridos porque isso, fatalmente, vai levar à consciência dos dirigentes de Maringá, Londrina, Cascavel, Ponta Grossa, e outros que se acautelem e façam as platéias futebolísticas dos seus centros vibrar. De consequencia, a alegria de hoje dos modestos cartolas da FPF está fadada a ser a tristeza de amanhã. Isso é a pura verdade.
PS: Acrescente-se ao baixíssimo nível técnico e financeiro dos dois últimos campeonatos promovidos pela (FPF) - a decadente qualidade da arbitragem paranaense, que pelo sexto ano consecutivo não conseguiu revelar nenhum árbitro de talento. Tanto é verdade, que o futebol do Paraná pela absoluta ausência de um projeto de formação de árbitros, não indicou nenhum árbitro para concorrer ao cargo de Aspirante/Fifa no último dia 29 de junho passado, e no atual Brasileirão, a exemplo dos anos anteriores sobrevive de Evandro Rogério Romam e Héber Roberto Lopes. Os demais apitos aparecem esporadicamente nas Séries B e C.
Fonte: Setor de estatísticas de arbitragem da CBF.
apitodobicudo.blogspot.com
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Dois árbitros nigerianos faleceram a realizar os testes físicos


Dois árbitros nigerianos morreram durante um exercício de resistência física, denominado "Teste Cooper", quarta-feira em Abuja, a capital federal do país, noticiou a imprensa local.
Trata-se de Oyetola Adekunle, árbitro da Liga Nacional de Futebol, e de Mathew Faloye, árbitro do campeonato da Primeira Divisão.
Ambos tinham reprovado num teste similar há três meses.
Refira-se que os árbitros nigerianos são submetidos anualmente ao Teste Cooper, que já não se aplica aos árbitros da FIFA, UEFA ou FPF, para avaliar a sua forma física.
Publicada por RefereeTip

Raio-X da arbitragem


Observando os principais lances da 24ª rodada do Brasileirão/2010, que desenvolveu-se na quarta-feira à noite, não vislumbrei nenhum equívoco de maior relevância da arbitragem, o que propiciou um comportamento linear na interpretação e aplicação das Regras do Jogo. Duas arbitragens me chamaram a atenção. Marcelo Aparecido de Souza (SP) no São Paulo 2 x 1 Guarani e Andre Luiz de Freitas Castro (GO) no Atlético/PR 1 x 0 Internacional. Ambos demonstraram com suas atuações, que não basta o árbitro estar bem preparado fisicamente e ser exímio conhecedor das leis do jogo. O árbitro tem que ter a capacidade de fazer a leitura da partida para saber o desenvolvimento das jogadas. Na prática, significa observar o seu fluir, o que possibilita ao árbitro posicionar-se no lugar certo e no momento certo, a fim de que tome as decisões de forma correta. Destaque para o pênalti indiscutível marcado contra o São Paulo aos 47' da primeira fase, pelo árbitro Marcelo Aparecido de Souza, que foi o primeiro árbitro neste Brasileirão a punir o agarra-agarra dentro da área penal. Resta saber, se terá o apoio da Comissão Nacional de Árbitros para prosseguir punindo esta pouco vergonha que se institucionalizou no Brasileirão/2010.
Em tempo: Evandro Rogério Romam (Foto/Fifa-PR), submetido ao teste físico na manhã de hoje, na pista de atletismo do Clube São José em São Caetano do Sul (SP), foi aprovado nos seis tiros de 40 metros e nos 20 tiros de 150 metros com ótima performance. O árbitro Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP), que não havia feito o teste em Florianópolis (SC), em função de ter reprovado no teste físico em Assunção (Paraguai) há quinze dias atrás, também foi aprovado. Infelizmente, Leonardo Gaciba da Silva (RS), mais uma vez não conseguiu atingir os índices estabelecidos pela Fifa e mais uma vez reprovou e, por extensão, está fora das escalas do Brasileirão/2010. Na primeira quinzena de outubro haverá um novo teste da CBF em Curitiba e os reprovados terão a derradeira oportunidade.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Federação inglesa multa Wenger por protestar com um árbitro


Suspensão de um jogo e uma multa de cerca de 9.500 euros, é o preço a pagar pelo treinador do Arsenal.


De Inglaterra chega o exemplo, a Federação Inglesa de Futebol decidiu punir o treinador do Arsenal, Arséne Wenger, com uma suspensão de um jogo e uma multa de oito mil libras (cerca de 9.500 euros), devido à forma exaltada como se dirigiu ao árbitro Phil Dowd no final do jogo frente ao Sunderland, no sábado passado, que terminou empatado 1-1.

Wenger protestava contra o facto de o árbitro ter permitido cinco minutos de compensação, depois do quarto árbitro ter levantado a placa com apenas quatro minutos, o que acabou por permitir que o Sunderland fizesse o golo da igualdade, por Darren Bent.

Fonte: Renascença
Publicada por RefereeTip

Árbitros mal posicionados

A diagonal do árbitro surgiu em 1891, por ocasião da emenda as Regras do Jogo. A idéia básica consiste no fato de que o árbitro e os assistentes por meio da diagonal, são capazes de observar os lances da partida (impedimento, bola em jogo, oportunidades de gol, disputas de bola, etc..) de diferentes ângulos com uma visão múltipla e periférica.
Isso diminui substancialmente a ocorrência de erros, equívocos, e interpretação correta dos denominados pontos cegos, uma vez que o árbitro estará mais próximo do lance de frente para os assistentes, que, por sua vez, serão os olhos do árbitro no caso de infrações e incidentes mais próximos às suas laterais e ocorridos fora do campo visual do apitador central.
Em lances desta natureza, ou seja, na diagonal dos assistentes, o árbitro aceita a informação do bandeira, que possui uma melhor posição e visualização da jogada. É bom lembrar que o assistente, é peça informativa e tem a função de indicar essas ocorrências e outras descritas na Regra (VI), sempre sem prejuízo do que decida o árbitro.
Logo, o assistente deixará de indicar se percebe que o árbitro não aceitou essa indicação. Daí a importância fundamental de o quarteto de arbitragem traçar uma estratégia sobre determinados procedimentos antes do início das partidas, com a finalidade de evitar eventuais embaraços e equívocos no transcorrer dos jogos.
Tenho observado em vários prélios da Série (A) e Série (B) do Brasileirão/2010, que, vários árbitros não estão realizando a diagonal e, com isso, além de sofrerem restrições nas suas marcações, estão causando prejuízos às equipes, porque deixam de assinalar infrações como o agarrra-agarra dentro da área penal, que se tornou uma vergonha no futebol brasileiro e outros tipos de infrações que são cometidos pelos atletas e não observados em função do mal posicionamento. A Fifa determina que o árbitro não deve se tornar um escravo da diagonal, mas quando exigido, deve mudar de posição durante a partida, e posteriormente, deve retornar à ela.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Última chance

Nesta quinta-feira acontece o derradeiro teste físico para os árbitros e assistentes da Fifa
VALDIR BICUDO

Nesta quinta-feira, dia 23 de setembro, na pista de atletismo do Clube São José em São Caetano Sul/SP, acontece o derradeiro teste físico para os árbitros e assistentes da Fifa que foram reprovados há quinze dias no Rio de Janeiro. Nomes de expressão como Evandro Rogério Romam/PR e Wilson Luis Seneme/SP – este último nem fez o teste –, e outros reprovados no teste anterior, se não atingirem os índices exigidos pela Fifa perdem o escudo da entidade que controla o futebol no planeta.
O teste físico aplicado pela Comissão Nacional de Arbitragem da CBF obedece os padrões internacionais utilizados pela Fifa aos seus árbitros. A saber: seis tiros de 40 metros em 6,2 segundos, com 40 segundos de recuperação para o árbitro entre um tiro e o outro. Seis tiros de 40 metros para o árbitro assistente em 6,0 segundos, com 35 segundos de recuperação entre um tiro e o sequencial. Pensa que terminou? Nada disso. Vinte tiros de 150 metros em 30 segundos, com 35 segundos de recuperação entre um tiro e outro para o árbitro. Vinte tiros de 150 metros em 30 segundos, com 40 segundos de recuperação entre um tiro e outro para o árbitro assistente.
O que se deduz do exposto acima, é que o árbitro de futebol do século XXI, sem uma rotina diária de exercícios de excelência, não terá condições de executar o teste de maneira eficaz. Porque além de reprovar, enfrentará a chacota e uma sequencia de estiramentos musculares, principalmente de isquiotibiais (posteriores da coxa), adutores, gastrocnêmio (panturrilha) e quadríceps, além das contraturas e entorses ligamentares.
PS: De todo o escrito, no momento em que a imprensa esportiva, os clubes e o torcedor demonstram preocupação com a sequencia de tomadas de decisões equivocadas no campo de jogo pela arbitragem, eis que um grupo de árbitros da CBF de alto coturno acentua esta preocupação, já que irão “guerrear” para escapar da guilhotina e assim evitar perder o que mais aspira o árbitro, o escudo da Fifa.
Mas não é difícil entender o que está acontecendo. Falta investimento no homem que se veste de preto; faltam pessoas com capacitação para realizar testes vocacionais no indivíduo que aspira ser árbitro. Não existe mais árbitro por vocação, só por dinheiro. Falta a CBF investir um percentual das estratosféricas verbas de publicidade que a entidade arrecada, na Escola Brasileira de Futebol, que tem por objetivo melhorar o nível da arbitragem. Falta o ponto eletrônico no quarteto de arbitragem para melhorar a comunicação no campo de jogo. Neste quesito, a CBF, dos grandes centros do futebol mundial, é a única entidade que ainda não adquiriu este equipamento. Falta a bandeira eletrônica com (Bip) para um grupo expressivo de assistentes. Enfim, falta tudo.
Fonte Justiça Desportiva
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Profissionalização dos árbitros à espera de enquadramento legal



Vitor Pereira (Presidente da Comissão de Árbitros de Portugal)

"A profissionalização dos árbitros está apenas à espera do enquadramento legal por parte do governo para que a promessa da Liga Portuguesa de Futebol Profissional seja cumprida e daí resulte uma completa transformação no secto".

“O projeto piloto concluiu-se. Fizemo-lo. Uma entidade independente já entregou um relatório à direção da Liga. Estamos a criar condições em termos legais e regulamentares para uma carreira sustentada e com garantias relativamente às pessoas que vão aderir ao projeto”, revelou Vítor Pereira.

O presidente da Comissão de Arbitragem (CA) esclareceu que o próximo passo não depende da Liga: “(O projeto será uma realidade) Assim que haja condições e a tutela ofereça um enquadramento legal em que haja condições para um projeto que será, indiscutivelmente, de mudança de paradigma e um alavancar da qualidade que é necessária para o futebol profissional”.

Ainda sobre a arbitragem, Vítor Pereira garantiu que ele e a sua equipa da CA estão “imunes a pressões”, lembrando a grande experiência do trio que a lidera, composto ainda por Domingos Gomes e António Silva.

“Juntos, temos 90 anos de arbitragem. Não sou de modo algum pressionável. Nem pelo que se diz de mim, nem recados para eu ler ou ouvir. É inócuo esse tipo de tentativas. Temos o nosso rumo, caminho, objetivos e a nossa vida como passaporte. Temos confiança nas pessoas, sabemos o que trabalharam para estar ao mais alto nível. Eles também sabem que podem confiar na CA, que não é suscetível de enviesamento de comportamentos e posturas”, vincou.

Aos que questionam o seu trabalho e seriedade, deixou três frases: “O futebol é o meu mundo. A arbitragem a minha vida. Sou um dirigente responsável”.

Vítor Pereira revelou ainda as preocupações que lhe foram transmitidas pelos treinadores de futebol antes do inicio da época, nomeadamente “os livres próximos da área, os pedidos de cartões para adversários, simulações, firmeza nas confrontações e reclamações, reforço no combate ao jogo violento e contributo para o aumento do tempo útil de jogo”.

Para este mandato de quatro anos, que termina em 2014, a CA aposta em “aumentar a qualidade do futebol, dar passos rumo ao profissionalismo, investir na formação e no treino e continuar o relacionamento respeitoso, construtivo com os clubes e demais agentes do jogo”.

“Parceria com todos os agentes desportivos, visar a excelência competitiva, fomentar um clima de paixão de transparência entre todos os parceiros e assumir um compromisso social com escolas e árbitros jovens” são alguns dos “valores” defendidos por Vítor Pereira.

Para o trabalho no terreno, a CA conta com 25 árbitros, 52 árbitros assistentes, 30 observadores, todos apoiados por um gabinete de aperfeiçoamento técnico e oito centros de treino espalhados pelo país.

Por Redação com Lusa
Publicada por RefereeTip - Texto escrito em Portugal

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Cai o número de cartões vermelhos no returno do Brasileirão


Raphael Petersen - Justiça Desportiva

A 23ª rodada do Campeonato Brasileiro foi a que contabilizou menos expulsões no segundo turno. Nas três primeiras rodadas do returno, os árbitros mostraram três vezes o cartão vermelho por rodada, e na última, apenas um jogador foi para o vestiário mais cedo. A quarta rodada do returno somou ainda 49 amarelos em dois jogos, incluindo os clássicos paulista e carioca.

O zagueiro Anderson Martins, do Vitória, foi o único contemplado com o cartão vermelho, o que não criou muitos problemas para o Rubro-negro baiano, já que o time venceu o Atlético/MG, fora de casa, por 3 a 2.
Apesar da expulsão não ter prejudicado o Vitória, Anderson Martins irá acumular mais problemas com a Justiça Desportiva. O zagueiro tem atuado sob efeito suspensivo e espera o julgamento no Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O jogador foi suspenso em 30 dias pela expulsão contra o Cruzeiro.
Na 23ª rodada, o jogo com maior número de cartões foi o clássico entre Palmeiras e São Paulo. O Verdão teve o técnico Felipão expulso e ainda perdeu os meias Valdívia e Tinga, por suspensão, para a próxima rodada. O Tricolor aumentou a lista de pendurados com os advertidos Richarlyson, Miranda e Jorge Wagner.
A rodada marcou o retorno do Corinthians a liderança do Campeonato Brasileiro, após 11 rodadas atrás do Fluminense. O Timão tem 44 pontos contra 42 do Tricolor. O Cruzeiro aparece em terceiro com 41 e Inter e Botafogo estão empatados em quarto, com 38. Na zona de rebaixamento, nenhuma alteração: Atlético/MG, Goiás, Atlético/GO e Grêmio Prudente.

Para um grande espetáculo um árbitro espetacular

A Comissão Nacional de Arbitragem da CBF designou, nesta segunda-feira, o árbitro de Atlético/PR x Internacional, que será realizado quarta-feira na Arena da Baixada: Andre Luiz de Freitas Castro/GO/ASP/FIFA. O indigitado árbitro é ao lado de Sandro Meira Ricci/DF/ASP/FIFA o que de melhor existe na atualidade em termos de apito no Brasil. Espera-se que o árbitro Andre de Castro puna esta pouca vergonha que se institucionalizou no futebol brasileiro, o “agarra-agara” dentro da área penal.

Se agarrar um adversário fora da área de pênalti é tiro livre direto e os árbitros marcam, porque dentro da área os árbitros não apitam a falta máxima do jogo? Nenhum árbitro da Fifa teve até a rodada do final de semana que passou, o destemor de marcar penal neste tipo de lance. É um descalabro, um disparate.

Nas págs. 91/92 do livro Regras do Jogo da Fifa está escrito: O fato de segurar um adversário também inclui o ato de estender os braços para evitar que o adversário avance ou drible o infrator, utilizando as mãos, os braços ou o corpo. Recorda-se aos árbitros que deverão atuar preventivamente e com firmeza em relação à infração de segurar o adversário, especialmente dentro da área penal, nos tiros de canto e tiros livres. Por que os árbitros não punem este tipo de infração? Incompetência, medo de não estar inserido no próximo sorteio ou os árbitros não conseguem interpretar e aplicar corretamente o que estão lendo?
Em tempo: O Observador de Arbitragem designado pela CBF na partida Atlético/PR x Internacional na quarta-feira, Leonides Dreveck, nunca apitou sequer pelada de menino de final de rua. De consequência, quando a CBF ou a própria Fifa inseriram na legislação esportiva o Observador de Árbitros, fizeram-no objetivo de ter tanto na direção da entidade como o Tribunal de Justiça Desportiva elementos mais seguros pra julgamento do desempenho do árbitro.

É mais do que natural que a missão do observador é de relevância, podendo-se até afirmar, que só especialistas pudessem atuar nesse ofício. Mas a pessoa indicada para este jogo, na condição de observador ou olheiro, que se saiba nunca apitou e nem mesmo bandeirou uma pelada.

Este é o perigo que corre a CBF e, por conseguinte, a arbitragem brasileira ao aceitar que pessoas que nunca desenvolveram a atividade de árbitro de futebol, sejam escaladas para a difícil missão e, de consequência, "recebam" o respectivo honorário pela função cumprida embora nunca a tenha exercido.

No momento faz-se uma advertência: O correto seria a CBF manifestar-se às Federações Estaduais, no sentido de convocar ex-árbitros para o cumprimento desta tarefa, porque, se persistir esse descalabro, a qualidade das avaliações continuará sofrendo prejuízos e dificilmente as avaliações atingirão o seu objetivo.

ESCALA
ESTÁDIO: ARENA DA BAIXADA/CURITIBA
ATLÉTICO/PR x INTERNACIONAL/RS
ANDRE LUIZ DE FREITAS CASTRO/GO(ASP.)
CRISTHIAN PASSOS SORENCE/GO
GUILHERME DIAS CAMILO/MG
4o ÁRBITRO
FÁBIO FILIPUS/PR
OBSERVADOR:
LEONIDES DREVECK/PR
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Ducci, Pessuti e Atlético/PR assinam convênio para a Copa na Arena


Luciano Ducci e Orlando Pessuti mostram a logomarca de Curitiba para a Copa 2014, durante a cerimônia de assinatura do convênio com o Atlético Paranaense para a formalização da viabilidade financeira para as obras na Arena da Baixada, dentro das exigências do caderno de encargos da FIFA para a Copa 2014.
Parte dos investimentos será de responsabilidade do Atlético Paranaense e o restante será captado junto à iniciativa privada, por meio de incentivo construtivo municipal. O Governo do Estado repassará recursos à Prefeitura de Curitiba, para investimento em obras na cidade. “Dessa forma, não haverá recursos públicos aplicados no projeto do estádio”, afirmou Luciano Ducci.
O prefeito também assinou mensagem que será enviada à Câmara Municipal propondo projeto de lei para o uso de potencial construtivo em projetos específicos de programas de incentivo ao esporte.
A logomarca de Curitiba foi produzida pela FIFA e é padrão para todas as 12 cidades-sedes, com mudança apenas no nome da cidade.

Fonte: Blog do Fabio Campana

Héber depende de si


A exemplo do atleta de futebol profissional, o árbitro também é homem da arte e nunca científico, isso dado o próprio nível dessa como das demais categorias esportivas praticadas no mundo. Apesar dessas cricunstâncias, sempre um esportista cresce em relação aos demais para ser pontuado com nota elevada e, sempre, direcionado para um futuro mais brilhante. Neste panorama coloca-se Héber Roberto Lopes (Fifa-PR), que tem tudo para marcar seu nome historicamente no futebol internacional, principalmente na Copa de 2014 que será realizada no Brasil.
Héber Lopes, cresceu vertiginosamente nos últimos tempos e agora está descendo pico abaixo. Ninguém sabe o que está acontecendo com ele tanto em termos técnicos como em desgaste físico. Nas suas partidas mais recentes vem se consumando equívocos primários incompatíveis com quem até dias atrás foi elevado no prumo como o melhor apito do futebol brasileiro.
Antes da paralisação do Brasileirão/2010, marcou penal inexistente contra o Internacional em São Januário. Agora, ainda, no sábado, no choque Botafogo 2 x 2 Cruzeiro, no Rio de Janeiro, Héber Roberto Lopes assinalou um pênalti virtual, pois, inexistente. O atleta do Botafogo se projeta e cava a penalidade máxima. Isso nunca aconteceu com quem tem o manejo de um raciocínio rápido acompanhado de um preparo físico, que lembra os mais brilhantes desportistas do mundo neste aspecto.
O indigitado apitador não pode e não deve se esquecer que está no foco dos homens da Fifa para 2014 - (foi pré-selecionado para a Copa do Mundo no Brasil), e de outro lado é admirado pelos maiores cartolas do futebol brasileiro.
Tomara que não seja esta a decadência de Héber Lopes, para se constituir numa fase rebelde transitória. Ou daqui para frente, se regenera técnica e fisicamente ou estará chegando ao seu crepúsculo.
É bom lembrar a Héber Roberto Lopes, que para alcançar o seu objetivo em 2014, depende de si próprio, porque hoje os cartolas do futebol paranaense em nada vão auxiliá-lo por serem praticamente desconhecidos no cenário nacional. Tivesse na atualidade o futebol do Paraná homens da grandeza de José Milani, Haroldo Alberge, Luiz Gonzaga da Mota Ribeiro, Rubens Maranho e outros, fatalmente sua carreira teria um alavancamento extraordinário, mas da forma como está, depende de si próprio.
Em tempo: Não obstante a inexpressiva representatividade do futebol do Paraná no âmbito nacional, acrescente-se a ausência de uma Escola de Arbitragem de excelência na Federação Paranaense de Futebol, o que se existisse daria suporte teórico, técnico, físico, psicológico, disciplinar ao nominado árbitro.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Entrevista: Sandro Ricci

Leandro Dutra - Justiça Desportiva
Apontado como a principal revelação da arbitragem brasileira nos últimos anos, o brasiliense Sandro Meira Ricci, mineiro de Poços de Caldas de nascimento, surpreende ao dizer que representar o país na Copa do Mundo de 2014 é um sonho distante. O árbitro, de 35 anos, diz que a prioridade é entrar no quadro da Fifa, onde é um dos aspirantes. Nesta entrevista exclusiva, Meira Ricci também reverencia Carlos Eugênio Simon e fala do uso de tecnologia para auxiliar a arbitragem.
JD - Por que quis ser árbitro? Foi um jogador frustrado na juventude?
Sandro Meira - "Na verdade nem consegui ser nem jogador, apenas joguei minhas peladas. Como sou um apaixonado pelo futebol, a arbitragem foi a maneira que encontrei de estar envolvido profissionalmente com o esporte".
JD - Todo o árbitro tem uma profissão paralela. Qual é a sua?
Sandro Meira - "Sou servidor público federal, da carreira de analista de comércio exterior. Hoje exerço o cargo de ouvidor do Ministério de Desenvolvimento de Industria e Comércio do Exterior".
JD - Você está no melhor de sua forma física e técnica?
Sandro Meira - "Acredito que sim. O árbitro tem sempre que estar no melhor de sua forma e acredito que isto está acontecendo comigo e com muitos outros árbitros também".
JD - É um sonho integrar o quadro de árbitros da Fifa?
Sandro Meira - "Esse é o sonho de todo árbitro, quando ingressa na arbitragem. É isso que estou perseguido, mas com muita tranquilidade. Sei que o quadro é limitado, são apenas dez, mas por já pertencer ao quadro de aspirantes, obviamente que a pretensão é pertencer ao quadro da Fifa. É para isso que estou trabalhando, com bastante seriedade"
JD - Pela sua profissão, deve falar outros idiomas. Acredita que isto pode ser o ponto positivo para integrar o quadro da Fifa?
Sandro Meira - "Isto é sim uma prerrogativa para ingressar ao quadro internacional é que você possa se comunicar em outros idiomas, de preferência o inglês e espanhol. Tive a sorte de poder ser educado em outros idiomas, meus pais puderam me oferecer isso e hoje falo inglês, espanhol e italiano".
JD - Quem é o árbitro modelo para você?
Sandro Meira - "O Simon é uma referencia para todos os árbitros do Brasil. Uma pessoa que trabalhou em três Copas do Mundo não consegue isso de graça, mas sim se conquista com muito esforço. Não posso citá-lo como único modelo, pois todos os árbitros que pertencem ao quadro da Fifa têm suas qualidades, suas valências e a gente procurar nesse mosaico da arbitragem pegar um pouco da qualidade de cada árbitro. Mas acredito que o Simon, por toda sua história, é uma referência no país".
JD - A Copa 14 no Brasil é um sonho próximo ou distante?
Sandro Meira - "É um sonho distante. A arbitragem para uma Copa do Mundo não é selecionada do dia para noite. Essa seleção é feita com bastante maturidade, normalmente com quatro anos de antecedência. Hoje há árbitros na Fifa bem qualificados, que estão prestando serviço há mais tempo e que obviamente tem essa preferência por méritos. Meu sonho no momento é pertencer ao quadro da Fifa, dá o primeiro passo para aí sim poder pensar em participar de competições internacionais e quem sabe no futuro ter essa oportunidade numa Copa do Mundo".
JD - Hoje está mais difícil apitar hoje com tantas câmeras espalhadas nos estádios?
Sandro Meira - "Acredito que seja mais fácil, pois a televisão é uma aliada. Hoje, os treinamentos são mais intensificados, tanto na parte física, quanto na técnica. E na medida que se aprimora, você torce para aquilo que é interpretado no campo, reflita a realidade. Desta maneira, a câmera é uma aliada nesse sentido. Muitas vezes o árbitro é questionado, mesmo tendo razão. Mas somente com a câmera, consegue provar perante o publico, embora não seja necessário para o árbitro, que você que está certo".
JD - O que então a TV te ajudou a corrigir?
Sandro Meira - "Hoje, todos meus jogos são gravados por um técnico especializado. Ele grava os melhores momentos da arbitragem, recebo o material em casa e assim posso avaliar as deficiências naquela partida para não se repetir. A TV, por meio de vários ângulos, consegue mostrar o motivo pelo qual o árbitro tomou determinada atitude ou teve determinada interpretação. Assim, com as filmagens, a gente entende o porquê de ter errado".
JD - Então, você é a favor do uso de imagens para auxiliar os árbitros durante uma partida?
Sandro Meira - "Quando se discute tecnologia no país, a gente costuma vincular a tecnologia na arbitragem ao uso de imagem. Sou contra o uso de imagens durante as partidas, sou a favor sim do uso da tecnologia. O chip na bola é uma tecnologia que poderia ser implementada, mais avaliada a fundo, porque envolve 100% de certeza. Sou a favor de toda tecnologia, que envolva 100% de certeza, que permita o árbitro tomar uma decisão baseado no uso dessa tecnologia, que lhe garanta 100% de precisão e isso não é possível pela imagem. As vezes a gente vê um lance que é reprisado várias vezes e não chegamos a um conhecimento. Hoje a gente já usa o comunicador, bandeira eletrônica e isso vem ajudando o árbitro".
JD - O que achou da atitude da Fifa de autorizar o estudo com árbitros atrás dos gols?
Sandro Meira - "Foi fantástico. A Fifa entende que o componente humano da arbitragem deve ser preservado. Por isso antes de investir em recursos de tecnologia, ela prioriza o ser humano, que é o árbitro de futebol. Ao incluir esses dois árbitros atrás das metas, ela demonstra que prefere investir no ser humano. É assim que se consegue melhorar a arbitragem. Acho que esse é o primeiro passo que a Fifa está dando para reduzir os erros dos árbitros".

Homenagem à Simon

Integrantes da Confraria Sauna Porto Alegre entregaram uma placa em homenagem ao árbitro Carlos Simon, ex-presidente do SAFERGS, por conta de sua participação em três Copas do Mundo.


O evento, que se deu na última quinta-feira, no galpão da Transportes Coletivos Trevo no Acampamento Farroupilha 2010, Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, foi prestigiado por empresários de diferentes setores da economia gaúcha, músicos, pajadores, declamadores, cantores, poetas, gaiteiros e escritores manifestaram apego à Carlos Simon. "Para onde ele vai, leva junto o Rio Grande no peito e as tradições gaúchas no coração", declamou o poeta Romero. Churrasco, carreteiro e feijão mexido, mais a música do grupo Rancheiros e a gaita do Gaúcho Fontana animaram os festejos dedicados ao melhor árbitro de futebol do Brasil.
Fonte: Safergs

Opinião - Imaginação e Visualização Mental


Começou o jogo… apito inicial. O árbitro assume o seu papel, nada existe além do cenário do jogo. A atenção no nível mais elevado, o controle do stress e da ansiedade já foi antecipado e, agora, em perfeito domínio, a tomada de decisões é feita com rapidez, nível ótimo de concentração, o discurso flúi, voz controlada, gestos objetivos e expressão facial calma e confiante, posicionamento em campo conforme as técnicas aprendidas, gerindo o esforço e as mudanças de velocidade, sempre em contato visual com os árbitros assistentes (ora um, ora outro) …

O rigor técnico, a disciplina, a boa disposição, o treino físico e das competências psicológicas faz com que o árbitro aja com consciência, com assertividade e clareza de discurso, com sinais seguros, harmoniosos e bonitos.
Como chegar a esse nível ótimo de atenção? Clara e naturalmente que um árbitro em início de carreira tem algumas preocupações enquanto está a arbitrar um jogo, com o tempo (experiência) e com treinos específicos, que requerem muito empenho, consegue deixar de pensar demasiadamente e automatizar comportamentos importantes na sua atuação. Além da interacção com os diversos intervenientes no jogo, o árbitro, no decorrer da partida, preocupa-se com a sua colocação em campo, de acordo com as diretivas transmitidas pelos formadores de árbitros no início de cada época, tenta transmitir uma boa imagem postural, sinalética harmoniosa e adequada, nunca estar de costas para os árbitros assistentes, não perder a bola de vista quando controla uma barreira, estar sempre muito atento à equipe que vai repor a bola em jogo (utilizando algumas técnicas, por exemplo, fechando uma das mãos dependendo da equipe e para que lado é que uma delas está a atacar), isolar os jogadores quando é necessário mostrar um cartão, entre outras preocupações relativas à aplicação técnica das leis.

Um árbitro com alguma experiência já não despende tantas energias nestas atividades porque interiorizou e treinou estas competências. O que fazer para as treinar quando os treinos, na maioria dos casos, acontecem em plena competição? Através da utilização de imagens e da visualização mental. Através desta técnica obtêm-se resultados rápidos e eficazes. Aprende-se, de fato, a controlar a atividade cognitiva e a facilitar a atuação, como se as imagens mentais de situações fossem realmente vivenciadas. São-no, na mente, mas quando um árbitro está num jogo e se fez esse treino, rapidamente vê resultados. É uma técnica que facilita qualitativamente a sua atuação. Se fizer esse treino sistematicamente, como por exemplo na véspera do jogo antes de adormecer, certamente que no jogo não pensará tanto, estará mais confiante e controlará melhor o stress e a ansiedade.

Fonte: Maria João Freire - APAF - (Assoicação Portuguesa de Árbitros de Futebol)
Publicada por RefereeTip

domingo, 19 de setembro de 2010

Raio-X da arbitragem



Coritiba 2 x 0 Portuguesa, foi um belo jogo, com o Couto Pereira totalmente alviverde (mais de 35.000 pessoas), mas se o jogo foi bom e o retorno do Coritiba melhor ainda, a arbitragem de José de Caldas Souza/DF, foi o destaque negativo da partida. O indigitado árbitro cometeu vários equívocos de posicionamento com a bola em jogo, o que lhe impediu de visualizar vários confrontos individuais de jogadores na área penal, entre eles o vergonhoso agarra-agarra, que foi incorporado definitivamente pelos árbitros da Fifa e demais membros do quadro nacional nas competições da CBF. Não obstante o exposto, o árbitro José de Caldas Souza, permitiu que o atleta Enrico do Coritiba utilizasse de força excessiva contra seu adversário (o atleta do Coritiba pisou no tornozelo esquerdo do meia da Portuguesa, Ademir Sopa aos 29' da etapa final), o que significa que o jogador faltoso excedeu na força empregada, correndo o risco de lesionar seu adversário. O lance aqui nominado denomina-se conduta violenta. Um jogador será culpado de conduta violenta se empregar força excessiva contra um adversário e a pena é cartão vermelho, diz a Fifa. O árbitro, sequer exibiu o cartão amarelo para o infrator. É bom lembar, que diante da gravidade do lance o jogador da lusa do Canindé ficou impossibilitadoo de continuar a partida e foi substituído imediatamente. Atuação ruim em jogo de pouca dificuldade.

Em tempo: Resta saber, o que irá relatar o Observador de Arbitragem Gerson Baluta, que é ex-árbitro da Federação Paranaense de Futebol e Instrutor de Arbitragem, designado pela Comissão Nacional de Árbitros da CBF, sobre o desempenho fraquíssimo do senhor José de Caldas Souza. Faço este alerta, porque é função precípua do Observador de Arbitragem, realizar uma avaliação imparcial e destinada a verificar o resultado da atuação do árbitro, dos assistentes e do quarto árbitro no exercício das suas funções.

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

sábado, 18 de setembro de 2010

Distribuição das receitas da Champions League


Os 32 clubes participantes na fase de grupos vão receber um bônus de participação, por jogo e desempenho - ©UEFA

As equipes que participam na fase de grupos da Uefa Champions League nesta temporada podem receber uma verba mínima de 7,2 milhões de euros, segundo o sistema de redistribuição de verbas para 2010/11.
Cada um dos 32 clubes que participam na fase de grupos da Uefa Champions League, cujo início aconteceu na última terça-feira, irá receber um bônus de participação de 3,9 milhões de euros, mais 550 mil euros por cada jogo disputado. Além disso, há o bônus por desempenho: 800 mil euros por cada vitória e 400 mil euros por cada empate na fase de grupos.
Existem verbas adicionais para as equipes apuradas para as fases seguintes: três milhões de euros para as oitavas-de-final, 3,3 milhões de euros para as quartas-de-final e 4,2 milhões de euros para as semifinais. O vencedor da final, que será realizado no Estádio de Wembley, na Inglaterra, no dia 28 de Maio/2010, recebe mais nove milhões de euros, enquanto o finalista vencido terá direito a 5,6 milhões de euros.
A título de exemplo, uma equipe que vencer os seis jogos da fase de grupos amealha 15 milhões de euros – ou seja, 12 milhões pelo desempenho na fase de grupos e mais três pelo apuramento para as oitavas-de-final.
Além disso, os clubes participantes vão ter direito a uma percentagem resultante dos direitos televisivos, cuja avaliação é feita com base no valor comercial dos respectivos países, no número de jogos disputados na Uefa Champions League nesta temporada e na classificação no campeonato nacional da época passada. Os clubes também ficarão com as verbas resultantes da venda de bilhetes.
Cada uma das 20 equipes que participaram no "play-off" recebeu 2,1 milhões de euros.
Fonte: Uefa

Neymar é afastado do Santos por ato de indisciplina



Presidente confirma que atacante não pega o Guarani e que situação será revista antes do clássico contra o Corinthians

Redação Justiça Desportiva
Neymar é punido pelo Santos
O presidente do Santos, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, anunciou que o atacante Neymar está afastado por tempo indeterminado do restante do elenco e que está fora do jogo contra o Guarani, no Brinco de Ouro, neste domingo.
No pronunciamento, o dirigente revelou que Neymar deverá treinar no domingo no CT Rei Pelé e seguir a programação de atividades imposta pelo clube e que a situação será reavaliada no início da próxima semana para definir se ele volta ou não ao time no duelo contrao Corinthians, na quarta-feira, na Vila Belmiro.
Antes de ler uma nota oficial, o presidente santista reafirmou que Neymar já havia sido multado e que a decisão de afastá-lo aconteceu após uma reunião com o técnico Dorival Júnior.
Leia a nota do clube:
"Em nome do Santos Futebol Clube, venho a público esclarecer os últimos episódios envolvendo o técnico Dorival Júnior e Neymar. A diretoria do clube foi procurada pelo treinador, que solicitou afastamento do Neymar por período indeterminado, pelos atos de indisciplina na partida com o Atlético-GO.
Num primeiro momento, a diretoria entendido que a sanção imposta (multa) era suficiente para que assunto fosse resolvido. Mas, a partir do encontro e de novos apelos do treinador, entendi que a situação conciliatória deveria ser tomada. O atleta por decisão unânime da diretoriae da comissão técnica está afastado num primeiro momento da partida domingo, com Guarani. Não viaja e fica no CT, treinando. O jogador treinará de acordo com a programação e terá sua situação reavaliada na segunda-feira.
Reiteramos aos atletas e aos demais membros comissão técnica a confiança no trabalho e na liderança do Dorival Júnior. Enfatizamos ainda que nenhum ato de indisciplina será tolerado.
Gostaríamos de terminar dizendo do nosso apreço pelo Neymar e que isso possa acelerar seu processo de amadurecimento. Temos confiança que ele vai superar esse momento de dificuldade. A situação desconfortável que vivemos está superada. O Santos vai à campo para ganhar do Guarani, no domingo, e do Corinthians, na quarta, e, se possível, ao final do ano ganhar o título".

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Sacanagem do século

O sofrimento (e que sofrimento) do Coritiba, está prestes a findar e isto acontece nesta sábado quando abrem-se os portões do Couto Pereira, para a sua ingente torcida num embate também importante contra a Portuguesa de Desportos/SP. Agora que o castigo já foi cumprido, resta indagar: mereceu o Alviverde do alto de tantas glórias o apenamento lhe imposto pelo STJD? Apenamento este que lhe custou mais de 2 milhões de reais de prejuízos e pelo que gastou com as suas viagens à vizinha cidade de Joinvile (SC). Apesar de angustiante, tudo deveu-se à alguns torcedores que acreditaram na impunidade e protagonizaram aquele triste espetáculo para todo o planeta. Porém, o STJD da CBF agiu de forma apropriada punindo a entidade Coritiba, pois do contrário os estádios de futebol pelo país afora se transformariam num " salão de baile" para os maus torcedores. Acredita-se agora que mesmo que o Coritiba venha a sofrer novo revés no futebol brasileiro, ninguém mais invadirá o campo ou agridirá policiais, jogadores da equipe visitante, membros da arbitragem e torcedores indefesos numa revolta que não faz sentido. O que passou, já passou. Agora, toda a torcida tem que indenizar o Coritiba comparecendo em massa aos jogos, associando-se ou ainda fazendo doações pecuniárias. Pois se a razão de uma associação de futebol é a sua torcida, uma parte da torcida do Coritiba lhe fez a sacanagem do século.
Em tempo: Minha filha é torcedora do Coritiba e me perguntou se ela deve ir ao estádio. Disse-lhe que sim, pois acredito que a direção do Coritiba e seus verdadeiros torcedores não irão mais permitir que indivíduos de má indole (as torcidas organizadas) - tenham acesso as dependências do Couto Pereira e maculem a imagem do Fita Azul, maior ganhador de títulos do Campeonato Paranaense, Campeão Brasileiro etc...


Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Definida a arbitragem da 23ª rodada da Série A

DATA: 19/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: JOÃO HAVELANGE/RIO DE JANEIRO
FLAMENGO/RJ x FLUMINENSE/RJ
ESCALA
GUTEMBERG DE PAULA FONSECA /RJ(ASP.)
DIBERT PEDROSA MOISES/RJ(FIFA)
RICARDO M F DE ALMEIDA/RJ
4o ÁRBITRO
PATHRICE WALLACE CORREA MAIA/RJ



DATA: 19/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: CASTELÃO/FORTALEZA
CEARÁ/CE x GOIÁS/GO
ESCALA
NIELSON NOGUEIRA DIAS/PE(ASP.)
ELAN VIEIRA DE SOUZA /PE
LORIVAL CANDIDO DAS FLORES /RN
4o ÁRBITRO
JOAQUIM W FLORENÇO MARTINS/CE


DATA: 19/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: RESSACADA/FLORIANÓPOLIS
AVAÍ/SC x GRÊMIO/RS
ESCALA
WILTON PEREIRA SAMPAIO/DF(ASP.)
ENIO FERREIRA DE CARVALHO/DF
MARRUBSON MELO FREITAS/DF
4o ÁRBITRO
EVANDRO TIAGO BENDER/SC



DATA: 19/09/2010 às 16:00
ESTÁDIO: PACAEMBU/SÃO PAULO
PALMEIRAS/SP x SÃO PAULO/SP
ESCALA
JOSE HENRIQUE DE CARVALHO/SP
EMERSON AUGUSTO DE CARVALHO/SP(FIFA)
MARCIO LUIZ AUGUSTO/SP
4o ÁRBITRO
FLAVIO RODRIGUES GUERRA /SP


DATA: 19/09/2010 às 16:00
ESTÁDIO: BRINCO DE OURO/CAMPINAS
GUARANI/SP x SANTOS/SP
ESCALA
LUIZ FLAVIO DE OLIVEIRA/SP(ASP.)
CARLOS AUGUSTO NOGUEIRA JUNIOR/SP
DANILO RICARDO SIMON MANIS/SP
4o ÁRBITRO
RAPHAEL CLAUS/SP



DATA: 19/09/2010 às 16:00
ESTÁDIO: ARENA DO JACARÉ/SETE LAGOAS
ATLÉTICO/MG x VITÓRIA/BA
ESCALA
CLAUDIO FRANCISCO LIMA E SILVA/SE
IVANEY ALVES DE LIMA/SE
EDMO OLIVEIRA SANTOS/SE
4o ÁRBITRO
CLEISSON VELOSO PEREIRA/MG


DATA: 19/09/2010 às 16:00
ESTÁDIO: BEIRA-RIO/PORTO ALEGRE
INTERNACIONAL/RS x VASCO/RJ
ESCALA
FRANCISCO CARLOS NASCIMENTO/AL(ASP.)
ROBERTO BRAATZ/PR(FIFA)
PEDRO JORGE SANTOS DE ARAUJO/AL
4o ÁRBITRO
RONALDO SANTOS DA SILVA /RS



DATA: 18/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: SERRA DOURADA/GOIÂNIA
ATLÉTICO/GO x ATLÉTICO/PR
ESCALA
CARLOS EUGENIO SIMON/RS(FIFA)
MARCIO EUSTAQUIO SOUSA SANTIAGO/MG(FIFA)
JOAO GOMES JACOME/AC
4o ÁRBITRO
WELLINGTON FERREIRA BRANQUINHO/GO
OBSERVADOR:
FLAVIO GILBERTO KANITZ/


DATA: 18/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: JOÃO HAVELANGE/RIO DE JANEIRO
BOTAFOGO/RJ x CRUZEIRO/MG
ESCALA
HEBER ROBERTO LOPES/PR(FIFA)
ALTEMIR HAUSMANN/RS(FIFA)
JOSE AMILTON PONTAROLO /PR
4o ÁRBITRO
WAGNER DO NASCIMENTO MAGALHAES/R



DATA: 18/09/2010 às 18:30
ESTÁDIO: PACAEMBU/SÃO PAULO
CORINTHIANS/SP x PRUDENTE/SP
ESCALA
SALVIO SPINOLA FAGUNDES FILHO/SP(FIFA)
MARCELO CARVALHO VAN GASSE/SP
VICENTE ROMANO NETO/SP
4o ÁRBITRO
RODRIGO BRAGHETTO/SP

PS: Após uma sequencia de arbitragens com diferentes critérios de interpretação e aplicação das Regras do Jogo, e com certa permissividade dos árbitros com o antijogo, na rodada do meio de semana, os árbitros brasileiros que integram o quadro da Fifa e seus demais congêneres, exibiram desempenho satisfatório em todos os quesitos, e, espera-se que daqui para frente, quando o Brasileiro/2010 entra na sua reta decisiva, a qualidade dos apitos nos jogos tenha a mesma dimensão do futebol pentacampeão do mundo. O desempenho de alguns árbitros da Fifa após a Copa do Mundo na África do Sul na questão do antijogo é simplesmente horroroso. Na série B, a situação estava ficando nebulosa. Mas, num rompante providencial, Sérgio Corrêa da Silva mudou o foco nas escalações e as arbitragens apresentaram melhoras significativas.
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

José Henrique Carvalho apita clássico de domingo no Pacaembu


Leandro Dutra - Justiça Desportiva

A Comissão de Arbitragem da CBF sorteou nesta quinta-feira, dia 16 de setembro, os trios de arbitragens, que trabalharão na rodada do final de semana no Campeonato Brasileiro, a 23ª. Para o clássico paulista, entre Palmeiras e São Paulo, domingo, dia 19, no Pacaembu, foi sorteado José Henrique Carvalho (foto).
O árbitro, da Federação Paulista de Futebol, será auxiliado pelos também paulistas, Emerson Carvalho e Márcio Augusto. Elcio Borborema será o quatro árbitro, com Nilson Monção na observação. José Henrique Carvalho venceu no sorteio Marcelo Sousa.
Palmeiras e São Paulo fazem um dos clássicos da rodada. O Alviverde vem de vitória, fora de casa, neste meio da semana, sobre o Grêmio, que fez o time subir na classificação e ocupar a décima colocação. Já o Tricolor joga nesta quinta-feira contra o Internacional, no Morumbi e uma vitória leva a equipe para oitavo.

Opinião - O árbitro vê o árbitro como adversário



Estar inserido no seio da arbitragem de futebol é conviver num mundo com particularidades e susceptibilidades que desconhecemos à partida, e com as quais nos vimos mais tarde a surpreender.
Entrar para esta família é sinónimo de ganhar experiências pessoais e crescer.
Quando, geralmente jovens, aderimos a esta causa naturalmente conhecemos algumas pessoas do meio, embora com a maior parte não tenhamos ligação pessoal, e começamos a travar amizades com os que acompanhamos nos primeiros jogos.
Os jogos sucedem-se e cada vez estamos mais integrados na função e nas relações. Passado algum tempo ouvimos algures um dos nossos, um qualquer "velho do Restelo" dizer em tom de brincadeira «o árbitro é o pior inimigo do árbitro», e de imediato discordamos totalmente. E fazemo-lo porque julgamos que a tal família é unida e coesa. Mas será que esta realidade existe, nesta ou noutra qualquer família tradicional? Creio que não.
Os árbitros correm pelos seus objectivos, querem chegar ao fim da prova e cortar a meta em primeiro. Ou chegar ao fim de semana e ter o melhor palco para actuar.
Sentimentos como a frustração pelo objectivo perdido, como o desapontamento pela nomeação não desejada ou insegurança por não saber uma classificação são normais, estão estudados e são uma realidade. São portanto aceitáveis.
Todavia outras coisas há que são completamente descabidas, por vezes existem ambições desmedidas que trazem situações menos bonitas e que por arrasto magoam os intervenientes. Nem sempre os fins justificam os meios!
Uma vez que estamos a recomeçar uma nova época, tivemos todos tempo para uma reflexão pessoal, lutemos então para unirmos o nosso sector. A esperança é sempre no amanhã, fantasiando que a presente geração de árbitros (rejuvenescida) se venha a verificar, nestes parâmetros, bem melhor que as suas antecessoras. A expectativa é sempre elevada.
Fonte: Dinis Gorjão
Publicada por RefereeTip (Texto em escrito em Portugal)

Em tempo: Opinião do Apito do Bicudo: A propósito do artigo em tela, aguarda-se que a Associação Nacional de Árbitros de Futebol (Anaf), agora com nova diretoria, numa demonstração de transparência e como forma de unir a heterodoxa confraria do apito brasileiro, procure saber e informe aos árbitros do quadro nacional, o conteúdo do contrato com as duas empresas (Penalty e Centauro), que estampam suas logomarcas no uniforme dos árbitros que atuam nas competições da CBF. A saber: Qual é o tempo da duração do contrato. Quais são os valores. Quem recebe e que destino tem o montante arrecadado e quais são os benefícios que recebem os apitos brasileiros ao fazerem propaganda das nominadas marcas. Digo isso, porque fiz esta pergunta a alguns árbitros e assistentes do quadro nacional e recebi como resposta que nunca ninguém viu a cor de um único centavo. Como pleitear o direito de imagem , a regulamentação da categoria dos árbitros e outros benefícios se eles sequer sabem porque utilizam as logomarcas acima nominadas? Aliás, os entrevistados me fizeram a seguinte pergunta: Para que serve a Anaf?
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

O árbitro foi o espetáculo

Perguntado sobre a principal personagem numa partida de futebol num seminário de arbitragem em Camboriú (SC), o Cel. Áulio Nazareno (in memoriam) respondeu: O espetáculo de qualquer jogo é o árbitro. Sem a sua presença não tem jogo e se ele fracassar o jogo vai para o beleléu. E Paulo César de Oliveira (Fifa-SP), foi o espetáculo na Arena da Baixada no Atlético/PR 2 X 1 Atlético/MG. Foram 197 ações todas com alto índice de acertos. Mostrou ótimo equilíbrio emocional, foi flexível quando a situação exigiu sem perder a autoridade, expôs extrema personalidade, interpretou e aplicou as Regras do Jogo como determina a Fifa, ou seja: cumpriu o principal espírito das Regras do Jogo, que é punir o infrator, foi objetivo, preciso, esquadrinhou o seu trabalho e de seus assistentes. Valorizou as punições com cartão amarelo só aplicando-os quando necessário e quando o diálogo e o bom senso não foram suficientes para assegurar o bom andamento da partida. Ótima atuação num jogo de extrema dificuldade. Nota da arbitragem. 9.8. Os assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e Rodrigo Pereira foram perfeitos no posicionamento e trabalho em equipe.

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

HBO vai levar vida do árbitro para a TV


A série a ser realizada terá texto assinado pelo escritor e colunista de futebol José Roberto Torero, e, possivelmente, vai tratar da vida de um árbitro que apita jogos da Libertadores.



A HBO vai produzir no Brasil uma série sobre o universo do futebol. Detalhes sobre o projeto são mantidos a sete chaves pela programadora de canais pagos, uma das mais prestigiadas e premiadas do mundo. A série a ser realizada terá texto assinado pelo santista José Roberto Torero, roteirista de quadros de Denise Fraga no Fantástico, escritor e colunista de futebol. A produção será da Prodigo Films.

Há dois anos, Torero desenvolveu um projeto de série para a HBO. Intitulado FDP, tratava da vida de um árbitro brasileiro que apita jogos da Libertadores. Selton Mello e Dan Stulbach chegaram a ser convidados para o elenco. FDP foi motivo de reuniões até o início deste ano, quando a HBO resolveu realizar uma espécie de concorrência entre vários roteiristas brasileiros de TV e cinema. Torero venceu, mas a HBO não revela se foi com um novo projeto ou com FDP mesmo.

A HBO é a programadora estrangeira que mais investe em produção no Brasil, estimulada por incentivos fiscais do governo. Dessa forma, ela já produziu Mandrake, Filhos do Carnaval e Alice. O contrato da HBO com a Prodigo pela produção da nova série só não foi assinado ainda por causa de norma da Ancine (Agência Nacional do Cinema) que exige que a produtora brasileira detenha os direitos patrimoniais da obra, ou seja, só ela poderá exportar a série.
Fonte: Daniel Castro/R7/Safergs

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Cérebro limita a visão, diz estudo

Erros dos assistentes em lances de impedimento podem ser explicados pela ciência

VALDIR BICUDO

As inúmeras falhas cometidas pelos árbitros e assistentes durante uma partida de futebol pode ser explicada através de estudos científicos. Os assistentes ganharam um forte aliado, que poderá atenuar as agressões que são dirigidas pelos espectadores contra as decisões da arbitragem, quando cometem equívocos no quesito impedimento - Regra XI.
De acordo com estudo divulgado recentemente pela Revista Science, assinado pelos pesquisadores Liqiang Huang, da Universidade de Hong Kong, Anne Treisman, da Universidade de Princeton, e Harold Pashler, da Universidade da Califórnia, todos os seres humanos possuem uma fraqueza e têm dificuldades para captar o movimento de dois ou mais objetos ao mesmo tempo, assim como mais de uma cor ou orientação espacial simultaneamente.
Em síntese, a impressão que temos de visualizar uma cena complexa por inteiro é só coisa da nossa cabeça. Segundo os pesquisadores, a visão humana funciona percebendo só uma característica por vez em cada ponto do espaço. Para cada local, só daria para perceber conscientemente uma cor (verde, por exemplo) e movimento (para a direita) por vez. No momento de processar a informação de uma cena complexa, o cérebro teria de realizar uma escolha: poderia captar, ao mesmo tempo, dois objetos e suas posições, porém não conseguiria captar com a mesma clareza as cores deles, ou a direção e velocidade de seu deslocamento.
Analisar as limitações da percepção humana não é uma novidade. Há outros estudos que mostram que, mesmo em situações bem mais simples que uma partida de futebol, a capacidade de perceber uma imagem depende muito da quantidade de imagens nas quais as pessoas estão focadas conscientemente.
O estudo dos cientistas termina afirmando que é como se o assistente conseguisse ver com certa facilidade as posições tanto do lançador quanto do atacante, mas sofresse mais para ver que a camisa deles é a mesma, e não a do time que está na defesa. O mesmo parece valer para o movimento: se dois atletas estão se mexendo, a visão fica borrada.
Os pesquisadores sugerem que, na verdade, a mente faria uma imagem composta da cena, juntando dados de instantes diferentes num quadro artificial único. Resta saber qual será a posição da Fifa com relação à pesquisa e quais serão os mecanismos que a entidade adotará para melhorar o campo visual dos árbitros e assistentes.
Fonte: Justiça Desportiva

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Uefa exibirá vídeo com assistentes adicionais


Fonte: Refereetip
Um vídeo publicitário de 30 segundos, que explica a experiência em curso com árbitros assistentes adicionais, vai ser lançado esta semana, coincidindo com o início da fase de grupos da Uefa Champions League e da Uefa Europa League. O vídeo (apenas disponível em inglês) vai ser transmitido nos telões gigantes dos estádios por toda a Europa, e distribuído pelas emissoras televisivas encarregues de difundir os jogos. Nesta experiência, a equipe de arbitragem tradicional, composta por um árbitro principal, dois assistentes e um quarto-árbitro, será completada com mais dois assistentes, que se colocam junto a cada uma das balizas.
A sua tarefa particular é a de assinalarem lances que ocorram na grande área, tais como agarrões ou puxões, e ainda em lances de bola parada. A inclusão de mais assistentes é encarada como uma forma de dissuasão, já que os jogadores sabem que estão permanentemente sendo observados. A equipe de arbitragem no teste realizado comunica-se através de um sistema áudio, que permite ao árbitro principal tomar uma decisão assim que é informado de qualquer irregularidade, e a presença dos assistentes adicionais permite um campo de visão mais avançado da grande área.
O vídeo mostra a equipe de arbitragem em ação e enfatiza uma série de mensagens-chave. A utilização de assistentes adicionais fornece maior visão, maior comunicação e propicia maiores informações aos árbitros, que assim podem tomar decisões de forma mais eficaz. Tal como o chefe do setor de arbitragem da Uefa, Pierluigi Collina (foto), diz no final, "Agora Vemos Mais". O vídeo termina com um valor-chave da Uefa - o respeito - e, neste caso, são os árbitros que merecem o respeito por parte de jogadores, treinadores, restante do "staff" e espectadores.
Depois dea decisão do International Board (IFAB) em Julho, a experiência continua nos jogos da Uefa Champions League e da Uefa Europa League nas temporadas 2010/11 e 2011/12, bem como na SuperTaça Europeia de 2011. Os principais treinadores europeus deram a sua aprovação a esta iniciativa no recente Fórum dos Treinadores de Clubes de Elite da Uefa, que ocorreu em Nyon.
Fonte: Uefa
Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

Viva o antijogo

Há diferentes circunstâncias em que um jogador deve ser advertido com cartão amarelo pela prática do antijogo, diz a Fifa. Entre elas, os árbitros deverão estar sempre atentos aos jogadores que infringirem persistentemente as regras do jogo. Não há um número específico de infrações que constitua a persistência ou a existência de um padrão de comportamento. Isso é de inteira responsabilidade do árbitro, e deverá ser feita no contexto da efetiva administração eficaz da partida.

O que está acontecendo neste Brasileirão, em termos de faltas sequenciais ou o "rodízio da faltas", é uma vergonha, é um disparate. Jogadores de talento como Neymar- foto do (Santos), Conca (Fluminense), Branquinho (Atlético/PR), Kléber (Plameiras), D'Alessandro (Inter) e outros craques, não conseguem realizar uma jogada de alto estilo, não conseguem aplicar um drible de alta propulsão, não conseguem realizar uma tabela, pois são trancados de forma brusca, recebem cotoveladas de toda a espécie, são tratados a pontapés.

Dentro da área de pênalti, o agarra-agarra na cara dos árbitros atingiu todos os limites da intolerância. Pior: com a omissão e conivência de um grupo de árbitros que ostenta o escudo da Fifa. É uma vergonha. O nível da arbitragem brasileira após a Copa do Mundo na África do Sul atingiu um patamar de indigência. O craque, aquele que propicia o ludismo, aquele que garante a bilheteria do clube e o status do futebol brasileiro está morto neste campeonato. Com a palavra a Comissão Nacional de Árbitros (Conaf) da CBF.

Fonte: TRIBUNA DO PARANÁ

Valdir Bicudo-bicudoapito@hotmail.com

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Três expulsões e 40 amarelos na 21ª rodada


A segunda rodada do returno do Campeonato Brasileiro teve o mesmo número de expulsões dos jogos da mesma rodada do primeiro turno: três. Nos jogos deste final de semana, Vilson, do Grêmio; Gilson, do Atlético/GO; e Marquinhos Paraná, do Cruzeiro; foram para o chuveiro mais cedo e os árbitros distribuíram ainda 40 cartões amarelos.


O detalhe é que os times que ficaram com um homem a menos em campo venceram seus jogos. Vilson, expulso por cometer pênalti em Bruno César, viu o Grêmio bater o Corinthians por 1 a 0, no Pacaembu; Gilson levou o segundo amarelo por parar o contra-ataque do Fluminense, mas, no final, comemorou o triunfo do Dragão sobre o líder; Marquinhos Paraná deixou o Cruzeiro em apuros, porém, o time resistiu ao Avaí e venceu na Ressacada.
Apesar das vitórias, os expulsos, além de cumprirem a suspensão automática na rodada seguinte, ainda terão que enfrentar problemas com a Justiça Desportiva. Os três serão denunciados em breve pela Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e sentarão no banco dos réus.
A 21ª rodada ficou marcada pelos tropeços dos líderes Fluminense e Corinthians, e das aproximações de Botafogo e Cruzeiro na disputa pelo topo do Campeonato Brasileiro. Na parte debaixo da tabela nada mudou, mas a diferença entre os times da zona de rebaixamento para o demais diminuiu.
Fonte: Raphael Petersen - Justiça Desportiva